Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/16037
Tipo do documento: Artigo
Título: Tempo de trabalho a luta pela redução da jornada e a centralidade da teoria do valor-trabalho
Título(s) alternativo(s): Working time, the struggle for reduction of the journey and the centrality of labor theory of value
Tiempo de trabajo la lucha por la reducción de la jornada y la centralidad de la teoría del valortrabajo
Autor: Soares, José de Lima
Resumo: O artigo procura refletir a ausência da pauta sindical de questões que tratem diretamente do tempo de trabalho, da flexibilização e da intensidade do trabalho, bem como da centralidade do trabalho em nossa contemporaneidade. Analisando algumas características sobre o tempo de contratação de trabalhadores no mercado de trabalho brasileiro, demonstra-se que existe uma grande distância entre o discurso, a leitura acadêmica sobre o tema e a realidade. A redução da jornada de trabalho é um tema multifacetado, que caracteriza um debate complexo e polêmico, suscitando o interesse de diversos agentes sociais interessados nessa pauta, mas que possuem diferentes concepções acerca do debate, em razão da heterogeneidade de valores em jogo. Argumenta-se neste trabalho que as implicações sociais de uma medida política de redução da jornada de trabalho não garante o tempo livre e a emancipação humana. Contudo, entende-se que essa redução é uma tendência histórica, vinculada ao desenvolvimento socioeconômico. Há diferenças marcantes entre o discurso sindical, a simpatia política pela medida, as afirmações teóricas e as evidências empíricas sobre a temática. Entendemos que a luta dos Sindicatos e das Centrais Sindicais por 40 horas semanais é de grande importância para os trabalhadores, mas é necessário incluir na pauta sindical a questão da intensidade do trabalho. Por fim, procuramos enfocar, ainda, a dimensão ontológica da teoria do valor a partir da concepção marxiana.
Abstract: The article seeks to reflect the absence of Trade Union agenda that directly address issues of working time, flexibility and intensity of the work, as well as the centrality of work in our contemporaneity. Analyzing some features about the hiring of workers in the Brazilian labour market, demonstrates that there is a great distance between the discourse, academic reading on the topic and the reality. The reduction of the workday is a multifaceted issue, which features a complex and controversial debate, raising the interest of diverse social actors interested in this story, but which have different conceptions about the debate, due to the heterogeneity of values in play. It is argued in this paper that the social implications of a policy measure for the reduction of the workday does not guarantee the free time and human emancipation. However, it is understood that this reduction is a historical trend, linked to the socio-economic development. There are marked differences between the Trade Union discourse, political sympathy by the measure, theoretical statements and empirical evidence on the subject. We understand that the struggle of unions and Union stations for 40 hours per week is of great importance to workers, but it is necessary to include in the agenda the question of trade union work intensity. Finally, we focus on the ontological dimension of theory of value from the Marxian conception.
El artículo procura reflejar la ausencia de la pauta sindical de cuestiones que traten directamente del tiempo de trabajo, de la flexibilización y de la intensidad del trabajo, bien como de la centralidad del trabajo en nuestra contemporaneidad. Analizando algunas características sobre el tiempo de contratación de trabajadores en el mercado de trabajo brasileño, se demuestra que existe una grande distancia entre el discurso, la lectura académica sobre el tema y la realidad. La reducción de la jornada de trabajo es un tema multifacetado, que caracteriza un debate complejo y polémico, suscitando el interese de diversos agentes sociales interesados en esa pauta, pero que poseen diferentes concepciones acerca del debate, en razón de la heterogeneidad de valores en juego. Se argumenta en este trabajo que las implicaciones sociales de una medida política de reducción de la jornada de trabajo no garantizan el tiempo libre y la emancipación humana. Todavía, se entiende que esa reducción es una tendencia histórica, vinculada al desarrollo socioeconómico. Existe diferencias sobresalientes entre el discurso sindical, la simpatía política por la medida, las afirmaciones teóricas y las evidencias empíricas sobre la temática. Entendemos que la lucha de los Sindicatos y de las Centrales Sindicales por 40 horas semanales es de grande importancia para los trabajadores, pero es necesario incluir en la pauta sindical la cuestión de la intensidad del trabajo. Por fin, procuramos enfocar, aún, la dimensión ontológica de la teoría del valor a partir de la concepción marxiana.
Palavras-chave: Tempo de trabalho
Valor-trabalho
Intensidade da jornada
Sindicalismo
Working time
Work intensity value of journey
Unionism
Tiempo de trabajo
Valor-trabajo
Intensidad de la jornada
Ssindicalismo
País: Brasil
Instituição: Lilian Marta Grisolio Mendes
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Regional de Catalão (RC)
Citação: SOARES, José de Lima. Tempo de trabalho a luta pela redução da jornada e a centralidade da teoria do valor-trabalho. Opsis, Catalão, v. 13, n. 2, p. 248-272, jul./dez. 2013. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/Opsis/article/view/23054/15918#.W6pzentKgdU>
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: 10.5216/o.v13i2.23054
Identificador do documento: 10.5216/o.v13i2.23054
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/16037
Data de publicação: Dez-2013
Aparece nas coleções:RC - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - José de Lima Soares - 2013.pdf663,87 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons