Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11547
Tipo do documento: Artigo
Título: Macroecologia de corujas (Aves: Strigiformes) da América do Sul
Título(s) alternativo(s): Macroecology of South American owls (Aves: Strigiformes)
Autor: Sant'Ana, Carlos Eduardo Ramos de
Diniz Filho, José Alexandre Felizola
Resumo: A macroecologia tem por objetivo compreender a relação entre variáveis ecológicas em grandes escalas de tempo e espaço. Analisou-se neste trabalho a relação entre a área de distribuição geográfica e o tamanho corpóreo em 29 espécies de corujas da América do Sul. A relação obtida entre essas variáveis para as corujas segue o modelo de Brown e Maurer ( 1987, 1989), formando uma região triangular no espaço bivariado, com a área geográfica mínima estando positivamente correlacionada com o tamanho corpóreo. Isso ocorre em função das espécies de maior porte possuírem maiores necessidades energéticas necessitando, consequentemente de uma área de vida maior. Por outro lado, pequenas áreas de distribuição implicam em maior competição intra-específica, baixa densidade populacional local e, portanto, maior probabilidade de extinção. Como as espécies não são independentes nas análises estatísticas, pois compartilham caracteres através da descendência de ancestrais comuns, é necessário controlar o efeito filogenético dos dados relativos a essas espécies. As relações filogenéticas entre as espécies de corujas foram obtidas a partir do cladograma de Sibley e Ahlquist ( 1990), construído com dados de hibridização de DNA. O controle desses efeitos filogenéticos foi realizado através de uma análise de autocorrelação filogenética (correlogramas e modelo autorregressivo), que indicou a existência de uma forte autocorrelação filogenética para a variável tamanho corpóreo. A correlação entre os resíduos do modelo autoregressivo é significativa a nível de 1 %. Assim, conclui-se que a relação positiva entre a área de distribuição geográfica e o tamanho corpóreo em corujas da América do Sul deve ser explicada por um processo ecológico real, como o predito pelo modelo de Brown e Maurer, não sendo apenas um artefato dos efeitos de inércia filogenética das variáveis consideradas.
Abstract: Macroecology is the study of the relationships among ecological variables in large scales of space and time. ln this paper, the macroecological relationship between body size and geographic range size was analyzed for 29 species of South American owls (Strigiformes). This relationship followed the Brown and Maurer model (1987, 1989), characterized by a triangular region in bivariate space, with the minimum geographic range size being positively correlated with body length. This is an expected association because large species require more energy and must use a larger arca of the environment. On the other hand, small geographic ranges imply higher intraspecific compelition, low local population density and, therefore, a higher probability of extinction. However, since species do not usually provide independent observations in a statistical analysis because they share characteristics through descent from common ancestors, at distinct leveis, it is necessary to control these effects in rnacroecological data. For this study, phylogenetic relationships among specics were based on the cladogram provided by Sibley and Ahlquist ( 1990), constructed using DNA-DNA hybridization. The control of these phylogenetic effects from cross-species data was done using the phylogenetic autocorrelation analysis (correlograms and the autoregressive model), that indicated strong phylogenetic autocorrelation in body size. The correlation between body size and geographic range size for South American owls is signiticant at the 1% level after controlling the phylogenetic effects. Thus, we conclude that this positive relationship must he interpreted as a real ecological process and not as the by-product of phylogenetic inertia in each of the characters.
Palavras-chave: Body size
Geographic range
Phylogenetic inertia
Strigiformes
Distribuição geográfica
Inércia filogenética
Tamanho corpóreo
Strigiformes
País: Brasil
Instituição: Sociedade Brasileira de Ornitologia
Unidade acadêmica: Instituto de Ciências Biológicas - ICB (RG)
Citação: SANT’ANA, Carlos Eduardo Ramos de; DINIZ FILHO, José Alexandre Felizola. Macroecologia de corujas (Aves: strigiformes) da América do Sul. Ararajuba: revista brasileira de ornitologia, Rio Grande, v. 7, n.1, p. 3-11, jun. 1999.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11547
Data de publicação: Jun-1999
Aparece nas coleções:ICB - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Carlos Eduardo Ramos de Sant'Ana - 1999.pdf2,71 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons