Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11230
Tipo do documento: TCC
Título: Fraudes corporativas em instituições bancárias brasileiras sob ótica da dimensão da racionalização do triângulo de fraude de Cressey (1953)
Autor: Costa, Isabela Fernanda Câmara
Primeiro orientador: Machado, Michele Rílany Rodrigues
Primeiro membro da banca: Machado, Michele Rílany Rodrigues
Zanolla, Ercilio
Freire, Mac Daves de Morais
Resumo: Este trabalho buscou identificar quais variáveis de racionalização impactam na perpetração de fraudes corporativas em instituições bancárias brasileiras. Para isso, foi explorada a literatura acerca do tema, considerando trabalhos a respeito de fraudes, psicologia e crimes corporativos. Visando levantar variáveis que possam ser usadas como proxies do comportamento do indivíduo, foram abordadas as características demográficas destes, tais como, a idade, o gênero e a formação educacional. Essas foram consideradas como variáveis independentes do modelo aplicado, sendo que a ocorrência ou não da fraude, foi tratada como a variável dependente. Para delimitar a variável dependente foram utilizados os processos administrativos punitivos coletados no CRSFN de 24 instituições bancárias brasileiras durante o período de 2009 a 2014. Foram aplicados testes de estatística descritiva (média e desvio padrão) e para analisar quais variáveis de racionalização poderiam impactar na probabilidade de ocorrência de fraudes corporativas foi aplicada a regressão logística binária. De acordo com os resultados obtidos, a idade da diretoria influencia positivamente a ocorrência de fraudes corporativas, como também a predominância do gênero masculino no conselho fiscal, assim essas variáveis contribuem com a majoração da probabilidade de ocorrência de fraudes corporativas em instituições bancárias. Já o controle acionário das instituições apresentou relação negativa com a probabilidade de ocorrência de fraude, portanto o controle estrangeiro influencia negativamente nessa probabilidade. As demais variáveis: rotatividade do conselho de administração, fiscal e diretoria, idade do conselho de administração e fiscal; gênero da diretoria, do conselho de administração e do presidente; o tamanho das instituições e o lucro líquido, não foram considerados significantes para o modelo aplicado. Em função dos resultados da pesquisa, conclui-se que a idade da diretoria e o gênero do conselho fiscal contribuem para a mensuração da dimensão de racionalização do triângulo de fraude, e, portanto, constituem fatores importantes para a avaliação da probabilidade de ocorrência de fraudes corporativas em instituições bancárias.
Palavras-chave: Instituições bancárias brasileiras
Fraude
Racionalização
Triângulo de fraude de Cressey(1953)
Características demográficas
País: brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas - FACE (RG)
Nome do curso: Ciências Contábeis (RG)
Citação: COSTA, Isabela Fernanda Câmara. Fraudes corporativas em instituições bancárias brasileiras sob ótica da dimensão da racionalização do triângulo de fraude de Cressey (1953). 2016. 54 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11230
Data de publicação: 15-Fev-2016
Aparece nas coleções:FACE - Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCCG- Ciências Contábeis - Isabela Fernanda Câmara Costa.pdf927 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.