Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18660
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorTelles, Mariana Pires de Campos-
dc.creatorSilva, Rossana Serrato Mendonça-
dc.creatorChaves, Lázaro José-
dc.creatorCoelho, Alexandre Siqueira Guedes-
dc.creatorDiniz Filho, José Alexandre Felizola-
dc.date.accessioned2020-02-12T14:44:07Z-
dc.date.available2020-02-12T14:44:07Z-
dc.date.issued2001-11-
dc.identifier.citationTELLES, Mariana Pires Campos et al. Divergência entre populações de cagaiteira (Eugenia dysenterica) em resposta a padrões edáficos e distribuição espacial. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 36, n.11, p. 1387-1394, nov. 2001.pt_BR
dc.identifier.issn0100-204X-
dc.identifier.issne- 1678-3921-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18660-
dc.description.abstractThe domestication and management of native plant species for uses in agricultural systems is usually constrained by the absence of knowledge about genetic variability, population structure and evolutionary processes involved in population differentiation in geographic space. A full understanding of these patterns and processes implies in analyzing multiple characters. In this paper, differentiation among ten local populations of Eugenia dysenterica DC. from Southeastern region of Goiás state, Central Brazil, was analyzed. Mantel tests were used to evaluate the relationships between genetic (eight loci from isozymes) and phenotypic (morphological and demographic characters) patterns of population differentiation, in relation to spatial distribution and edaphic differences among regions. The results from Mantel s tests suggested that the main factor acting on genetic differentiation is the geographic distribution of local populations, in a stochastic model that balances local drift within local population and short-distance gene flow among them. The phenotypic differentiation, on the other hand, is better explained by edaphic patterns and also by the geographic distribution. These results support the idea of neutral (or quasi-neutral) evolutionary processes in isozymic markers and shows that genetic divergence among local populations is highly structured in geographic space, independently of variations in edaphic patterns and phenotypic variation.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectIsoenzimaspt_BR
dc.subjectFenótipospt_BR
dc.subjectVariação genéticapt_BR
dc.subjectFatores ambientaispt_BR
dc.subjectIsoenzymespt_BR
dc.subjectPhenotypespt_BR
dc.subjectGenetic variationpt_BR
dc.subjectEnvironmental factorspt_BR
dc.titleDivergência entre subpopulações de cagaiteira (Eugenia dysenterica) em resposta a padrões edáficos e distribuição espacialpt_BR
dc.title.alternativeDivergence among local populations of Eugenia dysenterica in response to edaphic patterns and spatial distributionpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoA domesticação e a utilização de espécies nativas em sistemas de produção muitas vezes são inviabilizadas pela falta de conhecimento prévio sobre a variabilidade genética. Uma vez quantificada, esta variabilidade pode ser útil tanto para o melhoramento genético da espécie quanto em programas de conservação. O objetivo deste trabalho foi avaliar a diferenciação, com base em caracteres genéticos e fenotípicos, entre dez subpopulações de Eugenia dysenterica DC. nativas da região sudeste do Estado de Goiás. Foram utilizados testes de Mantel a fim de comparar os padrões de variação genética, com base em oito locos isoenzimáticos, e caracteres fenotípicos (caracteres morfológicos e demográficos), entre as subpopulações, e estabelecer suas relações com as diferenças geográficas e edáficas entre as regiões. Os testes de Mantel sugeriram que o principal fator determinando a divergência genética é a distribuição geográfica das subpopulações, em um modelo no qual existe um balanço entre deriva genética atuando dentro das subpopulações e fluxo gênico em curtas distâncias ligando as subpopulações. A variação fenotípica, por sua vez, é melhor explicada pelos padrões edáficos e pela distribuição espacial. Esses resultados podem servir de guia para a coleta de germoplasma visando a sua utilização em programa de melhoramento genético desta espécie.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.identifier.doi10.1590/S0100-204X2001001100009-
dc.publisher.departmentEscola de Agronomia - EA (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:EA - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Mariana Pires de Campos Telles - 2001.pdf311,48 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons