Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/6234
Tipo do documento: Dissertação
Título: Cartografias do câncer: biossociabilidade, comunicação e subjetividade
Título(s) alternativo(s): Cartographies of cancer
Autor: Bozz, Augusto Flamaryon Cecchin
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/9837974802580178
Primeiro orientador: Gomes, Suely Henrique de Aquino
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/3007925506666700
Primeiro membro da banca: Gomes, Suely Henrique de Aquino
Segundo membro da banca: Santos, Goiamérico Felício Carneiro dos
Terceiro membro da banca: Castelfranchi, Juri
Quarto membro da banca: Costa, Deyvisson Pereira da
Resumo: A segunda metade do século XX é destacada como o período em que os pacientes com câncer começaram a esquematizar coletivos de apoio que, a partir de 1970, acionaram intervenções na ciência e na política em favor de novos direitos à saúde. Antes disso, o câncer e a morte eram tidos como dois domínios de extrema privacidade. Estamos deixando cada vez mais uma “experiência da doença” que segrega, exclui, como o “modelo da lepra” (DELEUZE, 2005; FOUCAULT, 2013) e ingressando em uma experiência que compartilha, associa, conecta, controla os fluxos. Emerge o “corpo-informação” (JACOB, 1983) como o novo modelo. No horizonte dessa sorrateira mutação, vale desviar a atenção para a estreita relação entre os coletivos de pacientes com câncer e as práticas comunicacionais que constituem o que Rose (2013) chama de biossociabilidade digital. Deste modo, cabe perguntar: quais foram as condições de possibilidade para a correlação entre os coletivos de pacientes com câncer e as novas tecnologias de comunicação? O nosso objetivo é cartografar as condições de existência da biossociabilidade digital dos pacientes com câncer. Valemo-nos do método arqueo-genealógico (FOUCAULT, 2014a,b,c, 2010a,b,c,d, 2007) e da noção de biopoder e biossociabilidade para descrever os modos de ser e estar inerentes ao poder sobre a vida, a criação do sujeito inerente a experiência da doença. Concluímos que o paciente com câncer é uma fabricação histórica. Isso não significa que ele seja fictício, mas que surge como uma posição de observação e “administração de si” (FOUCAULT, 2010b) correlata à objetivação da doença, nas estratégias de controlar e regular a saúde da população e nas instituições terapêuticas. Concomitante à objetivação do câncer, ocorre a formação de uma prática de si que visa constituir um sujeito-paciente ativo, militante, ativista. Nessa subjetivação, destaca-se o olhar sobre si e o exame de si que produz uma certa verdade sobre si mesmo, um modo particular de se ligar a essa verdade e também maneiras e regras de conduzir a conduta de outro paciente, orientá-lo, aconselhá-lo, apoiá-lo. A partir da década de 1990, os pacientes passaram a narrar suas histórias e realizar ativismos na internet. Isso porque ocorreu a elaboração de um dispositivo no cerne da racionalização das estratégias de governo da conduta, pondo em cena a ética da associação, da conexão e do compartilhamento. Trata-se de uma reorganização das estratégias de saber e poder, no final do século XX, que integra os coletivos de pacientes com as novas tecnologias de comunicação. Assim, é possível considerar as práticas comunicacionais, também elas, como uma fabricação histórica que operam, sem dúvida alguma, na conformação da subjetividade.
Abstract: The second half of the twentieth century is highlighted as the period in which patients with cancer began to schematize collective support that, from 1970, triggered interventions in science and policy in favor of new rights to health. Before that, cancer and death were considered two areas of extreme privacy. We are leaving an increasingly "experience of illness" that segregates, excludes, as the "model of leprosy" (DELEUZE, 2005; FOUCAULT, 2013) and entering an experience sharing, associates, connects, controls the flows. Emerge "body-information" (JACOB, 1983) as the new model. On the horizon this sneaky mutation, is worth divert attention to the close relationship between the collective of patients with cancer and communication practices that constitute what Rose (2013) calls the digital biosociality. In this way, the question: what were the conditions of possibility for the correlation between the collective of patients with cancer and the new communication technologies? Our goal is to map the living conditions of the digital biosociality of cancer patients. We have used the archaeo-genealogical method (FOUCAULT, 2014a, b, c, 2010a, b, c, d, 2007) and the notion of biopower and biosociality to describe the ways of being and to be inherent power over life, creation of subject inherent in the experience of illness. We conclude that the cancer patient is a historical fabrication. This does not mean that it is fictional, but that emerges as a position of observation and "administration itself" (FOUCAULT, 2010b) correlative to the objectification of the disease, strategies to control and regulate people's health and therapeutic institutions. Concomitant with the objectification of cancer, occurs the formation of a practice of self that aims at constitute an active subject-patient, militant, activist. This subjectivity, there is look over himself and take himself that produce a certain truth about himself, a particular way of connecting to this truth and also ways and rules to drive the conduct of another patient, guide him, advise him, support him. From the 1990s, patients began to tell their stories and make activism on the Internet. This occurs because the elaboration of a device at the center of rationalization of the conduct of government strategies, putting on the scene the ethics of the association, connection and sharing. It is a reorganization of the strategies of knowledge and power, in the late twentieth century, which integrates the collective of patients with new communication technologies. Thus, it is possible to consider the communication practices, they too, as a historical fabrication operating, without doubt, in the formation of subjectivity.
Palavras-chave: Biossociabilidade
Câncer
Comunicação
Corpo
Subjetividade
Biosociality
Cancer
Communication
Body
Subjectivity
Área(s) do CNPq: CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Informação e Comunicação - FIC (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Comunicação (FIC)
Citação: BOZZ, Augusto Flamaryon Cecchin. Cartografias do câncer: biossociabilidade, comunicação e subjetividade. 2016. 106 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/6234
Data de defesa: 25-Fev-2016
Aparece nas coleções:Mestrado em Comunicação (FIC)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Augusto Flamaryon Cecchin Bozz - 2016.pdf1,87 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons