Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/3947
Tipo do documento: Tese
Título: Adolescentes e jogos eletrônicos: racionalidade, submissão e resistência
Título(s) alternativo(s): Teenagers and eletronic games: rationality, submission and resistance
Autor: Gonçalves, Guillermo de Ávila
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/2480927376473336
Primeiro orientador: Resende, Anita Cristina Azevedo
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/9367144408359249
Primeiro membro da banca: Resende, Anita Cristina Azevedo
Segundo membro da banca: Gomes, Christianne Luce
Terceiro membro da banca: Jorge, Luiz Eduardo
Quarto membro da banca: Baptista, Tadeu João Ribeiro
Quinto membro da banca: Chaves, Juliana de Castro
Resumo: O objetivo deste trabalho é analisar as relações dos adolescentes com os jogos eletrônicos na perspectiva contraditória da submissão e da resistência. Tais relações constituem o objeto de estudo desta investigação e são tomadas como emblema de formas de sociabilidade instituídas pela materialidade e racionalidade capitalistas. Foram entrevistados vinte adolescentes na faixa etária de doze anos, pertencentes às classes alta e popular e aos gêneros masculino e feminino, que se pronunciaram a respeito de suas relações com os jogos eletrônicos. Esta investigação se fundamenta teoricamente no materialismo dialético e nas categorias intituladas racionalidade e contradição. No contexto da racionalidade que organiza as relações de produção e exerce influência sobre as subjetividades nas sociedades capitalistas, esta tese aborda a racionalidade instrumental em Adorno e Horkheimer, a racionalidade tecnológica em Marcuse e a lógica de operação da Indústria Cultural. Este trabalho também tece considerações acerca da construção cultural do jogo eletrônico, notadamente a partir da ludicidade, do lazer, do brinquedo e dos jogos de forma geral. Foram também objetos de apreensão teórica: a submissão, consubstanciada na alienação e na reificação de subjetividades, e a resistência, compreendida no âmbito da crítica e da emancipação. Os resultados desta pesquisa apontam para a contradição entre a submissão e a resistência no contexto das relações entre os adolescentes e a racionalidade contida no jogo eletrônico. Os nexos constitutivos dessa contradição são a relação entre as regras e a vitória, as mudanças nos padrões de funcionamento dos jogos, o “estar dentro e fora” do jogo, a compreensão da criatividade, a experiência de emoções e sensações, o pensamento de acordo com a lógica do mercado e o entendimento das relações entre o jogo eletrônico e a realidade social. De forma independente dos recortes de classe e gênero, esta investigação revela que, no contexto da contradição, há predominância da submissão sobre a resistência. Também emerge, ainda a partir da contradição, a possibilidade de emancipação, uma vez que a racionalidade que se apodera do homem é produção da subjetividade objetivada na realidade. Por fim, este trabalho considera que tanto a consciência reificada em nome da racionalidade da técnica é uma realidade concreta, quanto é real a possibilidade de superação dessa racionalidade por dentro da própria razão que se nega e se questiona. Isso significa que o jogo eletrônico, como emblema de uma racionalidade que instrumentaliza a vida do homem, abriga, na relação com os adolescentes, as possibilidades de superação de sua própria racionalidade, ou seja, de sua própria contradição.
Abstract: The objective of this work is to analyze the relationships that adolescents have with electronic games through the contradictory perspectives of submission and resistance. Such relationships are the object of study of this research and are taken as an illustration of forms of sociability instituted by capitalist materiality and rationality. Twenty twelve-year-old adolescents were interviewed and spoke about their relationship with electronic games. These included adolescents from high and low social classes, both male and female. This research is theoretically grounded in dialectical materialism and in the categories named rationality and contradiction. In the context of the rationality that organises the relations of production and influences subjectivity in capitalist societies, this thesis looks at the instrumental rationality in Adorno and Horkheimer, the technological rationality in Marcuse and the logic of operation of the Culture Industry. This work also presents considerations of the cultural construction of electronic games, especially in relation to playfulness, leisure, and toys and games in general. Submission, based on alienation and reification of subjectivity, and resistance, understood within the remit of criticism and emancipation, were also objects of theoretical analysis. The results of this research point to the contradiction between submission and resistance in the context of the relationships between adolescents and the rationality contained in electronic games. The constitutive nexuses of this contradiction are: the relationship between the rules and victory; changes in the functioning patterns of games; "being in and out" of the game; the understanding of creativity; the experience of emotions and sensations; the thought process in accordance with the logic of the market; and the understanding of the relationships between electronic games and social reality. Independent of class and gender variables, this research reveals that in the context of contradiction there is a predominance of submission over resistance. From this empirical research, illuminated by theory, emerges the possibility of emancipation through contradiction, since the rationality that takes hold of humans is a product of subjectivity objectified in reality. Finally we consider that consciousness reified in the name of the rationality of technique is a reality, but we also understand that the possibility of overcoming this rationality through the very rationality that one denies and questions is real. This means that electronic games, as an emblem of a rationality that instrumentalises human life, offer in their relationship with adolescents the possibility of overcoming their own rationality, that is, their own contradiction.
Palavras-chave: Contradição
Emancipação
Jogo eletrônico
Racionalidade
Reificação
Contradiction
Emancipation
Electronic game
Rationality
Reification
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Educação - FE (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Educação (FE)
Citação: GONÇALVES, Guillermo de Ávila. Adolescentes e jogos eletrônicos: racionalidade, submissão e resistência. 2014. 135 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/3947
Data de defesa: 25-Fev-2014
Aparece nas coleções:Doutorado em Educação (FE)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Guillermo de Ávila Gonçalves - 2014.pdf1,12 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons