Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7305
Tipo do documento: Dissertação
Título: Vejo freaks, o “estranho” me olha: aproximações entre as fotografias de Diane Arbus e a psicanálise
Título(s) alternativo(s): I see freaks, the uncanny looks at me: approximations between the Diane Arbus’s photographies and psychoanalysis
Autor: Guerra, Mariah Neves
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/4110355454543752
Primeiro orientador: Burgarelli, Cristóvão Giovani
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/7094012821984177
Primeiro membro da banca: Burgarelli, Cristóvão Giovani
Segundo membro da banca: Pontes, Suely Aires
Terceiro membro da banca: Toassa , Gisele
Quarto membro da banca: Lacerda Júnior, Fernando
Resumo: Essa dissertação nasceu das questões o que nos olha quando vemos a arte? e como é possível pesquisar sobre isso? Partindo da hipótese de uma construção metodológica que aproximasse de forma tensionada os conhecimentos da arte e da psicanálise, escolhi a obra de Diane Arbus, a fotógrafa do freaks, e a noção freudiana de “estranho” para compor a escrita dessa pesquisa. A construção dessa metodologia se deu a partir da relação estabelecida entre metodologias do campo da arte e a metodologia freudiana existente no texto “O ‘Estranho’” (Freud, 1919). Essa pesquisa tem como objetivo geral compreender como, ao estar diante de uma arte, ela pode me afetar no que eu nem sabia me habitar. Para tanto, o recorte feito está na escrita sobre a possibilidade e a impossibilidade de relação entre o “estranho” freudiano e a obra fotográfica de Diane Arbus. Assim sendo, os objetivos específicos são: (1) desenvolver o que é o enigmático “estranho” para a psicanálise; (2) apresentar os principais aspectos das fotografias de Diane Arbus que fazem afetar seu espectador; (3) aproximar o que foi desenvolvido sobre o “estranho” e as fotografias de Arbus para elaborar como se dá o processo de afetação do sujeito do inconsciente diante dessa arte. A partir dessa pesquisa, é possível perceber que o efeito “estanho” se dá quando, ao ver as fotos, elas se tornam objetos “estranhos” e encontram em mim a minha própria estranheza. Vejo os freaks nas fotografias e eles me olham na minha cisão, no que sou falta; vejo as fotos e elas me capturam. A abertura que a arte provoca se dá em o que vemos e o que nos olha; vejo freaks, o “estranho” me olha, e ele me olha na falta que me habita.
Abstract: This dissertation came from the questions what looks at us when we see art? and how is it possible to study it? Starting from the hypothesis of a methodological framework that brought together, in a tensioned way, knowledges of art and psychoanalysis, I chose the work of Diane Arbus, the photographer of the freaks, and the Freudian notion of “uncanny” to write this research work. This methodology was conceived from the relation between methodologies in the art field and the Freudian methodology in the text “The Uncanny” (Freud, 1919). The general objective of this research is to understand how, when I stand before a work of art, it can affect me it in what I did not even know inhabited me. In order to do so, the writing is built on the possibility and the impossibility of the relation between the Freudian “uncanny” and the photographic work of Diane Arbus. Therefore, the specific objectives are: (1) to develop what is the enigmatic “uncanny” to psychoanalysis; (2) to present the main aspects of the photographic works of Diane Arbus that affect their spectator; (3) to bring together what was developed about the “uncanny” and the photograph of Diane Arbus, to formulate how the process of affecting occurs in the subject of the unconscious when he/she stands before this art. From this research, we can see that the “uncanny” effect takes place when I look at the photos and they become “uncanny” objects and discover in me my own uncanniness. I see the freaks in the photos and they look at me in my splitting, in what I am lacking; I see the photos and they capture me. The openness induced by art occurs between what we see in it and what it looks in us, and this splitting is the lack that inhabits us.
Palavras-chave: Arte
Psicanálise
Diane Arbus
Estranho
Unheimlich
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Educação - FE (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Psicologia (FE)
Citação: GUERRA, M. N. Vejo freaks, o “estranho” me olha: aproximações entre as fotografias de Diane Arbus e a psicanálise. 2017. 112 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7305
Data de defesa: 21-Fev-2017
Aparece nas coleções:Mestrado em Educação (FE)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Mariah Neves Guerra - 2017.pdf3,42 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons