Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tde/3000
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorCampos, Diego de Moraes-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/4945998915505968por
dc.contributor.advisor1Pinto, João Alberto da Costa-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4246394797193440por
dc.contributor.referee1Pinto, João Alberto da Costa-
dc.contributor.referee2Cunha, Paulo Ribeiro-
dc.contributor.referee3Maciel, David-
dc.date.accessioned2014-09-03T20:03:35Z-
dc.date.available2014-09-03-
dc.date.issued2011-10-31-
dc.identifier.citationCampos, Diego de Moraes - A filosofia e a trajetória de Álvaro Vieira Pinto no Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB): 1956 - 1964 - 2011 - 187 f.- Dissertação - Programa de Pós-graduação em Historia (FH) - Universidade Federal de Goiás - Goiânia - Goiás - Brasil.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tde/3000-
dc.description.resumoNeste trabalho vamos indagar sobre a obra do filósofo brasileiro Álvaro Vieira Pinto, produzida no ISEB (Instituto Superior de Estudos Brasileiros), como um documento historiográfico representativo da conjuntura política definida no recorte temporal entre 1956 a 1964, destacando: a) seu projeto político, “nacionalismo terceiro-mundista”, ou seja, sua perspectiva política internacionalista, como uma particularidade que o diferencia entre outros nacionalistas; b) seu “historicismo” epistemológico como uma característica que o torna um objeto de pesquisa que traz importantes contribuições para a reflexão historiográfica atual e c) seu engajamento político, como intérprete e personagem histórico das lutas sociais da conjuntura anterior ao Golpe Militar de 1964, em que atuou, enquanto intelectual democrata. Assim, trabalho, enquanto historiador, que, ao analisar um filósofo, busca apresentar a historicidade de seus conceitos, a sua trajetória institucional e o cenário no qual o autor estudado pôde se destacar por sua intervenção filosófica.por
dc.description.abstractThis paper analyses the work of Brazilian philosopher Álvaro Vieira Pinto produced at the Higher Institute for Brazilian Studies (ISEB), consisting of a historiographic document representative of the political scenario spanning from 1956 to 1964. This paper highlights: a) Pinto’s political project as “Third World nationalism” i.e. his international political perspective which distinguishes him from other nationalists; b) his epistemological “historicism” as a trait that makes his work an important object of research for current historiographic debates and c) his political engagement as both interpreter and historical character of the social struggles that occurred prior to Brazil’s 1964 military coup, in which he took part as a democratic intellectual. As a historian analysing a philosopher’s body of work, I seek to present the historicity of his concepts, his institutional trajectory and the panorama in which he played a leading role through his philosophical intervention.eng
dc.description.provenanceSubmitted by Erika Demachki (erikademachki@gmail.com) on 2014-09-03T20:03:35Z No. of bitstreams: 2 DISSERTAÇÃO FINAL_Diego.pdf: 1331304 bytes, checksum: 1fd14095d5c5ecbb146932c92bf74c1a (MD5) license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2014-09-03T20:03:35Z (GMT). No. of bitstreams: 2 DISSERTAÇÃO FINAL_Diego.pdf: 1331304 bytes, checksum: 1fd14095d5c5ecbb146932c92bf74c1a (MD5) license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Previous issue date: 2011-10-31eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPESpor
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttp://repositorio.bc.ufg.br/tede/retrieve/7083/DISSERTA%c3%87%c3%83O%20FINAL_Diego.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Goiáspor
dc.publisher.departmentFaculdade de História - FH (RG)por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFGpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Historia (FH)por
dc.relation.referencesAGUIAR, Ronaldo Conde. Pequena bibliografia do pensamento social brasileiro. Brasília: Paralelo 15 – São Paulo, Marco Zero, 2000. ALMEIDA, Candido Mendes de. ISEB fundação e ruptura. In: Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Caio Navarro de Toledo (org.). – Rio de Janeiro: Revan, 2005. ARREGUI, J. J. Hernandez. O Que é o Ser Nacional? (1963). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1971. AZEVEDO, Fernando de. Manifesto dos Educadores. 1959. BENJAMIN, W. Teses sobre filosofia da história. In: BENJAMIN, Walter. Sociologia (coletânea), São Paulo: Ática, 1985. BENOIT, Denis. Literatura e engajamento: de Pascal a Sartre. Tradução de Luiz Dagobert de Aguirra Roncari. Bauru, SP: EDUSC, 2002. BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. CALDEIRA, Alejandro Serrano. Filosofia e Crise: Pela Filosofia Latino-Americana. Petrópolis: Ed. Vozes, 1984. CHACON, Vamireh. História das Idéias Socialistas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed.Civilização Brasileira, 1965. COHEN-SOLAL, Annie. Sartre. Tradução de Paulo Neves – Porto Alegre, L&PM, 2005. CONSTÂNCIO, João Sidnei Claveri. Filosofia e Libertação segundo E. Dussel e Vieira Pinto. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Rio de Janeiro: UFRJ, IFCS, 1984. CONY, Carlos Heitor. O Ato e o Fato. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964. COSTA, Cruz. Panorama da História da Filosofia no Brasil. São Paulo: Ed. Cultrix, 1959. 180 COSTA, Elaine Kabarite. Uma Abordagem Teórica Acerca Do “Nacional-Popular”. In: ENSAIOS. 1994. Ed. Diadorim. Rio de Janeiro – RJ. ABREU, Alzira Alves. A ação política dos intelectuais do ISEB. In: Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Caio Navarro de Toledo (org.). – Rio de Janeiro: Revan, 2005. COMBLIN, Pe. Joseph. A ideologia da Segurança Nacional: O Poder Militar na América Latina. Rio de Janeiro – RJ: Ed. Civilização Brasileira, 1978. CORBISIER, Roland. Formação e Problema da Cultura Brasileira. Rio de Janeiro: ISEB, 1960. __________________. Brasília e o Desenvolvimento Nacional. Rio de Janeiro: ISEB, 1960. __________________.Autobiografia Filosófica: Das ideologias à Teoria da Práxis. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1978. CÔRTES, Norma. Esperança e Democracia: As idéias de Álvaro Vieira Pinto. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003. ________________. O filósofo e o historiador – dois homens e um destino. In: Nelson Werneck Sodré: entre o sabre e a pena/ Paulo Ribeiro da Cunha, Fátima Cabral (organizadores). – São Paulo: Editora da UNESP, 2006. CRIPPA, Adolpho. A Filosofia no Brasil. In: As Idéias Filosóficas no Brasil / Coord.: Adolpho Crippa (etc.). – São Paulo: Convívio, 1978. DREIFUSS, René Armand. 1964: A Conquista do Estado: Ação Política, Poder e Golpe de Classe. Petrópolis: Vozes, 1987. FÁVERI, José Ernesto de. Filosofia da Educação: O ensino da filosofia na perspectiva freireana. Petrópolis: Vozes, 2005. _______________________. Apresentação. In: PINTO, Álvaro Vieira. A Sociologia dos Países Subdesenvolvidos. Introdução metodológica ou prática metodologicamente desenvolvida da ocultação dos fundamentos sociais do “vale de lágrimas”. Organização: José Ernesto de Fáveri. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008. 181 FILHO, Virgílio Roma de Oliveira. A participação de Werneck Sodré no debate nacionalista da década de 1950. In: Nelson Werneck Sodré: entre o sabre e a pena/ Paulo Ribeiro da Cunha, Fátima Cabral (organizadores). – São Paulo: Editora da UNESP, 2006. FRANCIS, Paulo. O Afeto Que Se Encerra. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1980. ______________. Trinta Anos Esta Noite: O que vi e vivi. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. O tempo das ilusões. In: Ideologia e mobilização popular. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. FREITAS, Marcos Cezar de. Álvaro Vieira Pinto: a personagem histórica e sua trama. São Paulo: Cortez: USF-IFAN, 1998. ________________________. Introdução. In: PINTO, Álvaro Vieira. O Conceito de Tecnologia. Vol. 1. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005. GADOTTI, Moacir. Um filósofo do Terceiro Mundo. In: ROUX, Jorge. Álvaro Vieira Pinto: nacionalismo e Terceiro Mundo. São Paulo: Cortez, 1990. _______________. História das Idéias Pedagógicas. 5ª ed. São Paulo: Editora Ática, 1996. GARCIA, Miliandre. Do Teatro Militante à Música Engajada: A experiência do CPC da UNE (1958-1964). São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2008. (Coleção História do Povo Brasileiro) GUILHERME, Wanderley. Introdução ao Estudo das Contradições Sociais no Brasil. Rio de Janeiro: ISEB, 1963. GOLDMANN, Lucien. Dialética e Cultura. Tradução: Luiz Fernando Cardoso; Carlos Nelson Coutinho e Giseh Vianna Konder. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967. ___________________. A Criação Cultural na Sociedade Moderna: Por uma Sociologia da Totalidade. São Paulo: DIFEL, 1972. ___________________.Crítica e Dogmatismo na Cultura Moderna. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1973. 182 GULLAR, Ferreira. Vanguarda e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. HEILBRONER, Robert L. O Futuro Como Historia. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1963. IANNI, Octavio. O ciclo da Revolução Burguesa. Petrópolis – RJ:Ed. Vozes, 1985. JAGUARIBE, Hélio. O ISEB e o desenvolvimento nacional. In: Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Caio Navarro de Toledo (org.). – Rio de Janeiro: Revan, 2005. JASPERS, Karl. Razão e Anti-Razão em Nosso Tempo. Tradução: Álvaro Vieira Pinto. Rio de Janeiro: ISEB, 1958. (Coleção Textos de Filosofia Contemporânea). LAMOUNIER, Bolívar. O ISEB: notas à margem de um debate. In: Discurso. São Paulo, n. 9, p. 153-158, nov./1978. LEBRUN, Gérard. A “Realidade Nacional” e Seus Equívocos. In: TOLEDO, Caio Navarro de. Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Caio Navarro de Toledo (org.). – Rio de Janeiro: Revan, 2005. LOVATTO. Angélica. Os Cadernos do Povo Brasileiro e o debate nacionalista dos anos 1960: um projeto de revolução brasileira. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Pontífica Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: 2010. LÖWY, Michael. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. 7. ed, – São Paulo: Cortez, 1991. MARTINI, Renato Ramos. Álvaro Viera Pinto: massas, nacionalismo e cultura na realidade nacional. Tese (Doutorado em Sociologia) – UNESP, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2008. MARX, Karl. Teses Contra Feuerbach. (Os Pensadores). 2ª ed. Tradução de José Arthur Giannotti. São Paulo: Abril Cultural, 1978. MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira, 1933-1974. 8 ed. São Paulo: Ática, 1994. 183 NEVES, Lucília de Almeida. Trabalhismo, Nacionalismo e Desenvolvimentismo: Um Projeto Para o Brasil (1945-1964). In: O Populismo e Sua História: Debate e Crítica / Jorge Ferreira (organizador). – Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2001. NUNES, Benedito. Considerações sobre a redução sociológica. (1958). In: RAMOS, Guerreiro. A redução sociológica. (Apêndice II). 2. Ed. Guanabara: Tempo Brasileiro, 1963. OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à Razão Dualista / O Ornitorrinco. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003. OLIVEIRA, Franklin de. Que é a Revolução Brasileira? Vol. 9. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963. ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira & Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense, 2005. PAIM, Antonio. História das Idéias Filosóficas no Brasil. São Paulo: Editorial Grijalbo, 1967. PAIVA, Vanilda Pereira. Paulo Freire e o Nacionalismo-Desenvolvimentista. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1980. PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990. PINTO, Álvaro Vieira. Considerações sobre a lógica do antigo estoicismo. Revista da Faculdade Nacional de Filosofia. Universidade do Brasil, Rio de Janeiro, n.1, p. 56-79, 1949. ___________________. Filosofia Actual. Assucion: Mision Cultural Brasileña, 1957. ___________________. Introdução. In: JARPERS, Karl. Razão e Anti-Razão em Nosso Tempo. Rio de Janeiro: ISEB, 1958. (Coleção Textos de Filosofia Contemporânea). ___________________. Ideologia e desenvolvimento nacional. (1956). 3ª ed. Rio de Janeiro: ISEB, 1960. ___________________. Consciência e Realidade Nacional. Vol. 1 e 2. Rio de Janeiro: ISEB, 1960. 184 ___________________. Por que os ricos não fazem greve? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962 (Coleção Cadernos do Povo Brasileiro). ___________________. Indicações metodológicas para a definição de subdesenvolvimento. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. III, n. 2, p. 252-279, Belo Horizonte, jul./1963. ____________________. (Entrevista). Debate Vozes: Civilização & Cultura. Revista de Cultura Vozes, n. 6, p. 5-20, Petrópolis-RJ, agosto/ 1970. ____________________. Ciência e Existência: Problemas Filosóficos da Pesquisa Científica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969. ____________________. A Questão da Universidade. São Paulo: Cortez, 1986. ____________________. Sete lições sobre educação de adultos. (1982). 5.ed. São Paulo: Cortez, 1987. (Coleção educação contemporânea). ____________________. Caráter Histórico-Antropológico da Educação. In: GADOTTI, Moacir. História das Idéias Pedagógicas. 5ª ed. São Paulo: Editora Ática, 1996. ____________________. O Conceito de Tecnologia. Vol. 1. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005. ____________________. A Sociologia dos Países Subdesenvolvidos. Introdução metodológica ou prática metodologicamente desenvolvida da ocultação dos fundamentos sociais do “vale de lágrimas”. Organização: José Ernesto de Fáveri. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008. PINTO, João Alberto da Costa. Os Impasses da Intelligentsia diante da Revolução Capitalista no Brasil (1930-1964): Historiografia e Política em Gilberto Freyre, Caio Prado Júnior e Nelson Werneck Sodré. Tese (Doutorado em História ) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, 2005. _________________________. A origem e o sentido político do projeto História Nova do Brasil (1963-1965). In: Nelson Werneck Sodré: entre o sabre e a pena/ Paulo Ribeiro da Cunha, Fátima Cabral (organizadores). – São Paulo: Editora da UNESP, 2005. 185 _________________________. O ISEB “por ele mesmo”: práticas institucionais e modelos ideológicos. In: Estado e historiografia no Brasil/ Sonia Regina de Mendonça. Niterói: EdUFF, 2006. PRADO JUNIOR, Caio Prado. A Revolução Brasileira. Ed. Brasiliense, 1987. 7ª ed. (1ª Ed: 1966) RAMOS, Guerreiro. A redução sociológica. 2. Ed. Guanabara: Tempo Brasileiro, 1963. ________________. Mito e Verdade da Revolução Brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1963. ROUX, Jorge. Álvaro Vieira Pinto: nacionalismo e Terceiro Mundo. São Paulo: Cortez, 1990. RIDENTI, Marcelo. Em Busca do Povo Brasileiro: Artistas da Revolução, do CPC à Era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000. RODRIGO, Lidia Maria. O nacionalismo no pensamento filosófico: Aventuras e Desventuras da Filosofia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1988. SANTOS, Joel Rufino dos. História Nova: conteúdo histórico do último ISEB. . In: Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Caio Navarro de Toledo (org.). – Rio de Janeiro: Revan, 2005. SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um Humanismo. (Os Pensadores). São Paulo: Nova Cultural, 1987. SAVIANI, Demerval. Introdução (entrevista). In: PINTO, Álvaro Vieira. Sete lições sobre educação de adultos. (1982). 5.ed. São Paulo: Cortez, 1987. (Coleção educação contemporânea). _________________. Prefácio. In: PINTO, Álvaro Vieira. A Questão da Universidade. São Paulo: Cortez, 1986. _________________. Gilberto Freyre e Álvaro Vieira Pinto. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, n. 159, p. 277-278, maio/ago. 1987. SILVA, Luiz Sérgio Duarte da. A Construção de Brasília: Modernidade e Periferia. Goiânia: Ed. UFG, 1997. 186 SEGANFREDO, Sonia. UNE: instrumento de subversão. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1963. SODRÉ, Nelson Werneck. A ofensiva reacionária. Rio de Janeiro, Ed. Bertrand Brasil S.A., 1992. _____________________. A verdade sobre o ISEB. Rio de Janeiro, Avenir editora, 1978. _____________________. A fúria de Calibã: memórias do golpe de 64. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. _____________________. Introdução à Revolução Brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1967. 3ª edição. SCHWARZ, Roberto. Cultura e Política. 2ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005. TOLEDO, Caio Navarro. ISEB: fábrica de ideologias. 2. Ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997. _____________________. Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Caio Navarro de Toledo (org.). – Rio de Janeiro: Revan, 2005. _____________________. O Governo Goulart e o Golpe de 64. São Paulo: Brasiliense, 1986. _____________________. O governo Goulart e o golpe de 64. 7ª ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1986. 7ª ed. Tudo é História – 48. VALE, Antônio Marques do. O ISEB, os intelectuais e a diferença: um diálogo teimoso na educação. São Paulo: Editora UNESP, 2006. VAZ, Henrique C. Consciência e realidade nacional. (1962). Encontros com a Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, n. 4, p. 68-81, out./1978. VIANNA, Luiz Werneck. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997, 2ª edição, revista e ampliada, julho de 2004. VITA, Luis Washington. Resenha crítica: Consciência e realidade nacional. Revista Brasiliense, n. 41, p. 187-194, maio/jun. 1962. 187 ______________________. Antologia do Pensamento Social e Político no Brasil. São Paulo: Editoral Grijalbo, 1968. ______________________. Panorama da filosofia no Brasil. Porto Alegre: Globo, 1969por
dc.rightsAcesso abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjectÁlvaro Vieira Pintopor
dc.subjectFilosofia;por
dc.subjectISEBpor
dc.subjectNacionalismopor
dc.subjectSubdesenvolvimentopor
dc.subjectPhilosophyeng
dc.subjectnationalismeng
dc.subject.cnpqCIENCIAS HUMANAS::HISTORIApor
dc.titleA filosofia e a trajetória de Álvaro Vieira Pinto no Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB): 1956 - 1964por
dc.typeDissertaçãopor
Aparece nas coleções:Mestrado em História (FH)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO FINAL_Diego.pdfDissertação1,3 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons