Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/121
Tipo do documento: Artigo publicado em periódico científico
Título: Anti-sepsia para administração de medicamentos por via endovenosa e intramuscular
Título(s) alternativo(s): Antisepsis through intravenous and intramuscular via for medicine administration
Antisepsia para administración de medicamentos por via endovenosa y intramuscular
Autor: Tipple, Anaclara Ferreira Veiga
Junqueira, Ana Luiza Neto
Pereira, Milca Severino
Abstract: A pele abriga vasta microbiota, que poderá penetrar camadas mais internas durante a aplicação de medicamentos por via parenteral, daí a importância da anti-sepsia para este procedimento. Objetivamos identificar a utilização da anti-sepsia para a administração de medicamentos por via endovenosa e intramuscular como medida de prevenção de infecção. Estudo descritivo, realizado com a equipe de enfermagem, em oito unidades de um hospital de ensino do município de Goiânia-Go. Os dados foram obtidos mediante observação e preenchimento de check-list. Observamos 212 profissionais. Quanto à via de administração, 19,8% dos procedimentos foram realizados por via EV direta, 72,6% por via EV com sistema já instalado e 7,6% por via IM. A maioria dos profissionais, 79,2%, não lavou as mãos antes de realizar o procedimento. Das 154 medicações feitas em sistema venoso já instalado, não foi realizada a desinfecção do injetor de borracha em 47 (30,5%). No que se refere à anti-sepsia, 72,4% das medicações realizadas por via EV e 27,6% por via IM, utilizaram o anti-séptico em todas as situações mas, em apenas 40,5% das injeções EV e em 37,5% das IM foram feitos os cinco ou mais movimentos em um mesmo sentido com o algodão embebido com álcool a 70%, que é o procedimento preconizado para a realização da anti-sepsia da pele. Após a anti-sepsia, 25 profissionais tocaram o local, contaminando-o, destes apenas 13 (52,0%) fizeram nova anti-sepsia, portanto, houve a recontaminação em 12 situações. Os dados revelam que medidas necessárias à prevenção de infecção, na administração de medicamentos via parenteral nem sempre são adotadas, representando um desafio à educação permanente e do controle de infecção no hospital em estudo. _______________________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT _______________________________________________________________________________________________________________________ The skin shelters vast micro biota, which could penetrate more internal, layers during the medicine application through parenteral via, therefore the importance of antisepsis for this procedure. We aimed to identify the application of antisepsis through intravenous (IV) and intramuscular (IM) via for medicine administration as measures for the infection prevention. Descriptive study, accomplished with a nursing team, in eight units from an educational hospital in Goiânia’s district. The data was obtained through observation and filling out the check-list. We observed 212 professionals. As far as the administration via, 19,8% of the procedures were accomplished through direct IV via, 72,6% through IV via with an already installed system and 7,6% through IM via. Most of the professionals, 79,2%, did not wash their hands before accomplishing the procedure. From the 154 medications done in the venous system already installed, the disinfection of the rubber injector was not accomplished in 47 (30,5%). As far as the antisepsis, 72,4% of the medications were accomplished through IV via and 27,6% through IM via, but spite the use of the antiseptic in all the situations, only in 40,5% of the IV injections and in 37,5% of the IM were done five or more movements in the same way with soaked cotton with alcohol at 70%, which is the extolled procedure for the accomplishment for the skin antisepsis. After the antisepsis, 25 professionals touched the place, contaminating it, of these just 13 (52,0%) made new antisepsis, therefore, there was recontamination in 12 situations. The data reveals that: necessary measures for the infection prevention in the medicine through parenteral via are not always adopted, representing a challenge for the permanent education and for the infection control at the hospital in study.
Palavras-chave: Cuidados básicos de enfermagem
Agentes antiinfecciosos locais
Infecção hospitalar
Citação: TIPPLE, Anaclara Ferreira Veiga; JUNQUEIRA, Ana Luiza Neto; PEREIRA, Milca Severino. Antisepsia para administração de medicamentos por via endovenosa e intramuscular. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, 2006, v. 8, n. 1, p. 75-82. Disponível em: < http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_1/original_10.htm>.
Tipo de acesso: Open Access
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/121
Data de publicação: 30-Abr-2006
Aparece nas coleções:FEN - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
antisepsia_1146.pdf97,61 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons