Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/15821
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorOliveira, Iana Mundim de-
dc.creatorCastral, Thaíla Corrêa-
dc.creatorCavalcante, Marcela Maria Faria Peres-
dc.creatorCarvalho, Julyana Calatayud-
dc.creatorDaré, Mariana Firmino-
dc.creatorSalge, Ana Karina Marques-
dc.date.accessioned2018-09-04T12:33:23Z-
dc.date.available2018-09-04T12:33:23Z-
dc.date.issued2016-
dc.identifier.citationOLIVEIRA, Iana Mundim de; CASTRAL, Thaíla Corrêa; CAVALCANTE, Marcela Maria Faria Peres; CARVALHO, Julyana Calatayud; DARÉ, Mariana Firmino; SALGE, Ana Karina Marques. Conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem sobre avaliação e tratamento da dor neonatal. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 18, e1160, 2016. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/36782/21644>.pt_BR
dc.identifier.issne- 1518-1944-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/15821-
dc.description.sponsorshipUFGpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherMarcelo Medeirospt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectRecém-nascidopt_BR
dc.subjectDor agudapt_BR
dc.subjectUnidades de terapia intensiva neonatalpt_BR
dc.subjectEnfermagem neonatalpt_BR
dc.titleConhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem sobre avaliação e tratamento da dor neonatalpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoObjetivo do estudo foi verificar o conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem de uma unidade neonatal quanto à avaliação e tratamento da dor aguda em recém-nascidos. Estudo descritivo exploratório realizado com 26 profissionais de enfermagem de uma unidade neonatal no Centro-Oeste, Brasil. A maioria dos profissionais identificou ao menos uma escala de avaliação da dor neonatal (76,9%). As estratégias para alívio da dor selecionadas pelos profissionais foram diminuição de ruído e luminosidade (84,6%), posição canguru (76,9%) e colo (76,9%). Menos da metade (28,0%) dos profissionais afirmou registrar sempre ou frequentemente o escore de dor no plantão, e 64,0% referiu utilizar estratégias de alívio da dor. A maioria dos profissionais demonstrou conhecimento quanto ao manejo da dor, apesar de existirem lacunas. A aplicação das escalas e medidas de alívio da dor mostrou-se inadequada, seja pelo pouco uso, não utilização da melhor evidência disponível ou falta de registro.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUFGpt_BR
dc.identifier.doi10.5216/ree.v18.36782-
dc.publisher.departmentFaculdade de Enfermagem - FEN (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FEN - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Ana Karina Marques Salge- 2016.pdf514,72 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons