Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/11454
Tipo do documento: Tese
Título: Pelos lumes do logos: da musa e do verbo no livro de sonetos de Jorge de Lima
Título(s) alternativo(s): By the lights of the logos: the muse and the verb in livro de sonetos by Jorge de Lima
Autor: Clemente, Fabrício Carlos
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/8712281800070644
Primeiro orientador: Camargo, Goiandira de Fátima Ortiz de
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/3029764057965151
Primeiro membro da banca: Camargo, Goiandira de Fátima Ortiz de
Segundo membro da banca: Jesus, Suene Honorato de
Terceiro membro da banca: Almeida, Fábio Ferreira de
Quarto membro da banca: David, Nismária Alves
Quinto membro da banca: Souza, Jamesson Buarque de
Resumo: Esta tese intenta investigar, no Livro de sonetos (1949) do modernista brasileiro Jorge de Lima, um processo de escrita no qual se daria o uso deliberadamente perverso e antiestético da forma fixa como espaço de jogo e/ou campo de batalha entre o logos ocidental e um “antilogos” (DELEUZE, 1998), entre um discurso e um contradiscurso. Deve-se, para isso, considerar certo desmantelamento da ordem racional-silogística do próprio soneto (enquanto amparo organizacional e máscara construída pela subjetividade), graças à deriva lógico-formal propiciada pelos aspectos musicais, imagéticos e dialógicos com os quais flerta a rígida estrutura de quatorze versos. Tal deriva seria deflagrada pelo trabalho, entre oculto e evidente, desse logos outro dentro do logos. Numa abordagem nietzscheana da forma (NIETZSCHE, 2010), o apolíneo exala de seus poros certo extrato dionisíaco sem o qual jamais poderia se tornar significativo. Parte-se, assim, do pressuposto de que o constrangimento da tradição seja especialmente favorável ao automatismo psíquico, ao delírio criativo e à espontaneidade, dando ensejo a uma escrita experimental e improvisadora de inusitadas descobertas e encontros rítmico-sonoros e imagéticos, em perspectiva análoga à escrita automática do surrealismo. Esse pressuposto, embora proponha determinada recusa da técnica, apoia-se nos autores franceses da OULIPO (“Ouvriers de Littérature Poténcielle”), assim como em Timothy Steele (1990), poeta norte-americano ligado à valorização contemporânea dos metros como forma de expressão e conhecimento. Visto desse modo, o soneto seria, no livro de Jorge de Lima, um microcosmo propiciador da tensão lírica e dramática por meio da qual vaga um sujeito múltiplo e errante. Sujeito esse que se constitui como tal jogando com a potência e a artificialidade das leis do discurso lógico, surpreendendo-as na matemática do estilo como sonoridade anárquica em que as formas se sucedem e se perpetuam em devir incessante. Propõe-se, nessa perspectiva, aproximações a ideias como a da versificação como encenação e transgressão velada, tomada ao poeta russo Velimir Khléibnikov (1987), observando, assim, a imagem do eu-lírico-leitor como trágico protagonista de uma poesia pura ou de uma literatura absoluta (CALASSO, 2004). Os pressupostos teórico-críticos a amparar a abordagem valem-se, especialmente, de noções como a de espaço literário de Michel Foucault (2016), de “estilo antilogos” de Deleuze (1998). Tal abordagem, apoiada também em Henri Meschonnic (2009) procura, assim, empreender uma crítica anti-métrica à institucionalização do moderno. De forma heterodoxa, os fundamentos filosóficos dessa crítica baseiam-se em autores como Byung-Chul Han (2015), Martin Heidegger (2012) e também em Michel Foucault. Nesse sentido, o ímpeto teórico observado no Livro de sonetos é visto como manifestação de uma ars erotica (FOUCAULT, 2007), para além das delimitações do discurso da instituição literária. Num drama análogo àquele esboçado por Gottfried Benn (1983), em que o eu lírico encontra-se em dilacerante conflito com seu tempo, Jorge de Lima, poeta, médico, político e escritor, encenaria o drama do intelectual de seu tempo, especialmente o drama do escritor brasileiro aviltado pelo embotamento de uma conjuntura social cientificista e positivista: patriarcal e avessa aos aspectos mais emancipadores da modernidade.
Abstract: This thesis aims to investigate, in Livro de Sonetos (1949) by the Brazilian modernist Jorge de Lima, a writing process in which the deliberately perverse and unaesthetic use of the fixed form would take place as a space for play and/or battlefield between the western logos and a "antilogos" (DELEUZE, 1998), between discourse and counter discourse. Therefore, it should be considered a certain dismantling of the rational-syllogistic order of the sonnet itself (as organizational support and mask built by subjectivity), thanks to the logical-formal drift provided by the musical, imagery and dialogical aspects with which the rigid structure of fourteen verses flirts. Such a drift would be triggered by the work, between hidden and evident, of this other logos within the logos. In a Nietzschean approach to form (NIETZSCHE, 2010), the apolline exudes from its pores a certain dionysian extract without which it could never become significant. Thus, it is assumed that the embarrassment of tradition is especially favorable to psychic automatism, creative delirium and spontaneity, giving rise to an experimental and improvising writing of unusual discoveries, rhythmic-sounding and imagery encounters, in a perspective analogous to the automatic writing of surrealism. This assumption, although it proposes a certain refusal of the technique, is based on the French authors of OULIPO ("Ouvriers de Littérature Poténcielle"), as well as on Timothy Steele (1990), an American poet linked to the contemporary appreciation of meters as a form of expression and knowledge. In this way, the sonnet would be, in Jorge de Lima's book, a microcosm that favors lyrical and dramatic tension through which a multiple and errant subject wanders. This subject is constituted as such by playing with the power and artificiality of the laws of logical discourse, surprising them in the mathematics of style as an anarchic sound in which forms succeed each other and perpetuate themselves in incessant becoming. It is proposed, in this perspective, approximations to ideas such as versification as staging and veiled transgression, taken from the Russian poet Velimir Khléibnikov (1987), thus observing the image of the persona-reader as the tragic protagonist of pure poetry or absolute literature (CALASSO, 2004). The theoretical and critical assumptions to support the approach make use, especially, of notions such as Michel Foucault's literary space (2016), Deleuze's "antilogos style" (1998). This approach, also supported by Henri Meschonnic (2009), seeks to undertake an anti-metrical critique of the institutionalization of the modern. Heterodoxly, the philosophical foundations of this criticism are based on authors such as Byung-Chul Han (2015), Martin Heidegger (2012) and also on Michel Foucault. In this sense, the theoretical impetus observed in Livro de Sonetos is seen as a manifestation of an ars erotica (FOUCAULT, 2007), beyond the delimitations of the discourse of the literary institution. In a drama analogous to that outlined by Gottfried Benn (1983), in which the persona is in heartbreaking conflict with his time, Jorge de Lima, poet, doctor, politician and writer, would stage the drama of the intellectual of his time, especially the drama of the Brazilian writer debased by the dullness of a scientific and positivist social situation: patriarchal and averse to the most emancipatory aspects of modernity.
Palavras-chave: Jorge de Lima
Soneto
Poesia brasileira
Modernismo
Ars erotica
Jorge de Lima
Sonnet
Brazilian Poetry
Modernism
Ars erotica
Área(s) do CNPq: LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Letras - FL (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FL)
Citação: CLEMENTE, F. C. Pelos lumes do logos: da musa e do verbo no livro de sonetos de Jorge de Lima. 2021. 219 f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2021.
Tipo de acesso: Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/11454
Data de defesa: 10-Mar-2021
Aparece nas coleções:Doutorado em Letras e Linguística (FL)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Fabrício Carlos Clemente - 2021.pdf1,82 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons