Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11234
Tipo do documento: TCC
Título: Acordo basiléia III: análise e composição do capital de risco
Autor: Mata, Renato Zorzin da
Primeiro orientador: Zanolla, Ercílio
Primeiro membro da banca: Zanolla, Ercílio
Silva, Julio Orestes da
Pereira, Ednei Morais
Resumo: Após a crise mundial de 2009, o G20 (grupo das 19 maiores economias do Mundo e União Europeia) realizou o Fórum de Estabilidade Financeira (Financial Stability Board) na cidade de Basiléia situada na Suíça e determinaram um conjunto de novas regras para se aplicar em todos os sistemas bancários do mundo para que os países se tornassem mais seguros e menos suscetíveis a novas crises, denominado Acordo de Basiléia III, na data de 16 de dezembro de 2010. A partir de 2010 foi criado um cronograma para que todos os sistemas bancários do mundo se adequassem às normas do Acordo de Basiléia III sem que estes sistemas não sofressem grandes impactos com as novas regras. Essas novas regras começaram a ser cobradas gradativamente a partir de 2013, ou seja, de 2010 até o final 2012 não era cobrada efetivamente nenhuma mudança na regulamentação bancária. A partir 2013 até o final de 2014 entrou em vigor efetivamente as mudanças do Acordo de Basiléia III. Este novo acordo focou em mudanças conservadoras para proteger os sistemas bancários e isso reflete diretamente no capital de risco, que nos Balanços dos Bancos brasileiros está representado pelo Patrimônio de Referência Mínimo Requerido (PRMR). Este trabalho foi realizado analisando se houve mudanças na composição do PRMR durante os períodos de adaptação ao novo acordo (2010-2012) e durante a efetiva implantação do novo acordo (2013-2014) no sistema bancário brasileiro e foi realizada uma comparação entre a composição do PRMR entre Bancos Públicos e Bancos privados. Após realizada estatística descritiva, teste de normalidade, teste de diferencia entre media e teste de variância ficou constatado que o sistema bancário brasileiro, que possui raízes conservadoras, já teria padrões as exigências do Acordo de Basiléia III, não havendo mudanças significativas nos períodos entre 2010-2014 no sistema bancário brasileiro e não havendo mudanças significativas na gestão do PRMR para atendimento as normas do Acordo de Basiléia III entre Bancos públicos e Bancos privados.
Palavras-chave: Acordo de basiléia III
Sistema financeiro brasileiro
Bancos públicos
Bancos privados
País: brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas - FACE (RG)
Nome do curso: Ciências Contábeis (RG)
Citação: MATA, Renato Zorzin da. Acordo de basiléia III: análise da composição do capital de risco. 2016. 43 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11234
Data de publicação: 25-Fev-2016
Aparece nas coleções:FACE - Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCCG - Ciências Contábeis - Renato Zorzin da Mata.pdf1,18 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.