Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7619
Tipo do documento: Dissertação
Título: A poesia polimorfa de Francisco Alvim
Título(s) alternativo(s): The polymorphic poetry of Francisco Alvim
Autor: Guimarães, Leandro Bernardo
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/0753298455017406
Primeiro orientador: Camargo, Goiandira de Fátima Ortiz de
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/3029764057965151
Primeiro membro da banca: Camargo, Goiandira de Fátima Ortiz de
Segundo membro da banca: Souza, Enivalda Nunes Freitas e
Terceiro membro da banca: Flores Junior, Wilson José
Quarto membro da banca: Ribeiro, Renata Rocha
Quinto membro da banca: Siqueira, Ebe Maria de Lima
Resumo: A poesia, centrada na expressão da primeira pessoa do discurso, cristalizou-se, no imaginário coletivo, como reduto elocutivo do “eu lírico”. Associado, a priori, à revelação dos estratos emocionais do poeta empírico, esse conceito se mostra frágil, sobretudo, a partir da Modernidade literária, momento no qual os valores idealistas são questionados em prol de uma ótica materialista. Essa mudança de paradigmas implicará na compreensão do ser humano como sujeito fragmentado pelas incongruências do processo histórico, o que resultará, na lírica, na configuração de subjetividades cada vez mais dissociadas da visão de um sujeito centrado e íntegro. No panorama da poesia brasileira contemporânea, em relação ao trabalho em torno da construção do sujeito lírico, destaca-se a obra de Francisco Alvim. Desde a publicação de seu primeiro livro, Sol dos cegos (1968), esse traço constitutivo do gênero lírico tem sido uma questão que o inquieta. Partindo de uma configuração subjetiva centrada na experiência vivencial de um “eu”, característica de sua fase inicial, passa a ganhar força em sua dicção, principalmente a partir de sua segunda obra, Passatempo (1964), poemas nos quais há a predominância da descentralização e da despersonalização da elocução subjetiva. Esse procedimento faz emergir vozes e personas que, muitas vezes em diálogo, tornam o poema um espaço de dramatização da subjetividade. Essa técnica que permite a concessão da enunciação do “eu lírico” à voz do outro, possibilita ao poeta denunciar as formas de violência que são naturalizadas pela sociedade e pelo Estado. Estudos teóricos em torno do sujeito lírico, como os de Michel Collot (2013) e os de Michael Hamburger (2007); estudos sobre a recente poesia brasileira, como os de Benedito Nunes (2009) e os de Iumna Maria Simon (1999); estudos críticos sobre a lírica de Francisco Alvim, como os de Carlos Antonio de Brito (1988) e os de Roberto Schwarz (2002) embasam nossas reflexões.
Abstract: Poetry, centered on the expression of the first person of discourse, crystallized in the collective imaginary as the enunciative space of "lyrical self." Associated, at first, with the revelation of the emotional layers of the empirical poet, this concept become fragile, above all, from the literary Modernity, when the idealistic values are questioned in favor of a materialist view. This paradigmatic change will imply in the understanding of the human being as a subject fragmented by the incongruities of the historical process, which will result, in the lyric, in the configuration of subjectivities increasingly dissociated from the vision of a subject centered and intact, as thought from the seventeenth century . In the panorama of contemporary Brazilian poetry, in relation to the work around the construction of the lyrical subject, the work of Francisco Alvim stands out. From the publication of his first book, the blind men's Sun (1968), that constituent line of the lyrical gender has been a subject that the restless. Starting from a subjective configuration centered on the experiential experience of a "self", characteristic of his initial phase, it gains strength in his diction, mainly from his second work, Pastime (1964), poems in which there is the predominance of decentralization and the depersonalization of subjective speech. This procedure gives rise to voices and personas who, often in dialogue, make the poem a space of dramatization of subjectivity. This technique, which allows the enunciation of the "lyrical self" to the voice of the other, it makes possible the poet to denounce the violence forms that are naturalized by the society and for the State. Theoretical studies around the lyrical subject, such as those of Michel Collot (2013) and those of Michael Hamburger (2007); Studies on recent Brazilian poetry, such as those of Benedito Nunes (2009) and those of Iumna Maria Simon (1999); Critical studies on Francisco Álvim's lyric, such as those of Carlos Antonio de Brito (1988) and those of Roberto Schwarz (2002) support our reflections.
Palavras-chave: Dramatização da subjetividade
Francisco Alvim
Poesia brasileira contemporânea
Sujeito lírico
Dramatization of subjectivity
Francisco Alvim
Contemporary Brazilian poetry
Lyrical subject
Área(s) do CNPq: LETRAS::TEORIA LITERARIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Letras - FL (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FL)
Citação: GUIMARÃES, L. B. A poesia polimorfa de Francisco Alvim. 2017. 94 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7619
Data de defesa: 27-Jun-2017
Aparece nas coleções:Mestrado em Letras e Linguística (FL)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Leandro Bernardo Guimarães - 2017.pdf773,64 kBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons