Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11531
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorDiniz Filho, José Alexandre Felizola-
dc.date.accessioned2017-03-09T13:06:56Z-
dc.date.available2017-03-09T13:06:56Z-
dc.date.issued2004-08-31-
dc.identifier.citationDINIZ FILHO, J. A. F. Macroecological analyses support the overkill scenario for the late pleistocene extinctions. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 64, n. 3A, p. 407-414, Aug. 2004.pt_BR
dc.identifier.issne- 1678-4375-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11531-
dc.description.abstractThe extinction of megafauna at the end of Pleistocene has been traditionally explained by environmental changes or overexploitation by human hunting (overkill). Despite difficulties in choosing between these alternative (and not mutually exclusive) scenarios, the plausibility of the overkill hypothesis can be established by ecological models of predator-prey interactions. In this paper, I have developed a macroecological model for the overkill hypothesis, in which prey population dynamic parameters, including abundance, geographic extent, and food supply for hunters, were derived from empirical allometric relationships with body mass. The last output correctly predicts the final destiny (survival or extinction) for 73% of the species considered, a value only slightly smaller than those obtained by more complex models based on detailed archaeological and ecological data for each species. This illustrates the high selectivity of Pleistocene extinction in relation to body mass and confers more plausibility on the overkill scenario.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherInstituto Internacional de Ecologiapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectOverkillpt_BR
dc.subjectMacroecologypt_BR
dc.subjectPleistocenept_BR
dc.subjectExtinctionpt_BR
dc.subjectHunter-gathererspt_BR
dc.titleMacroecological analyses support the overkill scenario for the late pleistocene extinctionspt_BR
dc.title.alternativeAnálises macroecológicas apoiam o cenário de sobreexploração para as extinções do final do pleistocenopt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoA extinção da megafauna no final do Pleistoceno tem sido tradicionalmente explicada por grandes mudanças climáticas ou pelo efeito de “sobreexploração” por parte dos primeiros caçadores (overkill). Apesar das dificuldades e controvérsias na distinção desses dois cenários não mutuamente exclusivos, a plausibilidade do cenário de sobreexploração pode ser avaliada por modelos de interação predador– presa. Neste estudo, demonstrou-se como um modelo macroecológico determinístico (isto é, utilizando parâmetros derivados de relações alométricas para diferentes espécies pode ser utilizado para avaliar a dinâmica das presas potenciais dos primeiros caçadores na América. Esse modelo previu corretamente o destino de 73% das espécies, valor apenas pouco inferior ao obtido por outros modelos mais complexos para o cenário. Isso ilustra a elevada seletividade do cenário de sobreexploração em relação ao tamanho do corpo e sua plausibilidade como explicação para as extinções da megafauna no final do Pleistoceno.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.identifier.doi10.1590/S1519-69842004000300005-
dc.publisher.departmentInstituto de Ciências Biológicas - ICB (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:ICB - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - José Alexandre Felizola Diniz Filho - 2004.pdf64,96 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons