Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18293
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorSilva, Adriano Correia-
dc.date.accessioned2019-10-31T13:07:07Z-
dc.date.available2019-10-31T13:07:07Z-
dc.date.issued2013-12-
dc.identifier.citationCORREIA, Adriano. Quem é o animal laborans de Hannah Arendt? Revista de Filosofia: Aurora, Curitiba, v. 25, n. 37, p. 199-222, jul./dez. 2013.pt_BR
dc.identifier.issne- 1980-5934-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18293-
dc.description.abstractI intend to examine in this paper a central question to the Arendt’s reflection on the political modernity: the victory of animal laborans. To accomplish this task, I will perform an analysis of the semantic variations of arendtian use of this term, whose understanding is central to her articulation between human condition, the emergence of society and the prevalence of a mindset tied to life through labor and consumption. We conclude that there are at least three main uses of the term animal laborans in Hannah Arendt’s work: as a fundamental dimension of existence conditioned by life; as a product of the atomized society; as mindset and "way of life" extracted from the conditions of mere living. We think that this is a fundamental step to understanding of the relationship between economy and politics in modern age. [#]pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAnimal laboranspt_BR
dc.subjectEra modernapt_BR
dc.subjectEconomiapt_BR
dc.subjectPolíticapt_BR
dc.subjectAnimal laboranspt_BR
dc.subjectModern agept_BR
dc.subjectEconomypt_BR
dc.subjectPoliticspt_BR
dc.titleQuem é o animal laborans de Hannah Arendt?pt_BR
dc.title.alternativeWho is Hannah Arendt’s animal laborans?pt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoPretendo examinar nesse texto uma questão central à reflexão arendtiana sobre a modernidade política: a vitória do animal laborans. Para tanto, realizarei uma análise das variações semânticas do uso arendtiano do termo, cuja compreensão é central à articulação operada por ela entre a condição humana, o surgimento da sociedade e a prevalência de uma mentalidade atrelada à vida via trabalho e consumo. Concluímos que há ao menos três sentidos principais do emprego da expressão animal laborans na obra de Hannah Arendt: como dimensão fundamental da existência condicionada pela vida; como produto da sociedade atomizada; e como mentalidade e “modo de vida” extraídos das condições do mero viver. Pensamos que tal empresa é um passo fundamental à compreensão da relação entre economia e política na era moderna.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Filosofia - FAFIL (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FAFIL - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Adriano Correia Silva - 2013.pdf988,63 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons