Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/8830
Tipo do documento: Tese
Título: Floresta no cerrado? Dinâmica espacial da eucaliptocultura no sudoeste de Goiás
Título(s) alternativo(s): Forest in the cerrado? Spatial dynamics of eucalyptus cultivation in the southwest of Goiás
Autor: Sousa, Marluce Silva
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/8435806559504727
Primeiro orientador: Oliveira, Ivanilton José de
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/4172719252263913
Primeiro coorientador: Scopel, Iraci
Currículo Lattes do primeiro coorientador: http://lattes.cnpq.br/4241342785862156
Primeiro membro da banca: Oliveira, Ivanilton José de
Segundo membro da banca: Castillo, Ricardo Abid
Terceiro membro da banca: Barreira, Sybelle
Quarto membro da banca: Oliveira, Adriano Rodrigues de
Quinto membro da banca: Ferreira, Manuel Eduardo
Resumo: A eucaliptocultura é uma atividade em expansão no mundo e no Brasil, permeada por debates controversos, que atingiu o Sudoeste de Goiás na década de 1980, mas expandiu-se a partir dos anos 2000, constituindo verdadeiras paisagens de “florestas” no Cerrado. Esse trabalho objetivou compreender a dinâmica espacial da eucaliptocultura no Sudoeste de Goiás, pressupondo que a atividade é complementar nos circuitos espaciais produtivos de grãos e carnes, consolidados na região, e que sua expansão regional ocorreu em áreas marginais. A apreciação da eucaliptocultura em diversas partes do mundo e do Brasil permitiu identificar as principais variáveis de sua dinâmica espacial, quais sejam os atores, o sistema técnico, as finalidades da produção e o espaço herdado. A análise espacial da atividade no Sudoeste deGoiás se pautou na interpretação das ações dos atores, protagonistas e coadjuvantes, que produzem para determinada finalidade de produção, conduzindo diversos sistemas técnicos, sobre as diferentes porções do espaço herdado regional. Diversas combinações desses elementos de análise resultaram na espacialização de arranjos espaciais que, dialeticamente, promoveram a reconfiguração do espaço herdado. Os resultados dessa análise indicam que as agroindústrias de grãos e carnes, localizadas em Rio Verde, iniciaram e expandiram o cultivo de eucalipto para o seu suprimento energético, no entorno de suas unidades, geralmente em áreas marginais, promovendo impactos socioeconômicos e ambientais. Disponibilidade de crédito para a implantação de “florestas”, expectativa de aumento da demanda e alto preço da lenha incentivaram pequenos, médios e grandes produtores a plantarem eucalipto em outros municípios, a partir de 2005, como Jataí, Serranópolis, Mineiros e Santa Rita do Araguaia, onde os eucaliptais substituíram pastagens extensivas, portanto, áreas subutilizadas ou marginalizadas pelo processo produtivo dominante. As características do meio físico dessas áreas, principalmente os solos arenosos, lhes conferem dinâmica ecológica vulnerável à produção agrícola intensiva. Quando conduzidos sob manejo recomendado, os eucaliptais permitiram a diversificação produtiva dos estabelecimentos agropecuários e são indicados para uso e recuperação de áreas de baixo potencial agrícola. Mas quando submetidos a manejo inadequado, os eucaliptais apresentam solo exposto, redução da fertilidade e da matéria orgânica do solo nas áreas marginais. A espacialização da eucaliptocultura promoveu, ainda, valorização financeira, inserção subordinada e complementar na produção regional e cooptação pelo capital produtivo e financeiro das áreas marginais, reconfigurando essas porções do espaço herdado. Contudo, o aumento da área plantada, inclusive pelas maiores agroindústrias consumidoras, resultou no aumento da produção de lenha, o principal produto da eucaliptocultura no Sudoeste de Goiás, acima da demanda regional, a partir do ano de 2014. Nesse contexto, iniciou-se uma crise, quando a oferta aumentou, os preços baixaram, viveiros fecharam e produtores não encontraram mercado para seus produtos. Em algumas áreas, a combinação de produtores endividados, desprovidos de conhecimento técnico, solos muito arenosos derivados de arenitos friáveis, declividades acentuadas, materiais genéticos inadequados às condições ecológicas, logística inadequada e redução de demanda por lenha gerou alta vulnerabilidade ecológico-econômica. O eucalipto transformou-se, de símbolo da esperança, em decepção para grande parte dos produtores do Sudoeste de Goiás.
Abstract: Eucalyptus cultivation is an expanding activity in the world and in Brazil, permeated by controversial debates, which reached Southwest of Goiás in the 1980s, but expanded from the 2000s, constituting true "forest" landscapes in the Cerrado. This work aimed to understand the spatial dynamics of eucalyptus culture in the Southwest of Goiás, assuming that the activity is complementary in the productive space circuit of grains and meats, consolidated in the region, and that its regional expansion occurred in marginal areas. The appreciation of eucalyptus cultivation in various parts of the world and Brazil allowed us to identify the main variables of its spatial dynamics, namely, the actors, the technical system, the purposes of production and the inherited space. The spatial analysis of the activity in the Southwest of Goiás was based on the interpretation of the actions of the actors, protagonists and supportings, that produce for a certain purpose of production, conducting diverse technical systems, on the different portions of the regional inherited space. Several combinations of these elements of analysis resulted in the spatialization of spatial arrangements that, dialectically, promoted the reconfiguration of the inherited space. The results of this analysis indicate that the grain and meat agroindustries located in Rio Verde started and expanded eucalyptus cultivation for their energy supply, around their units, usually in marginal areas, promoting socioeconomic and environmental impacts. Availability of credit for the implantation of "forests", expectation of increased demand and high price of firewood encouraged small, medium and large producers to plant eucalyptus in other municipalities, starting in 2005, such as Jataí, Serranópolis, Mineiros and Santa Rita do Araguaia, where the eucalyptus trees replaced extensive pastures, therefore, areas underutilized or marginalized by the dominant productive process. The physical characteristics of these areas, especially the sandy soils, give them ecological dynamics vulnerable to intensive agricultural production. When conducted under recommended management, the eucalyptus allowed the productive diversification of agricultural establishments and are indicated for use and recovery of areas with low agricultural potential. However, when submitted to inadequate management, eucalyptus presents exposed soil, reduced fertility and soil organic matter in marginal areas. The spatialization of eucalyptus cultivation also promoted financial valorization, subordinate and complementary insertion in the regional production and cooptation by the productive andfinancial capital of the marginal areas, reconfiguring these portions of the inherited space. However, the increase in planted area, including the largest consumer agroindustries, resulted in an increase in the production of firewood, the main product of the eucalyptus plantations in the Southwest of Goiás, above regional demand, starting in 2014. In this context, a crisis began, when supply increased, prices fell, nurseries closed and producers found no market for their products. In some areas, the combination of indebted producers, lacking in technical knowledge, very sandy soils derived from friable sandstones, high slopes, genetic materials inadequate to ecological conditions, inadequate logistics and reduced demand for firewood generated high ecological and economic vulnerability. Eucalyptus became a symbol of hope in disappointment for most of the producers in the Southwest of Goiás.
Palavras-chave: Eucalipto
Dinâmica espacial
Sudoeste de Goiás
Áreas marginais
Eucalyptus
Spatial dynamics
Southwest of Goiás
Marginal areas
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Instituto de Estudos Socioambientais - IESA (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Geografia (IESA)
Citação: SOUSA, M. S. Floresta no cerrado? Dinâmica espacial da eucaliptocultura no sudoeste de Goiás. 2017. 331 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/8830
Data de defesa: 27-Out-2017
Aparece nas coleções:Doutorado em Geografia (IESA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Marluce Silva Sousa - 2017.pdf12,16 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons