Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10344
Tipo do documento: Tese
Título: Aprendizagem histórica intercultural a partir dos contextos educacionais indígenas e não indígenas
Título(s) alternativo(s): Intercultural historical learning from indigenous and non-indigenous educational contexts
Autor: Silva, Luciana Leite da
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/9350326311864465
Primeiro orientador: Nazareno, Elias
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/1486334927436240
Primeiro membro da banca: Nazareno, Elias
Segundo membro da banca: Ribeiro, José Pedro Machado
Terceiro membro da banca: Herbetta, Alexandre Ferraz
Quarto membro da banca: Magalhães, Sônia Maria de
Quinto membro da banca: Luciano, Gersem José dos Santos
Resumo: Esta tese visa contribuir para os debates acerca das relações etnicorraciais no ensino escolar. Reconhecemos que as novas diretrizes educacionais dedicadas a este tema promoveram um avanço no sentido de instituir a obrigatoriedade do ensino de história da África e dos povos indígenas. No entanto, entendemos que as recentes reformulações produzidas nos textos didáticos, bem como a redução da temática à ideia de respeito às diferenças, são insuficientes mediante a permanência das orientações teóricas e conceituais advindas de uma concepção eurocentrada da história do mundo. Neste sentido, defendemos a ideia de que, para além do reconhecimento da existência de diversas culturas, devemos nos voltar para construção de uma aprendizagem histórica intercultural que traga a complexidade e as variedades epistêmicas que fogem dos padrões eleitos de sociedade desenvolvida, progresso e civilização. As marcas deste padrão são facilmente identificáveis quando se atribui um papel central à Civilização Clássica Grega, tida como a fundante de toda tradição de pensamento do Ocidente. Portanto, realizamos uma análise crítica, a partir do referencial teórico metodológico modernidade/colonialidade/decolonialidade, de categorias que foram formuladas neste contexto e retroalimentadas ao longo da construção da Moderna Europa. Consideramos que, juntamente com o racionalismo filosófico grego, o cristianismo é outra matriz cultural fundamental para que possamos refletir o exercício do poder sobre o corpo, a natureza, as formas de pensar, a organização social e a espiritualidade. Considerando que a Igreja Católica foi participante ativa no processo de colonização, realizamos também uma crítica decolonial aos princípios relacionados à educação desta religião que se pretende universal. Visto que o conceito de colonialidade reconhece uma continuidade das práticas societárias, políticas, ecológicas e epistêmicas para além do período colonial, investigamos de que forma estes fatores incidiram na construção da matriz historiográfica brasileira. Na pesquisa de campo, analisamos narrativas produzidas por estudantes no intuito de avaliar em que medida nós avançamos para além da forma com que a historiografia compreendia o nosso passado colonial e a história das populações indígenas. Por fim, defendemos que toda essa crítica às bases epistêmicas do pensamento ocidental da historiografia brasileira e do ensino escolar decorre e se encontra estreitamente vinculada às críticas levantadas pelo Movimento Indígena e pelas discussões que estes povos têm realizado acerca da interculturalidade. A partir da fala de pesquisadores, professores e lideranças indígenas nos abrimos para possibilidade de reescrita de uma história que preencha as inúmeras páginas em branco, resultantes do caminho monotópico que ainda fundamenta a narrativa histórica escolar.
Abstract: This thesis seek to contribute to debates on ethnic-racial relations in school education. We recognize progress regarding the new educational guidelines on this theme as they establish that teaching the history of Africa and indigenous peoples is mandatory. However, we understand that the recent reformulations produced in schoolbooks, as well as the overfocus on the idea of respect for differences, are insufficient because the permanence of theoretical and conceptual orientations arising from a Eurocentric conception of world history continues. We defend the idea that we need to go beyond the recognition of the existence of different cultures. We must dedicate ourselves to build an intercultural historical learning that brings complexity and epistemic variety and escapes from the chosen patterns of developed society, progress and civilization. Impacts of this pattern are easily seen when a central role is attributed to the Greek Classical Civilization, regarded as the founder of all Western thought tradition. Hence, we carry out a critical analysis, based on the methodological theoretical framework modernity/coloniality/decoloniality, and categories that were formulated in this context and were also in feedback along the construction of Modern Europe. We consider that, sided with Greek philosophical rationalism, Christianity is a fundamental cultural matrix to think about power over the body, nature, ways of thinking, social organization and spirituality. As the Catholic Church was an active participant in the colonization process, we practiced a decolonial critique of the principles of this religion that imposes itself as universal. Since the concept of coloniality encompasses a continuity of societal, political, ecological and epistemic practices beyond the colonial period, we researched how these aspects had impact on the construction of the Brazilian historiographical matrix. In field research, we analyze student-produced narratives to assess how far we moved beyond the historiographic former understanding of our colonial past and the history of indigenous populations. Finally, we argue that all this criticism of the epistemic basis of Western thought in Brazilian historiography and school education comes from and is closely linked to the criticisms of the Indigenous Movement and their discussions on interculturality. Hearing indigenous researchers, teachers and leaders, we open ourselves to the possibility of rewriting some history and to fill the numerous blank pages resulting from the monotopic path that still underlies the historical narrative inside school education.
Palavras-chave: Aprendizagem
Interculturalidade e ensino de História
Learning
Interculturality
History teaching
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de História - FH (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em História (FH)
Citação: SILVA, L. L. Aprendizagem histórica intercultural a partir dos contextos educacionais indígenas e não indígenas. 2019. 279 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10344
Data de defesa: 17-Dez-2019
Aparece nas coleções:Doutorado em História (FH)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Luciana Leite da Silva - 2019.pdf4,03 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons