Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/5734
Tipo do documento: Tese
Título: Signos linguísticos e imagéticos da intolerância nos zumbis da série In the flesh
Título(s) alternativo(s): Linguistic and imagistic signs of the intolerance in the zombies of the TV series In the flesh
Autor: Coutinho, Ricardo Sena
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/1564225158350443
Primeiro orientador: Couto, Elza Kioko Nakayama Nenoki do
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/8282195794917233
Primeiro membro da banca: Couto, Elza Kioko Nakayama Nenoki do
Resumo: As séries televisuais, especialmente aquelas envolvendo a figura mítica dos zumbis, têm alcançado enormes índices de aceitação e audiência na atualidade. O objetivo geral da presente pesquisa é analisar a configuração dos signos linguísticos e imagéticos na representação dos zumbis na série inglesa In the flesh (2013). É possível realizar uma interpretação simbólica e sócio-histórica dos mortos-vivos da série, que sugerem a necessidade de aceitação do outro e do respeito à diferença, demonstrando como os zumbis podem funcionar como um rico manancial de significação para explicar e/ou representar o mundo. A pesquisa se justifica pela ínfima quantidade de estudos que associam Barthes a produções televisuais, pela tentativa de retirar da margem acadêmica estudos sobre o gênero terror, pela emergência de uma discussão sobre as relações interpessoais que se estabelecem na contemporaneidade e, mais ainda, pela oportunidade de estudar e analisar a própria cultura, para, assim, compreender o humano. Embora se situe no campo dos estudos transdisciplinares, por envolver a análise fílmica e os Estudos Culturais, a base da pesquisa é a Semiologia proposta por Roland Barthes. A Semiologia barthesiana revela-se importante no sentido de legitimar a existência de uma dualidade que perfaz o signo, seja ele linguístico ou imagético, que é ao mesmo tempo denotativo e conotativo, dito e não-dito. Para isso recorremos a algumas noções de Barthes, como aquela do mito, até adentrar na cozinha dos sentidos, onde a Semiologia encontra a tarefa de estudar a operação misteriosa pela qual uma mensagem qualquer se impregna de um sentido segundo, em geral ideológico, a que Barthes chama sentido conotado. Os procedimentos metodológicos aqui utilizados incluem a análise documental e fílmica e a metodologia do projeto semiológico do autor francês e tem o intuito de demonstrar como o significado dos zumbis não se esgota apenas na materialidade denotativa e se permite revestir de inúmeros e cambiantes sentidos, inclusive metaforizando a intolerância, como concluímos ao final da pesquisa.
Abstract: Television series, especially those which involve the mythical figure of zombies, have reached high rates of acceptance and audience nowadays. The general objective of this research is to analyse the configuration on imagistic and linguistic signs in the representation of zombies in the British TV series In the flesh (2013). It is possible to make a symbolic and socio-historical interpretation of the living-dead from the series which suggests the need for acceptance of others and the importance of respect for differences, demonstrating how zombies can function as a rich source of signification to explain and/or represent the world. The research is justified by the very small number of studies which associates Barthes to televisual productions, by the attempt to take the studies on horror genre away from the academic periphery, by the emergency of discussing interpersonal relations which are set up nowadays and, furthermore, by the opportunity to study and analyse our own culture and understand the human being. Although the research relies on the field of cross-disciplinary studies, once it involves film analysis and Cultural Studies, the basis of the research lies in Semiology, proposed by Roland Barthes. Barthes Semiology reveals to be important in the sense of legitimating the existence of duality which makes up the sign, be it linguistic or imagistic, which is denotative and connotative at the same time, the said and the unsaid. For this purpose, we have made use of a few Barthes’s notions, such as the myth, until entering the kitchen of meaning, where Semiology finds the job of studying the mysterious operation through each any message is impregnated with a second meaning, ideological in general, to which Barthes nominates connoted sense. The methodological procedures we have used include document and film analysis and the semiologic project methodology by the French author and aim at demonstrating how the significance of zombies does not consume only the denoting materiality, but affords to wear numerous and changing senses, including metaphorising intolerance, as concluded by the end of the research.
Palavras-chave: Roland Barthes
Semiologia
Zumbis
In the flesh
Roland Barthes
Semiology
Zombies
In the flesh
Área(s) do CNPq: LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Letras - FL (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FL)
Citação: COUTINHO, R. S. Signos linguísticos e imagéticos da intolerância nos zumbis da série In the flesh. 2016. 131 f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/5734
Data de defesa: 15-Abr-2016
Aparece nas coleções:Doutorado em Letras e Linguística (FL)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Ricardo Sena Coutinho - 2016.pdf2,37 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons