Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/11932
Tipo do documento: Dissertação
Título: Linha de frente na luta contra a COVID-19: narrativas dos profissionais de saúde
Título(s) alternativo(s): Frontline in the in the fight against COVID-19: narratives of health professionals
Autor: Almeida, Flávio Tolêdo de
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/0943977358702572
Primeiro orientador: Silva, Joana Aparecida Fernandes
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/2026902199057983
Primeiro membro da banca: Silva, Joana Aparecida Fernandes
Segundo membro da banca: Collaço, Janine Helfst Leicht
Terceiro membro da banca: Medeiros, Marcelo
Quarto membro da banca: Santos, Selma Cristina dos
Resumo: A pandemia do medo, de estigma e sofrimento de profissionais de saúde de duas unidades de saúde em Aparecida de Goiânia, teve como objetivo analisar e extrair das narrativas e o observar dos profissionais de saúde quais são os sentimentos experienciados por eles na linha de frente na luta contra a Covid 19 durante a primeira e segunda onda. Para esta extração foi necessário a imersão em dois serviços de saúde com perfis assistenciais distintos, sendo o primeiro uma Unidade de Pronto Atendimento –UPA Flamboyant ligada à rede de urgência e emergência de Aparecida de Goiânia, porta de entrada de casos suspeitos e/ou confirmados para a Covid- 19, e a segunda Vigilância Epidemiológica – VE ligada à rede ambulatorial, com o mínimo contato passível com os pacientes possivelmente contaminados.Trabalho nos dois ambientes relatados acima, e conheço o perfil sua dinâmicade serviço e de atendimentos. Na UPA Flamboyant estou na linha de frente noenfrentamento da Covid-19 desde o primeiro caso suspeito que entrou nesta unidade. Pude acompanhar durante as duas primeiras ondas, março de 2020 ajunho de 2021, o desenrolar dos atendimentos realizados pela equipe multiprofissional a estes pacientes, pude ver presenciar os primeiros conflitos gerados pelo medo, pela incerteza e pelo desconhecimento do vírus. Já na vigilância epidemiológica, também estive presente quando as primeiras fichas de notificação da Covid-19 chegaram nesta unidade e presenciei o medo dos profissionais de saúde e dos administrativos em pegar nas fichas e serem contaminados, medo este que era compartilhado entre todos somando se as incertezas que também se faziam presente, evidenciados pela hesitação em pegar nas fichas sem usar luvas de procedimento. A complexidade de situações vivenciadas durante a imersão no campo por vezes borrava as fronteiras entre pesquisador e pesquisados, o constante tirar e vestir o jaleco fez com que eu conseguisse evoluir a cada imersão. A sutileza em me perceber como o “outro” ampliou minha visão do que é o processo saúde doença, explicitando que este está muito além do modelo biomédico. Pensar antropologicamente este modelo de saúde doença, custa muito caro para quem é formado somente no modelo biomédico, pois terá que ultrapassar inúmeras barreiras que surgirão usando esta nova lente. Foram entrevistados vinte e um interlocutores, sendo que desses sete não contaminaram com o Coronavírus até a saída do campo no dia 6 de março de 2021. Os sete interlocutores não contaminados eram cindo da UPA Flamboyant e dois da Vigilância Epidemiológica. O trabalho de campo revelou que mesmo diante de um mal invisível que causara medo, estigmatização e incerteza, a continuidade da assistência prestada pelos profissionais da saúde, sutilmente foi abafando e/ou eliminando estes sentimentos rotineirizando, os medos e riscos, adivindos da Covid-19.
Abstract: The pandemic of fear, stigma and suffering of health professionals from two health units in Aparecida de Goiânia, aimed to analyze and extract from the narratives of health professionals what are the feelings experienced by them on the front line in the fight against Covid-19 during the first and second wave. For this extraction it was necessary the immersion in two health services with distinct care profiles, being the first one an Emergency Care Unit - UPA Flamboyant linked to the urgency and emergency network of Aparecida de Goiânia, gateway for suspected and/or confirmed cases for Covid-19, and the second one Epidemiological Surveillance - EV linked to the outpatient network, with minimal passable contact with possibly contaminated patients. I work in both environments reported above, and I know the profile of their service dynamics and care. In UPA Flamboyant I am in the front line in the confrontation with Covid-19 since the first suspected case that entered this unit. I was able to follow during the first two waves, March 2020 to June 2021, the unfolding of the care provided by the multi-professional team to these patients, I could see the first conflicts generated by fear, uncertainty, and ignorance of the virus. In epidemiological surveillance, I was also present when the first Covid-19 notification forms arrived in this unit, and I witnessed the fear of health professionals and administrative staff to take the forms and be contaminated, a fear that was shared by all, adding to the uncertainties that were also present, evidenced by the hesitation to take the forms without using gloves. The complexity of situations experienced during the immersion in the field sometimes blurred the boundaries between researcher and researched, the constant taking off and putting on of the lab coat allowed me to evolve with each immersion. The subtlety in perceiving myself as the "other"broadened my view of what the health-disease process is, explaining that it goes far beyond the biomedical model. To think anthropologically about this health-disease model is very expensive for those who are trained only in the biomedical model, because they will have to overcome countless barriers that will arise using this new lens. Twenty-one interlocutors were interviewed, and of these seven had not been contaminated with the Coronavirus by the time we left the field on March 6, 2021. The seven uncontaminated interlocutors were five from the UPA Flamboyant and two from the Epidemiological Surveillance. The fieldwork revealed that even in the face of an invisible evil that caused fear, stigmatization and uncertainty, the continuity of the assistance provided by health professionals, subtly was muffling and/or eliminating these feelings routinizing Covid-19.
Palavras-chave: Covid-19
Medo
Estigma
Profissionais da Saúde
Fear
Stigma
Health Professionals
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::ANTROPOLOGIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Ciências Sociais - FCS (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (FCS)
Citação: ALMEIDA, F. T.Linha de frente na luta contra a COVID-19: narrativas dos profissionais de saúde. 2021. 150 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2021.
Tipo de acesso: Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/11932
Data de defesa: 17-Ago-2021
Aparece nas coleções:Mestrado em Antropologia Social (FCS)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Flávio Tolêdo de Almeida - 2021.pdf35,1 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons