Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9381
Tipo do documento: Dissertação
Título: “Vamos brincar de Brasil?/ Mas sou eu quem manda”: estudo sobre a poética de Raul Bopp
Título(s) alternativo(s): "Let's play Brazil? / But it's me who rules": study about the poetics of Raul Bopp
Autor: Cunha, Yasmeen Pereira da
Currículo Lattes do Autor: http://lattes.cnpq.br/2167929154413635
Primeiro orientador: Camargo, Goiandira de Fátima Ortiz de
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://lattes.cnpq.br/3029764057965151
Primeiro membro da banca: Camargo, Goiandira de Fátima Ortiz de
Segundo membro da banca: Paula, Marcelo Ferraz de
Terceiro membro da banca: Araújo, Adriana de Fátima Barbosa
Resumo: Este trabalho realizou o estudo da poesia completa do poeta modernista Raul Bopp, em busca que explicitar suas relações com o popular. O estudo do tema “cultura popular” na obra do poeta não é aleatório. Pode-se afirmar que a grande maioria dos estudos críticos sobre o autor elegem-no como um poeta “tipicamente” brasileiro. O adjetivo se dá porque tal tema é uma constante na poética boppiana. Vê-se, portanto, que há uma correspondência entre nacional e popular, e a poesia do autor em questão oferece indícios estéticos e históricos que reafirmam essa correspondência. Partindo dos pressupostos da crítica dialética, os quais indicam que os contextos social e histórico são estímulos para a produção literária, uma das questões abordadas neste trabalho é que os “assuntos populares” foram assimilados pelo Modernismo não só como uma reação ao Parnasianismo e Simbolismo, mas também porque se tratavam no período de um conteúdo social emergente, principalmente em relação à formação da classe trabalhadora, ao movimento operário brasileiro e ao governo populista de Getúlio Vargas. Desse modo, recursos estéticos herdados do cubismo e do surrealismo, assim como características próprias da literatura popular e do imaginário popular em geral, serão utilizados por Raul Bopp para representar a imagem de um país precário, ainda que as técnicas utilizadas apontem, superficialmente, para uma visão otimista do país. Toda a obra de Bopp, então, formaliza esteticamente tensões específicas de vários períodos históricos do Brasil. Serão recorrentes imagens do negro, do caipira, de zonas rurais, somadas às imagens de trens, estradas, automóveis, coexistindo de forma contraditória. O Brasil que o sujeito lírico dos poemas constrói é um país moldado pelo que é popular, herdeiro de um passado escravista que ecoa no presente. As atualizações de padrões sociais típicos do passado colonial percorrem toda a poesia de Raul Bopp, deixando evidente que é necessário compreender o passado, para transformar o presente.
Abstract: This work carried out the study of the complete poetry of the modernist poet Raul Bopp, seeking to make explicit his relations with the popular. The study of the theme "popular culture" in the work of the poet is not random. It can be affirmed that the great majority of the critical studies on the author elect him like a poet "typically" Brazilian. The adjective is given because such a theme is a constant in Boppian poetics. One sees, therefore, that there is a correspondence between national and popular, and the poetry of the author in question offers aesthetic and historical indications that reaffirm this correspondence. From the assumptions of dialectical critique, which indicate that social and historical contexts are stimuli for literary production, one of the issues addressed in this work is that "popular subjects" were assimilated by Modernism not only as a reaction to Parnassianism and Symbolism, but also because they were in the period of an emerging social content, especially in relation to the formation of the working class, the Brazilian labor movement and the populist government of Getúlio Vargas. In this way, aesthetic resources inherited from cubism and surrealism, as well as characteristics of popular literature and popular imagination in general, will be used by Raul Bopp to represent the image of a precarious country, even if the techniques used point superficially to an optimistic view of the country. All Bopp's work, then, aesthetically formalizes specific tensions of various historical periods of Brazil. There will be recurrent images of the Negro, the country, rural areas, added to the images of trains, roads, automobiles, coexisting in a contradictory way. The Brazil that the lyrical subject of the poems builds is a country shaped by what is popular, heir of a slave past that echoes in the present. The updates of social patterns typical of the colonial past run through the poetry of Raul Bopp, making evident that it is necessary to understand the past, to transform the present.
Palavras-chave: Raul Bopp
Modernismo brasileiro
Brasil
Crítica dialética
Cultura popular
Raul Bopp
Brazilian modernism
Dialectical critique
Popular culture
Brazil
Área(s) do CNPq: LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Letras - FL (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FL)
Citação: CUNHA, Y. P. “Vamos brincar de Brasil?/ Mas sou eu quem manda”: estudo sobre a poética de Raul Bopp. 2019. 200 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9381
Data de defesa: 26-Fev-2019
Aparece nas coleções:Mestrado em Letras e Linguística (FL)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Yasmeen Pereira da Cunha - 2019.pdf3,07 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons