Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9619
Tipo do documento: Dissertação
Título: “Nós realizamos a utopia”: transformação da vida cotidiana das mulheres trabalhadoras na Revolução Espanhola
Título(s) alternativo(s): "We realize the utopia": transformation of the daily life of working women in the Spanish Revolution
Autor: Martins, Karina Oliveira
Currículo Lattes do Autor: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4624550A1
Primeiro orientador: Lacerda Junior, Fernando
Currículo Lattes do primeiro orientador: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4770255E3
Primeiro membro da banca: Guimarães, Gleny Terezinha Duro
Segundo membro da banca: Biajoli, Maria Clara Pivato
Terceiro membro da banca: Silva, Hugo Leonardo Fonseca da
Resumo: Esta pesquisa analisa a transformação da vida cotidiana das mulheres trabalhadoras na Revolução Espanhola (1936-1939), com ênfase nas atividades da organização Mujeres Libres, além da relação entre gênero, vida cotidiana e transformação social. A vida cotidiana referenciada na perspectiva histórico materialista dialética de Agnes Heller é a categoria central desta pesquisa, e a partir dela são fundamentadas e articuladas as análises presentes. Como base destas análises utilizou-se a pesquisa bibliográfica e documental. O trabalho divide-se em quatro capítulos, no primeiro desenvolve-se considerações sobre o ser social, o trabalho e as estruturas da vida cotidiana, no segundo há reflexões acerca da relação entre gênero, história da mulher e sexo, divisão sexual do trabalho, patriarcado, relação entre gênero, classe e cotidiano, no terceiro disserta-se sobre a história espanhola: sua realidade sócio-política, a realidade das mulheres, seu anarquismo autêntico e o início da Revolução Espanhola, por fim, no último capítulo são apresentadas transformações na vida das mulheres na Revolução Espanhola, tratando questões como trabalho, prostituição, engajamento político, milicianas, entre outros. No desenvolvimento deste trabalho apreendeu-se a relação entre o cotidiano e não-cotidiano, em que a transformação da vida cotidiana é essencial para um processo revolucionário. Isso é valido especialmente para as mulheres que, devido ao patriarcado, foram relegadas às esferas cotidianas, em especial à esfera privada. Em tal realidade, as mulheres trabalhadoras sofrem a exploração do trabalho e também a opressão de gênero, havendo um antagonismo de classe e gênero, tais aspectos só podem ser superados conjuntamente, o que foi esboçado embrionariamente na Revolução Espanhola. Nela, as mulheres tiveram novas possibilidades de desenvolvimento de condução de suas próprias vidas e um aumento da liberdade cotidiana. Para isto, sua organização e enfrentamento com e contra os próprios companheiros de classe foi fundamental. No entanto, tal processo de transformação foi conflitante e contraditório, apresentando limites.
Abstract: This research analyzes the transformation of the daily life of working women in the Spanish Revolution (1936-1939), with emphasis on the activities of the Mujeres Libres organization, as well as the relationship between gender, daily life and social transformation. The daily life referenced in Agnes Heller's dialectical materialist historical perspective is the central category of this research, and from it the present analyzes are grounded and articulated. The basis of these analyzes was the bibliographical and documentary research. The work is divided into four chapters, the first one develops considerations on the social being, work and structures of daily life, the second is reflections on the relationship between gender, women's history and sex, sexual division of labor, patriarchy, relationship between gender, class and daily life, the third one is about Spanish history: its socio-political reality, the reality of women, its authentic anarchism and the beginning of the Spanish Revolution; in the life of women in the Spanish Revolution, dealing with issues such as work, prostitution, political engagement, militia, among others. In the development of this work the relationship between daily and non-daily life was grasped, in which the transformation of daily life is essential for a revolutionary process. This is especially true for women who, because of patriarchy, have been relegated to everyday spheres, especially the private sphere. In such a situation, working women suffer exploitation of labor and also gender oppression, there being an antagonism of class and gender, such aspects can only be overcome together, which was outlined embryonic in the Spanish Revolution. In it, women had new possibilities of developing their own lives and an increase in daily freedom. For this, his organization and confrontation with and against his own classmates was fundamental. However, this process of transformation was conflicting and contradictory, presenting limits.
Palavras-chave: Vida cotidiana
Revolução Espanhola
Mujeres libres
Gênero
Patriarcado
Spanish Revolution
Free women (mujeres libres)
Gender
Patriarchy
Daily life
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Educação - FE (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Psicologia (FE)
Citação: MARTINS, K. O. “Nós realizamos a utopia”: transformação da vida cotidiana das mulheres trabalhadoras na Revolução Espanhola. 2019. 250 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9619
Data de defesa: 13-Mar-2019
Aparece nas coleções:Mestrado em Psicologia (FE)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Karina Oliveira Martins - 2019.pdf1,33 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons