Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18873
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorReis, Liliane Braga Monteiro dos-
dc.creatorFarias, André de Lima-
dc.creatorBollella, Angela de Paula-
dc.creatorSilva, Hemilly Karoliny Martins-
dc.creatorCanuto, Marcos Ítalo Carvalho-
dc.creatorZambelli, Janaina da Camara-
dc.creatorFreire, Maria do Carmo Matias-
dc.date.accessioned2020-03-20T15:06:27Z-
dc.date.available2020-03-20T15:06:27Z-
dc.date.issued2014-10-
dc.identifier.citationREIS, Liliane Braga Monteiro dos et al. Conhecimentos, atitudes e práticas de cirurgiões-dentistas de Anápolis-GO sobre a fitoterapia em odontologia. Revista de Odontologia da UNESP, Araraquara, v. 43, n. 5, p. 319-325, 2014.pt_BR
dc.identifier.issne- 1807-2577 325-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18873-
dc.description.abstractDespite the expansion of complementary and integrative health practices in Brazil, there are few studies related to the use of phytotherapy in dentistry. Objective: To investigate the knowledge, attitudes and practices of dentists on phytotherapy in clinical practice. Material and method: A cross-sectional study was carried out with a group of 105 dentists working as clinicians in the public and private service in the city of Anápolis-GO (response rate = 52.5% of the 200 professionals invited) who answered a questionnaire. Result: About 16% of respondents said they had theoretical background about phytotherapy and half of them reported having had this subject during the undergraduate programe. Although more than half of dentists (61.9%) have considered that the insertion of phytotherapy in clinical practice is feasible, only a few reported prescribing them (12.4%), or questioning, during the consultation, if their patients were having phytotherapy (36.2%). Regarding the dentists’ opinions regarding the factors that hinder the inclusion of phytotherapy in the dental practice, the most frequent were lack of knowledge, lack of research and lack of information. Most of them had no knowledge on the legislation regarding phytotherapy and this was associated with its use in clinical practice (p<0.05). Conclusion: Dental surgeons investigated in this study showed deficiencies in knowledge, little application and favorable attitudes towards the use of phytotherapy in clinical practice, but a shift in the academic and professional training is required for an appropriate support for its use.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectFitoterapiapt_BR
dc.subjectServiços de saúde bucalpt_BR
dc.subjectOdontologiapt_BR
dc.subjectServiços de saúdept_BR
dc.subjectPhytotherapypt_BR
dc.subjectDentistrypt_BR
dc.subjectHealth servicespt_BR
dc.subjectDental health servicespt_BR
dc.titleConhecimentos, atitudes e práticas de cirurgiões-dentistas de Anápolis-GO sobre a fitoterapia em odontologiapt_BR
dc.title.alternativeKnowledge, attitudes and practices of dentists from Anápolis-GO on phytotherapy in dentistrypt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoEm um cenário de expansão das práticas integrativas e complementares em saúde no Brasil, são escassos os estudos relacionados ao uso da fitoterapia em Odontologia. Objetivo: Investigar os conhecimentos, atitudes e práticas do Cirurgião-Dentista sobre a fitoterapia na prática clínica. Material e método: Foi realizado um estudo transversal com um grupo de 105 Cirurgiões-Dentistas, no exercício clínico da Odontologia dos serviços público e privado, do município de Anápolis-GO (taxa de resposta de 52,5% dos 200 profissionais convidados), que responderam um questionário. Resultado: Cerca de 16% dos respondentes afirmaram que tiveram embasamento teórico acerca da fitoterapia e, destes, metade relatou ter tido este embasamento na Graduação. Embora mais da metade dos Cirurgiões-Dentistas (61,9%) tenha considerado viável a inserção dos fitoterápicos na prática clínica, poucos relataram prescrevê-los (12,4%) ou questionarem, durante a consulta, se os pacientes faziam uso de fitoterápicos (36,2%). Quanto à opinião sobre os fatores que dificultam a inserção dos fitoterápicos no âmbito da Odontologia, os mais citados foram o desconhecimento, a ausência de pesquisas e a falta de divulgação. Embora a maioria desconhecesse a legislação a respeito do tema, este conhecimento foi associado ao uso de fitoterapia na prática clínica (p<0,05). Conclusão: Os Cirurgiões-Dentistas do município pesquisado apresentaram deficiências no conhecimento, pouca utilização e atitudes favoráveis acerca do uso da fitoterapia na prática clínica, sendo necessária uma reorientação na formação acadêmica e profissional, para que haja suporte apropriado para a sua utilização.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.identifier.doi10.1590/rou.2014.051-
dc.publisher.departmentFaculdade de Odontologia - FO (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FO - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Liliane Braga Monteiro dos Reis - 2014.pdf620,6 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons