Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11511
Tipo do documento: Artigo
Título: Phylogenetic autocorrelation and evolutionary interpretation of the higher-taxon approach for biodiversity analyses
Título(s) alternativo(s): Autocorrelação filogenética e a interpretação evolutiva para análise de número de taxa em análises de biodiversidade
Autor: Diniz Filho, José Alexandre Felizola
Tôrres, Natália Mundim
Resumo: E mbora as análises da biodiversidade em escalas geográficas amplas sejam normalmente realizadas em nível das espécies, alguns trabalhos recentes têm utilizado contagens de categorias taxonômicas mais elevadas, com algumas vantagens. Entretanto, essa abordagem é aplicada de forma empírica e o nível hierárquico escolhido (gênero, famílias, etc.) é geralmente arbitrário. Este trabalho, mostra que essa abordagem pode ser ligada teoricamente aos modelos de evolução fenotípica pelos métodos de autocorrelação filogenética. Esse nível da hierarquia deve expressar o tempo passado no qual os taxa analisados se tornam independentes estatisticamente, para o fenótipo. O método proposto foi aplicado para analisar a evolução fenotípica de 23 caracteres morfológicos, ecológicos e comportamentais em espécies de Carnivora do Novo Mundo. A contagem de linhagens há 18,8 milhões de anos atrás, definida pelos correlogramas filogenéticos, foi altamente correlacionada com a riqueza de espécies (r = 0,899; P < 0,001 com 13 graus de liberdade, levando em consideração a autocorrelação espacial). O número de linhagens foi maior na América do Norte, de modo que embora haja mais espécies na região tropical, estas representam eventos recentes de diversificação, com espécies redundantes em relação às linhagens que existiam há 18,8 milhões de anos atrás. O número de linhagens definido por autocorrelação pode ser utilizado como uma medida de diversidade evolutiva sob um dado modelo de divergência fenotípica.
Abstract: A lthough in most recent broad-scale analyses, diversity is measured by counting the number of species in a given area or spatial unity (species richness), a ‘top-down’ approach has been used sometimes, counting higher-taxon (genera, family) instead of species with some advantages. However, this higher-taxon approach is quite empirical and the cut-off level is usually arbitrarily defined. In this work, we show that the higher-taxon approach could be theoretically linked with models of phenotypic diversification by means of phylogenetic autocorrelation analysis in such a way that the taxonomic (or phylogenetic) rank to be used could not be necessarily arbitrary. This rank expresses past time in which taxa became independent for a given phenotypic trait or for the evolution of average phenotypes across different traits. We illustrated the approach by evaluating phylogenetic patches for 23 morphological, ecological and behavioural characters in New World terrestrial Carnivora. The higher-taxon counts at 18.8 mya (SL) defined by phylogenetic correlograms are highly correlated with species richness (r = 0.899; P < 0.001 with ca. 13 degrees of freedom by taking spatial autocorrelation into account). However, SL in North America is usually larger than in South America. Thus, although there are more species in South and Central America, the fast recent diversification that occurred in this region generated species that are “redundant” in relation to lineages that were present at 18.8 my. BP. Therefore, the number of lineages can be comparatively used as a measure of evolutionary diversity under a given model of phenotypic divergence among lower taxonomic units.
Palavras-chave: Higher-taxon approach
Species richness
Phylogenetic diversity
Phylogenetic autocorrelation
Phenotypic evolution
Carnivora
País: Brasil
Instituição: Instituto Internacional de Ecologia
Unidade acadêmica: Instituto de Ciências Biológicas - ICB (RG)
Citação: DINIZ FILHO, J. A. F.; TÔRRES, N. M. Phylogenetic autocorrelation and evolutionary interpretation of the higher-taxon approach for biodiversity analyses. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 66, n.3, p. 873-881, Aug. 2006.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: 10.1590/S1519-69842006000500013
Identificador do documento: 10.1590/S1519-69842006000500013
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11511
Data de publicação: 31-Ago-2006
Aparece nas coleções:ICB - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Natália MundimTôrres - 2010.pdf606,59 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons