Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11999
Tipo do documento: Artigo
Título: Estruturação genética na escala de paisagem
Autor: Telles, Mariana Pires de Campos
Bastos, Rogério Pereira
Resumo: O aumento na disponibilidade de bancos de dados geo-referenciados em escala regional, aliado aos numerosos marcadores genéticos disponíveis e às inovações nas análises estatístico- espaciais, resultou em um enorme avanço na habilidade de estudar a influência das variáveis da paisagem na determinação da variação/estrutura genética nas populações. Como consequência, surgiu uma abordagem que integra ecologia de paisagem, estatística espacial e genética de populações (Landscape Genetics), permitindo o aprimoramento dos estudos tradicionais em genética de populações. Essa abordagem utiliza análises que permitem testar de forma explícita a influência das características do ambiente/paisagem no fluxo gênico, criando descontinuidades genéticas e estruturando geneticamente as populações. Existem várias questões básicas e aplicadas que podem ser estudadas com essa abordagem, mas em todos os casos um ponto que deve ser avaliado com cautela é o delineamento amostral para a coleta de material biológico, que nos estudos genético-populacionais normalmente é realizado de maneira “oportunista” em locais conhecidos ou de fácil acesso. A consequência é a possível falha na detecção da variação espacial nos dados genéticos, resultando em dificuldades no entendimento dos processos espaciais ou na inferência errônea do modelo ecológico-evolutivo subjacente aos padrões. Algumas dessas metodologias foram utilizadas para analisar a estrutura genética de Physalaemus cuvieri (Anura: Leptodactylidae) no Cerrado, com base em marcadores RAPD, relacionando-a aos padrões de ocupação humana no Estado de Goiás. Pode-se verificar que a variabilidade genética está estruturada nas populações e a análise de descontinuidade genética mostrou que existem características da ocupação humana que afetam a divergência genética entre populações de P. cuvieiri. Levando-se em conta estas informações, foi possível estabelecer de forma mais efetiva e complexa, unidades operacionais intrapopulacionais que conservem a variabilidade genética existente e auxiliem na definição de áreas que contenham populações mínimas viáveis. Embora os estudos de genética na escala de paisagem ainda possam ser considerados recentes, espera-se, para um futuro próximo, que um avanço nessa área dependerá do aprimoramento dos novos métodos, bem como de uma melhor amostragem de dados genéticos a fim de que estes possam ser analisados pelas técnicas espaciais e de ecologia da paisagem. Deste modo, existe uma diversidade de vocabulário, métodos e idéias sendo disponibilizados e somente será possível considerar “genética da paisagem” como uma disciplina, quando geneticistas de populações, ecólogos da paisagem e estatísticos espaciais comunicarem regularmente, disponibilizando tanto as ferramentas quanto a forma correta de uso das mesmas para a comunidade científica.
Abstract: The increase availability of many georefereences databanks at regional scale, associated with many recently developed molecular markers and innovations in spatial data analysis techniques resulted in a great advance in our ability to study the influence of explanatory variables measured at landscape scale in the determination of population genetic variation. As a consequence, a new approach emerged, by integrating landscape ecology, spatial statistics and population genetics (Landscape genetics), improving the more traditional studies of population genetics. This new approach uses analyses that allow a direct test of how environment creates genetic discontinuities and drives population genetics structures. There are many basic and applied questions that can be studied with this new approach, but in all cases an important issue is that answering them require a much better sampling within and among local populations, which is currently performed in an opportunistic way. In this paper I used some of the methodologies developed in the context of landscape genetics to evaluate population structure of Physalaemus cuvieri (Anura: Leptodactylidae) in Cerrado, based on RAPD molecular markers and relating the patterns found with patterns of human occupation in the Goiás State. It was possible to detect a clear population structure in data, and analyses of genetic discontinuities showed that it is associated to elements of human occupation throughout the region. Taking all evidence into account, it was possible to establish in a more effective way intraspecific operational units for conservation. Although landscape genetic studies are still recent, it is expected that advances in this new area will depend on the development of new methods, as well as a better sampling of new genetic data that can be analyzed using such techniques of spatial analyses and landscape ecology. Thus, there is currently a diversity of terms, methods and ideas being formalized and only when population geneticists, landscape ecologists and spatial statisticians are able to freely communicate, making available well-developed and applied tools, landscape genetics will be considered a new and independent discipline.
Palavras-chave: Variabilidade genética
Estrutura genética
País: Brasil
Instituição: Conservação Internacional
Unidade acadêmica: Instituto de Ciências Biológicas - ICB (RG)
Citação: TELLES, Mariana Pires de Campos; BASTOS, Rogério Pereira. Estruturação genética na escala de paisagem. Megadiversidade, Belo Horizonte, v. 5, n.1-2, p. 101-110, dez. 2009.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/11999
Data de publicação: Dez-2009
Aparece nas coleções:ICB - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Mariana Pires de Campos Telles - 2009.pdf503,61 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons