Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7120
Tipo do documento: Dissertação
Título: A iniciação feminina em orgulho e preconceito
Título(s) alternativo(s): Female initiation in pride and prejudice
Autor: Cardoso, Anna Carolyna Ribeiro
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/5170275265874977
Primeiro orientador: Regino, Sueli Maria de
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/3186429609050801
Primeiro membro da banca: Regino, Sueli Maria de
Segundo membro da banca: Cánovas, Susana Yolanda Lenhardt Machado
Terceiro membro da banca: Ribeiro, Renata Rocha
Quarto membro da banca: Souza, Enivalda Nunes Freitas e
Resumo: A obra mais famosa de Jane Austen, Orgulho e Preconceito, foi publicada em 1813. Seu enredo retrata o cotidiano da família Bennet, especialmente a situação das filhas da família, as quais precisam se casar para poder se manter. É um romance sobre mulheres, escrito por uma mulher. Sob a perspectiva de uma narradora, conta a história de Elizabeth Bennet, além de discutir problemas tipicamente femininos do século XIX inglês. A recorrência da atualização ou da releitura de Orgulho e Preconceito em livros, filmes e outras mídias demostra que a obra mantém o encantamento do público leitor por tratar de temas essencialmente humanos, como o amor ou o pré-julgamento, reacendendo preocupações arquetípicas do ser humano, em seu ser e estar no mundo. Esses mesmos temas foram representados, muito antes de Austen, em mitos e contos de fadas, como Cupido e Psiquê ou a Bela e a Fera. O objetivo desta dissertação é a análise de Orgulho e Preconceito de Jane Austen como releitura do mito e do conto de fadas. O trabalho desenvolvido tem caráter bibliográfico, qualitativo e comparativo. No decorrer da análise, foram levantados os mitemas recorrentes que se apresentam nas três narrativas, e enfocado o percurso iniciático feminino vivenciado tanto por Elizabeth Bennet quanto por Psiquê e Bela. Os referenciais teóricos mais relevantes para a pesquisa foram Rites and Symbols of Initiation: the mysteries of birth and rebirth (1975) de Mircea Eliade, Jane Eyre’s sisters: how women live and write the heroine’s story (2015) de Jody Bower, The annotated Pride and Prejudice (2012) de Jane Austen com anotações de David Shapard, Caminho para a iniciação feminina (1985) de Sylvia Perera e O poder do mito (1990) de Joseph Campbell, entre outros. Concluiu-se que o desenvolvimento feminino no romance austeniano tem aspecto fundamental para a construção da obra e sua consequente atualização.
Abstract: Jane Austen’s most famous novel, Pride and Prejudice, was published in 1813. It portraits the lives of the daughters from the Bennet family, who need to get married in order to maintain themselves. It is a novel about women: it was written by a woman, its narrator has a feminine perspective and focuses on another woman, Elizabeth Bennet. The book also discusses typical female problems in the XIX century England. The persistent retelling of Pride and Prejudice in movies, series, novels indicates how the Austenian work keeps enchanting the public because it discusses topics such as love and people’s ability to judge a character. These are humaninity’s most relevant archetypical preoccupations and, before Austen, they appeared in myths and fairytales such as Cupid and Psyche and Beauty and the Beast. This dissertation aims to analyze Pride and Prejudice comparing it to the Greek myth and French fairytale, focusing on the female initiation processes experienced by Elizabeth, Psyche and Beauty. This dissertation has a qualitative, bibliographical and comparative approach. The most important theoretical texts used to discuss it were Rites and Symbols of Initiation: the mysteries of birth and rebirth (1975) by Mircea Eliade, Jane Eyre’s sisters: how women live and write the heroine’s story (2015) by Jody Bower, The annotated Pride and Prejudice (2012) by Jane Austen with notes by David Shapard, Caminho para a iniciação feminina (1985) by Sylvia Perera and O poder do mito (1990) de Joseph Campbell. As a result, it is possible to conclude that the female initiation has a prominent role in this Austenian novel and makes it possible to be constantly reread.
Palavras-chave: Orgulho e preconceito
Jane Austen
Mito
Atualização mítica
Iniciação
Pride and prejudice
Jane Austen
Myth
Mythical rereading
Initiation
Área(s) do CNPq: LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Letras - FL (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FL)
Citação: CARDOSO, A. C. R. A iniciação feminina em orgulho e preconceito. 2017. 77 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7120
Data de defesa: 20-Fev-2017
Aparece nas coleções:Mestrado em Letras e Linguística (FL)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Anna Carolyna Ribeiro Cardoso - 2017.pdf1,75 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons