Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/12201
Tipo do documento: Dissertação
Título: Redes afro-indígenoafetivas: uma autoetnografia sobre trajetórias, relações e tensões entre cotistas da pós-graduação stricto sensu e políticas de ações afirmativas na Universidade Federal de Goiás
Título(s) alternativo(s): Las redes afro-indigenoafetivas: una autoetnografía sobre las trayectorias, las relaciones y las tensiones entre los cotistas de postgrado stricto sensu y las políticas de acciones afirmativas en la Universidad Federal de Goiás
Autor: Quintiliano, Marta
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/2191265957886618
Primeiro orientador: Herbetta, Alexandre Ferraz
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/8579440598142385
Primeiro coorientador: Bapstita, Jean Tiago
Currículo Lattes do primeiro coorientador: http://lattes.cnpq.br/9407792021708165
Primeiro membro da banca: Herbetta, Alexandre Ferraz
Segundo membro da banca: Wichers, Camila de Azevedo Moraes
Terceiro membro da banca: Pinto, Joana Plaza
Resumo: Em 2015, a Universidade Federal de Goiás (UFG) aprovou a reserva de 20% de vagas para candidatos indígenas e negros (pretos e pardos) para todos os programas de Pós-Graduação Stricto Sensu, sendo uma das primeiras no país a ter tal política. Assim, a continuidade das ações afirmativas que já existiam na graduação com o programa UFGInclui, foi consolidada. No entanto, o que esse cenário evidencia é a necessidade de reflexões acerca da efetividade das políticas de inclusão e permanência da instituição, o que afeta a trajetória acadêmica dos estudantes cotistas. Em face disso, meu principal objetivo é analisar as tensões, avanços, limites e conflitos para a efetivação destas políticas de inclusão a partir das trajetórias dos estudantes, incluindo a minha, e pensar no potencial das redes Afro-indígenoafetivas construídas neste processo de transformação universitária.
Abstract: En 2015, la Universidad Federal de Goiás (UFG) aprobó la reserva del 20% de vacantes para candidatos indígenas y negros (negros y pardos) para todos los programas de Postgrado Stricto Sensu, siendo una de las primeras en el país a tener tal política . Así, la continuidad de las acciones afirmativas que ya existían en la graduación con el programa UFGInclui, fue consolidada. Sin embargo, lo que este escenario evidencia es la necesidad de reflexiones acerca de la efectividad de las políticas de inclusión y permanencia de la institución, lo que afecta la trayectoria académica de los estudiantes cotistas. En vista de ello, mi principal objetivo es analizar las tensiones, avances, límites y conflictos para la efectividad de estas políticas de inclusión a partir de las trayectorias de los estudiantes, incluyendo la mía, y pensar en el potencial de las redes Afro-indigenoafetivas construidas en este proceso de transformación universitária.
Palavras-chave: Ações afirmativas
Pós-graduação
Trajetórias afro-indígenoafetivas
Política pública
Acciones afirmativas
Postgrad
Trayectorias afro-indígenoafetivas
Política
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::ANTROPOLOGIA::ANTROPOLOGIA URBANA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Ciências Sociais - FCS (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (FCS)
Citação: QUINTILIANO, M. Redes afro-indígenoafetivas: uma autoetnografia sobre trajetórias, relações e tensões entre cotistas da pós-graduação stricto sensu e políticas de ações afirmativas na Universidade Federal de Goiás. 2019. 131 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.
Tipo de acesso: Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/12201
Data de defesa: 8-Ago-2019
Aparece nas coleções:Mestrado em Antropologia Social (FCS)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Marta Quintiliano - 2019.pdf4,89 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons