Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11194
Tipo do documento: Artigo
Título: De Hannah Arendt a Karl Marx: o novo e precário mundo do trabalho, no século XXI
Título(s) alternativo(s): Hannah Arendt y Karl Marx: el nuevo y precario mundo del trabajo en el siglo XXI
Hannah Arendt to Karl Marx: the new and precarious world work, in the 21st century
Autor: Soares, José de Lima
Resumo: A partir dos conceitos de ação, trabalho e labor Hannah Arendt elaborou uma das críticas mais contundentes aos pressupostos de Marx e à sua interpretação da sociedade moderna. Esses pressupostos de Arendt são apresentados a partir do ideário liberal e da tradição antiga que, em sua concepção, apontam para a glorificação do trabalho no âmbito da modernidade capitalista. No presente artigo procuramos demonstrar que a argumentação teórica da autora não se sustenta ao equiparar o estatuto do trabalho de Marx ao da Economia Política clássica, reduzindo a teoria social marxiana aos fundamentos teóricos do liberalismo que legitimam a propriedade privada a partir da defesa da “produtividade natural” do trabalho. Arendt desconsidera, assim, não apenas a crítica de Marx à Economia Política, como o cerne de seu projeto de emancipação do homem: a abolição da propriedade privada e do trabalho alienado. Somos da opinião de que a classe trabalhadora no século XXI, em plena era da globalização, é mais fragmentada, mais heterogênea e ainda mais diversificada. Pode-se constatar, neste processo, uma perda significativa de direitos e de sentidos, em sintonia com o caráter destrutivo do capital vigente. O sistema de metabolismo, sob controle do capital, tornou o trabalho ainda mais precarizado, por meio das formas de subempregado, desempregado, intensificando os níveis de exploração para aqueles que trabalham.
Abstract: A partir de los conceptos de acción "obra y el trabajo", Hannah Arendt elaboró una de las críticas más fuertes de la hipótesis de Marx y su interpretación de la sociedad moderna. Estos supuestos presentan la ideología liberal de Arendt y la tradición antigua que, en su opinión, es el punto de la glorificación del trabajo dentro de la modernidad capitalista. En este trabajo se muestra que el argumento teórico de Arendt no se sostiene porque hay una reducción de la teoría social de Marx a la teoría de bases liberales que legítima la propiedad privada de la defensa de la "productividad natural” del trabajo humano. Arendt hace caso omiso y de este modo no sólo critica la economía política de Marx como el núcleo del proyecto de emancipación de su hombre: la abolición de la propiedad privada y el trabajo alienado. Creemos que la clase obrera en el siglo XXI, en la era de la globalización, es más fragmentada, heterogénea y diversa. Se puede ver en este proceso, una significativa pérdida de derechos y sentidos, en sintonía con el carácter destructivo de lo Capital. El sistema de metabolismo, bajo el control del capital, hizo que el trabajo sea aún más precario: subempleados, desempleados y el aumentando niveles de explotación para los que trabajan
According to the concepts of action, work and labor, Hannah Arendt has produced one of the most damning criticism of Marx's assumptions and interpretation of modern society. These Arendt’s assumptions are are grounded in liberal ideals and in ancient tradition that glorify and also magnify the work, the productive action. In this paper, we show that the theoretical argument the author does not hold when equate the status of Marx's work with the Economic Policy classic. Arendt reduced the Marxian social theory to the theoretical foundations of liberalism that legitimate private property as a "natural productivity" of labor. This way, her thinking disregards thus not only Marx's critique of political economy, but mainly at the heart of your man's emancipation project: the abolition of private property and alienated labor. We believe that the working class in the XXI century, in the era of globalization, is more fragmented, heterogeneous and more diverse. It can be seen, in this process, a significant loss of rights and senses, in tune with the destructive character of the capital. The metabolism system, under control of the capital, made the work even more precarious, forms of underemployed, unemployed, increasing the levels of exploitation for those working.
Palavras-chave: Hannah Arendt
Karl Marx
Mundo do trabalho
Precarização
El mundo del trabajo
La precariedad
World of work
Precariousnes
País: brasil
Instituição: Dulcéria Tartuci
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Regional Catalão (RC)
Citação: SOARES, José de Lima. De Hannah Arendt a Karl Marx: o novo e precário mundo do trabalho, no século XXI. Poíesis Pedagógica, Catalão, v. 13, n. 2, p. 66-86, jul./dez. 2015. Disponível em: < http://www.revistas.ufg.br/index.php?journal=poiesis&page=article&op=view&path%5B%5D=40104&path%5B%5D=20496>.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11194
Data de publicação: 10-Dez-2015
Aparece nas coleções:RC - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - José de Lima Soares - 2015.pdfArtigo - José de Lima Soares - 2015.770,74 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.