Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/4111
Tipo do documento: Dissertação
Título: Prevalência da infecção pelo vírus da hepatite B e situação vacinal em usuários de crack institucionalizados em Goiânia – Goiás
Título(s) alternativo(s): Prevalence of hepatitis B virus infection and situtation vaccine in users of crack institutionalized in Goiania-Goiás
Autor: Silva, Leandro Nascimento da
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/0474018647615465
Primeiro orientador: Teles, Sheila Araujo
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/4975298732179917
Primeiro membro da banca: Teles, Sheila Araujo
Segundo membro da banca: Turchi, Marília Dalva
Terceiro membro da banca: Carneiro, Megmar Aparecida dos Santos
Resumo: O crack é considerado um problema de saúde pública no Brasil e no mundo devido ao seu impacto nas relações sociais, na integridade física e mental do usuário e no risco associado às infecções, como a causada pelo vírus da hepatite B (HBV). Este estudo investigou a epidemiologia da infecção pelo vírus da Hepatite B e situação vacinal em usuários de crack institucionalizados em Goiânia – Goiás. Durante agosto de 2012 a abril de 2013 um total de 600 indivíduos foram entrevistados e amostras sanguíneas coletadas para detecção dos marcadores sorológicos do HBV (HBsAg, anti-HBc total e anti-HBs) pelo ensaio imunoenzimático (ELISA). Posteriormente foi formada uma coorte de indivíduos suscetíveis a hepatite B para avaliação da adesão, completude do esquema e resposta vacinal contra hepatite B, utilizando-se um esquema super acelerado. A exposição prévia ao HBV (anti-HBc) foi de 7,0% (IC 95%: 5,22-9,32), e 17,7% (IC 95%: 14,8-20,9) apresentaram positividade isolada para o anti-HBs, sugerindo vacinação prévia contra hepatite B. O consumo de crack por meio de lata improvisada como cachimbo, história de doença sexualmente transmissível e troca de sexo por droga ou dinheiro foram significativamente associados à exposição ao HBV (p< 0,05). Do total de indivíduos que recebeu a primeira dose da vacina contra hepatite B e elegíveis para completar o esquema (n=406), 229 (56,4%) e 96 (26,6%) receberam a segunda e terceira doses, respectivamente. Em somente 23/96 indivíduos foi possível avaliar a resposta vacinal, sendo que 78% responderam com títulos protetores. A frequência elevada de comportamentos de risco, a baixa frequência de indivíduos vacinados e adesão ao esquema vacinal, mesmo com esquema super acelerado, evidencia a necessidade de estratégias de educação em saúde e prevenção que alcancem essa população vulnerável as doenças de transmissão sexual e parenteral como a hepatite B.
Abstract: Crack is considered a public health problem in Brazil and in the world because of its impact on social relationships, physical and mental integrity of the user, and the risk associated with infections, such as those caused by the hepatitis B virus (HBV). This study investigated the epidemiology of infection with the hepatitis B virus and immunization status among users of crack institutionalized in Goiania, Brazil. During August 2012 to April 2013, a total of 600 individuals were interviewed, and blood samples collected for the detection of serological markers of HBV (HBsAg, total anti HBc and anti-HBs) by enzyme-linked immune sorbent assay (ELISA). Subsequently a cohort of individuals susceptible to hepatitis B was formed to assess compliance, completion of the vaccination series, and vaccine response against hepatitis B, using an accelerated scheme. Prior exposure to HBV (anti-HBc) was 7.0% (95% CI: 5.22 to 9.32), and 17.7% (95% CI: 14.8 to 20.9) were anti -HBs isolated, suggesting previous vaccination against hepatitis B. The use of crack cocaine through improvised pipes, history of sexually transmitted disease, and exchanging sex for drugs or money were significantly associated with exposure to HBV (p < 0.05). Of the total of individuals who received the first dose of hepatitis B vaccine and eligible to complete the full vaccine scheme (n = 406), 229 (56.4%) and 96 (26.6%) received the second and third doses, respectively. It was possible to evaluate the vaccine response in only 23/96 subjects, and 78% responded with protective titers. The high frequency of risk behaviors, the low frequency of vaccinations, and improper compliance with the vaccination schedule, even using the accelerated scheme, highlights the need for strategies for health education and prevention to reach this population so vulnerable to sexually transmitted infections and parenteral transmission of hepatitis B.
Palavras-chave: Hepatite B
Crack
Epidemiologia
Vacina contra hepatite B
Hepatitis B
Crack cocaine
Epidemiology
Hepatitis B vaccine
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Medicina - FM (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM)
Citação: SILVA, Leandro Nascimento da, Prevalência da infecção pelo vírus da hepatite B e situação vacinal em usuários de crack institucionalizados em Goiânia – Goiás. 2014. 108 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/4111
Data de defesa: 9-Set-2014
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências da Saúde (FM)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Leandro Nascimento da Silva - 2014.pdf5,94 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons