Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11712
Tipo do documento: Artigo
Título: Biologia do triatoma costalimai (Verano & Galvão, 1959) (hemiptera, reduvudae)
Título(s) alternativo(s): Bioíogy of the triatoma costalimai (Verano & Galvão, 1959) (herniptcra, reduviidae)
Autor: Isac, Eliana
Alves, Rosa de Belém das Neves
Rocha, Andrea Pereira da
Costa Júnior, Orlando Oliveira
Santos, Adelair Helena dos
Resumo: Estudou-se a biologia do Triatoma costalimai (Verano & Galvão, 1959) (Hemiptera, Reduviidae), espécie de hábito silvestre, tendo em vista sua capacidade de se desenvolver em ambiente artificial, criação em grande escala em laboratório e sua utilização nos testes experimentais da doença de Chagas. Este triatomínco foi encontrado infectado pelo Trypanosoma cruz; (cepa cosSalimai), peia primeira vez. por Melo & Borges (1981). Neste trabalho, realizaram-se os experimentos à temperatura de 28° C, umidade de 75+5% e fotoperíodo de 12 horas. A incubação dos ovos e o seu desenvolvimento completo ocorreram em frascos de polietíleno de 3,0 x 7,0 cm de diâmetro, com exemplares de triatomíneos individualizados. O período médio de incubação dos ovos foi de 21 ± 00 dias para machos e fêmeas, com duração média do ciclo evolutivo de 138,5 dias para machos e 136,1 dias para fêmeas. A duração dos estádios ninfais foi determinada petas exúvias recolhidas nas observações diárias. A fecundidade e a fertilidade média foram de 75,2 ± 8,5 ovos e 90,4%, respectivamente, e o número médio de postura de 17,4 ± 1,2 com uma média de 4,1 ±0,3 ovos por postura. A resistência média ao jejum, na ordem crescente dos estádios ninfais e adultos (macho), foi de 35,8 ± 0,6; 44,8±2,1; 90,6±4,1; 117,4±6,1; 138,1±7,2 e 67,5±1,6. O período médio de alimentação dos estádios ninfais para machos foi de 12,0±2,4; 6,8±2,1; 3,1±0,6; ó,3±2,0; 3,9±0,7 e para fêmeas de 9,3±1,3; 5,1±1,0; 3,4±0,6; 4,3±0,7; 5,7±1,7.
Abstract: Due to its capacity to develop in an artificial environment, large-scali: laboratory breeding ability and widespread use in experimental Chagas disease testing, the biology of Triatoma costalimai was studied. The bug was first discovered infected by Tiypanosoma cruzi (costalimai strain) by Melo & Borges (1981). In this study, the experiment was carried out aí 28° C, 75+5% humidity and a 12-hour light/dark cycle. The eggs incubation and íts complete development was carried out in polyethylene flasks measuring 3,0 x 7,0 cm, wkh individual bug specimens. The mean egg incubation period was 21+00 days for males and females, with the evaluative cycle mean duratiou of 138,5 days for males and 136,1 days for females. Daily observation and collection of exuvias determinate the duration of the nymph stages. Mean fecundity and fertiíity were 75.2 + 8.5 eggs and 90.4% respectively, and lhe mean number of postures was 17.4 + 1.2 with a mean of 4.1+ 0.3 eggs per posture. The mean resistance to fastening, in crescent order of nymph stagLis and adults (males) was of 35,8 + 0,6; 44,8±2,2; 90,6±4,1; 117,4±6,l; 138,1±7,2 and 67,5±l,6.The mean feeding period for male nymphs was 12,0±2,4; 6,812,1; 3,1±0,6; 6,3±2,0; 3,9±0,7 and for females 9,3±l,3; 5,111,0; 3,4±0,6; 4,3±0,7; 5,711,7.
Palavras-chave: Triatoma costalimai
Triatomíneos
Trypanosoma cruzi
Triatominae
País: Brasil
Instituição: Ruy de Souza Lino Junior
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP (RG)
Citação: ISAC, Eliana; ALVES, Rosa de Belém das Neves; ROCHA, Andrea Pereira da; COSTA JÚNIOR, Orlando Oliveira; SANTOS, Adelair Helena dos. Biologia do triatoma costalimai (Verano & Galvão, 1959) (hemiptera, reduvudae). Revista de Patologia Tropical, Goiânia, v. 29, n. 2, p. 233-240, jul./dez. 2000. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/iptsp/article/view/17012/10305>.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11712
Data de publicação: Out-2000
Aparece nas coleções:IPTSP - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Eliana Isac, - 2000.pdf1,58 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons