Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18038
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorSilva, Adriano Correia-
dc.date.accessioned2019-08-29T11:35:14Z-
dc.date.available2019-08-29T11:35:14Z-
dc.date.issued2011-05-
dc.identifier.citationCORREIA, Adriano. Sobre o trágico na ação: Arendt (e Nietzsche). O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, v. 20, n. 29, p. 59-74, maio 2011.pt_BR
dc.identifier.issn0104-6675-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18038-
dc.description.abstractThis paper I intend to examine preliminarily the possibility of identifying a tragic sense of human action, inspired by the Hannah Arendt’s work, connected with some basics Nietzsche’s insights. Arendt and Nietzsche understand human action as unavoidably contingent, including with regard to the relationship between agent and act. By this reason, the action is always exposed to risk and vicissitudes, so that the capacity to start something new is always dependent on a reconciled relationship with the past. Our hypothesis consists in argue that the dynamic of forgiveness in Arendt’s The human condition is analogous to the role of forgetting in Nietzsche’s thinking.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAçãopt_BR
dc.subjectImprevisibilidadept_BR
dc.subjectIrreversibilidadept_BR
dc.subjectPerdãopt_BR
dc.subjectPromessapt_BR
dc.subjectEsquecimentopt_BR
dc.subjectActionpt_BR
dc.subjectUnpredictabilitypt_BR
dc.subjectIrreversibilitypt_BR
dc.subjectForgivenesspt_BR
dc.subjectPromisept_BR
dc.subjectForgettingpt_BR
dc.titleSobre o trágico na ação: Arendt (e Nietzsche)pt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoPretendo examinar preliminarmente, nesse texto, a possibilidade de se pensar um sentido trágico na ação humana a partir da obra de Hannah Arendt, aproximada de algumas intuições de Nietzsche. Arendt e Nietzsche compreendem a ação humana como incontornavelmente contingente, também no que tange à relação agente/ato. Em vista disso, a ação está sempre exposta ao risco e à infortuna, de modo que a capacidade de iniciar algo novo é sempre tributária de uma relação reconciliada com o passado. Aventamos a hipótese de que a dinâmica do perdão na obra A condição humana, de Arendt, é análoga à atuação do esquecimento no pensamento de Nietzsche.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Filosofia - FAFIL (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FAFIL - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Adriano Correia Silva - 2011.pdf141,83 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons