Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10038
Tipo do documento: Dissertação
Título: Cartografias identitárias: estigmas e enfrentamentos vividos no espaço escolar por alunos do Residencial Orlando de Morais
Título(s) alternativo(s): Identity cartographies: stigmas and confrontations lived in the school space by students of Residencial Orlando de Morais
Autor: Sousa, Sueli Alves de
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/1695466620723290
Primeiro orientador: Silva, Rusvênia Luiza Batista Rodrigues da
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/5592804472499475
Primeiro membro da banca: Silva , Rusvênia Luiza Batista Rodrigues da
Segundo membro da banca: Oliveira, Ivanilton José de
Terceiro membro da banca: Rabelo, Danilo
Resumo: As minhas inquietações se deram como professora do Colégio Estadual da Polícia Militar de Goiás (CEPMG) Waldemar Mundim. O que me chamou mais a atenção foi o fato de que alguns estudantes residentes do Residencial Orlando de Morais, localizado na região norte de Goiânia, chegavam atrasados na sala de aula frequentemente e eram referidos, por seus pares, de modo jocoso, como “pé de toddy”. O Residencial Orlando de Moraes, bairro de Goiânia de moradia dos estudantes, corpus dessa pesquisa, localiza-se às margens da GO 462, saída para o município de Santo Antônio de Goiás, que fica distante oito quilômetros da Vila Itatiaia, onde está a escola, o CEPMG Waldemar Mundim. O bairro não fica tão distante da escola, no aspecto geográfico. No entanto, o acesso é prejudicado pela escassez das linhas de ônibus. A insígnia “pé de toddy” é uma das muitas formas com que outros estudantes se referem a esses colegas, uma maneira pejorativa de se referir a quem mora no bairro que selecionei para a pesquisa. Tais estudantes, muitas vezes se apresentam com os sapatos sujos da terra vermelha que caracteriza o solo da região. Eu comecei a perceber que há uma questão identitária que transita entre o sujeito e seu espaço de vida. O intuito substancial desta pesquisa foi conhecer a construção do estigma no espaço escolar e desvelar a identidade dos estudantes chamados pelos seus pares de “pé de toddy”, assim também como analisar suas trajetórias por meio de suas cartografias, suas identidades. Este estudo se concentrou no diálogo com cinco estudantes – e suas famílias, todos da escola CEPMG, moradores do Residencial Orlando de Morais. Identifiquei três categorias de estigmas: (1) o estigma externo, de fora para dentro do residencial, ou seja, em espaços externos do Residencial Orlando de Morais; (2) o estigma externo atribuído aos estudantes desse bairro pelos colegas do CEPMG e pela chefia disciplinar; (3) o estigma interno, construído entre alguns moradores do Residencial Orlando de Morais, aqui denominado de rixas dos “povos lá de cima” e “povos lá de baixo”, termos expressos por alguns dos interlocutores. Para trabalhar os conceitos de estigmas e delinquência juvenil, procurei pelos estudos do pesquisador e sociólogo Norbert Elias e do professor John L. Scotson, no livro Os estabelecidos e os outsiders (2000), que aborda a temática sociológica de questões importantes da atualidade, como a violência, a discriminação e a exclusão social.
Abstract: My concerns came as a teacher at the State College of the Military Police of Goiás (CEPMG) Waldemar Mundim. What caught me most was the fact that some resident students from Residencial Orlando de Morais, located in the Northern region of Goiânia, often arrived late in the classroom and were jokingly referred to as “feet”. from toddy ”. Residential Orlando de Moraes, Goiânia neighborhood of student housing, corpus of this research, is located on the banks of GO 462, exit to the municipality of Santo Antonio de Goiás, which is eight kilometers from the Itatiaia Sector, where is the school , the CEPMG Waldemar Mundim. The neighborhood is not so far from the school, geographically. However, access is hampered by the shortage of bus lines. The “toddy's foot” badge is one of many ways other students refer to these peers, a pejorative way of referring to those who live in the neighborhood I selected for the survey. Such students often perform with the dirty red earth shoes that characterize the region's soil. I began to realize that there is an identity issue that transits between the subject and his living space. The substantial purpose of this research was to know the construction of the stigma in the school space and to unveil the identity of the students called by their peers “toddy foot”, as well as to analyze their trajectories through their cartographies, their identities. This study focused on dialogue with five students - and their families, all from the CEPMG school, residents of Residencial Orlando de Morais. I have identified three categories of stigmata: (1) the external stigma, from the outside to the residential, that is, outside the Residencial Orlando de Morais; (2) the external stigma attributed to students in this neighborhood by CEPMG colleagues and disciplinary leadership; (3) the internal stigma, built up by some residents of Residencial Orlando de Morais, here called the “peoples from above” and “peoples from below”, terms expressed by some of the interlocutors. To work on the concepts of stigma and juvenile delinquency, I searched for the studies of researcher and sociologist Norbert Elias and teacher John L. Scotson in the book The Established and the Outsiders (2000), which deals with the sociological theme of current important issues, such as violence, discrimination and social exclusion.
Palavras-chave: Estigmas
Estudante “pé de toddy”
Cartografia identitária
Exclusão escolar
Stigmas
Student "pé de toddy"
Identity cartography
School exclusion
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação - CEPAE (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Ensino na Educação Básica (CEPAE)
Citação: SOUSA, Sueli Alves de. Cartografias identitárias: estigmas e enfrentamentos vividos no espaço escolar por alunos do Residencial Orlando de Morais. 2019. 170 f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10038
Data de defesa: 21-Ago-2019
Aparece nas coleções:Mestrado Profissional em Ensino na Educação Básica (CEPAE)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Sueli Alves de Sousa - 2019.pdf5 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons