Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18875
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorFreire, Maria do Carmo Matias-
dc.creatorReis, Sandra Cristina Guimarães Bahia-
dc.creatorFigueiredo, Nilcema-
dc.creatorPeres, Karen Glazer de Anselmo-
dc.creatorMoreira, Rafael da Silveira-
dc.creatorAntunes, José Leopoldo Ferreira-
dc.date.accessioned2020-03-20T15:09:14Z-
dc.date.available2020-03-20T15:09:14Z-
dc.date.issued2013-
dc.identifier.citationFREIRE, Maria do Carmo Matias et al. Determinantes individuais e contextuais da carie em crianças brasileiras de 12 anos em 2010. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 47, supl. 3, p. 40-49, 2013.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18875-
dc.description.abstractOBJECTIVE: To estimate the prevalence and severity of dental caries in Brazilian children and the association with individual and contextual factors. METHODS: Data were taken from the Brazilian Oral Health Survey (SBBrasil 2010) a sample of 7,247 12-year-olds. The data were collected using clinical examinations and interviews. The dependent variables were the prevalence of dental caries (decayed, missing and filled teeth [DMFT] ≥ 1 and DMFT ≥ 4). Bivariate (Rao Scott test) and multivariate (Poisson regression) analyses were carried out. The individual variables were sociodemographic variables, periodontal health and reporting discomfort while brushing. Contextual factors were the presence of water fluoridation, the percentage of residences connected to the water supply and median income of the municipality. RESULTS: The prevalence of DMFT ≥ 1 was 56.0%. Mean DMFT was 2.04 (95%CI 1.76;2.31) and 22.2% of children had DMFT ≥ 4. Caries experience was significantly more common in children with black, brown or yellow skin; in low-income families; in children with dental calculus or bleeding gums and in those who reported discomfort while brushing. Living in towns with fluoridated tap water, with low coverage of water supply and with low median income were contextual factors associated with the disease. CONCLUSIONS: The prevalence of dental caries in Brazilian 12-year-olds was low, according to World Health Organization criteria. There were significant geographical and socioeconomic inequalities in levels of the disease.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectChildpt_BR
dc.subjectDental caries, epidemiologypt_BR
dc.subjectOral healthpt_BR
dc.subjectSocioeconomic factorspt_BR
dc.subjectDental health surveyspt_BR
dc.subjectHealth inequalitiespt_BR
dc.subjectCriançapt_BR
dc.subjectCárie dentária, epidemiologiapt_BR
dc.subjectFatores socioeconômicospt_BR
dc.subjectDesigualdades em saúdept_BR
dc.subjectSaúde bucalpt_BR
dc.subjectInquéritos de saúde bucalpt_BR
dc.titleDeterminantes individuais e contextuais da cárie em crianças brasileiras de 12 anos em 2010pt_BR
dc.title.alternativeIndividual and contextual determinants of dental caries in Brazilian 12-year-olds in 2010pt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoOBJETIVO: Estimar a prevalência e gravidade de cárie em crianças brasileiras e sua associação com fatores individuais e contextuais. MÉTODOS: Foram utilizados os dados da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal (SBBrasil 2010), em uma amostra de 7.247 crianças de 12 anos. Os dados foram coletados por meio de exames clínicos e entrevistas. As variáveis dependentes foram as prevalências de cárie (dentes permanentes cariados, perdidos ou obturados [CPOD] ≥ 1 e CPOD ≥ 4). Foram realizadas análises bivariadas (teste de Rao-Scott) e multinível (regressão de Poisson). As variáveis individuais foram sociodemográficas, condição periodontal e relato de incômodo ao escovar os dentes. Os fatores contextuais foram a presença de água fluoretada, a porcentagem de domicílios ligados à rede de abastecimento de água e a renda mediana do município. RESULTADOS: A prevalência de CPOD ≥ 1 foi 56,0%. O CPOD médio foi igual a 2,04 (IC95% 1,76;2,31) e 22,2% das crianças tinham CPOD ≥ 4. A experiência de cárie foi significantemente mais elevada em crianças de cor de pele preta, parda e amarela; em famílias com renda mais baixa; em crianças com cálculo dentário ou sangramento gengival; e naquelas que relataram incômodo ao escovar. Viver em cidades sem água fluoretada, com menor cobertura da rede de abastecimento de água e com renda mediana baixa foram fatores contextuais associados à doença. CONCLUSÕES: A prevalência de cárie em crianças brasileiras de 12 anos foi baixa, de acordo com os critérios da Organização Mundial da Saúde. Houve significantes desigualdades geográficas e socioeconômicas nos níveis da doença.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.identifier.doi10.1590/S0034-8910.2013047004322-
dc.publisher.departmentFaculdade de Odontologia - FO (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FO - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Maria do Carmo Matias Freire - 2013.pdf281,33 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons