Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/1441
Tipo do documento: Article
Título: Os sentidos da modernização
Título(s) alternativo(s): Modernization of the senses
Los sentidos de la modernización
Autor: Castilho, Denis
Abstract: A modernização se apresenta como um projeto da modernidade feita a partir de uma ideologia desenvolvimentista, do progresso e da racionalidade. Como expansão do modo de produção capitalista pelos lugares, ela se estabelece a partir de dois modelos principais: um político e ideológico; e outro de base técnica e infraestrutural. Nesse sentido, os atores hegemônicos, renovam constantemente os instrumentos e as relações de produção assim como os discursos (do que a ciência não se isenta) que justificam e até “naturalizam” a modernização como um processo necessário ao “progresso social”. A forte difusão desse conceito no âmbito político é proveniente da forma autoritária como ele foi imposto em países como o Brasil e da maneira como o discurso se reproduz a partir de uma determinada classe. Este artigo debate essas questões mediante uma revisão de autores que trabalham o conceito e de uma crítica à forma como alguns abordam o tema por meio de uma concepção reducionista de espaço e de interpretações dualistas. Levanta também algumas questões acerca dos estudos que analisam a modernização com enfoque na modernidade e suas tendências paradigmáticas sem, contudo, entrar na discussão política, histórica e espacial do fenômeno. _______________________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT _______________________________________________________________________________________________________________________ The modernization is presented as a project of modernity made from a developmentalist ideology of the progress and rationality. As an expansion of the capitalist way through places, it is established from two main models: a political and ideological, and other technical and infrastructural bases. The hegemonic aspects in this sense constantly renew the relations among production and instruments as well as speeches (which science is not free) justify and even “naturalize “ the modernization as a necessary requisite for “social progress”. The strong diffusion of the empty concept of a political debate comes from the authoritarian way in which was imposed in countries like Brazil and the way the speech is reproduced from a particular class. This article proposes to discuss these issues through a review of authors who study the concept and from a critique of the way some talk about the subject through a reductionist conception of space and dualistic interpretations.It also raises some questions about the studies that analyze the modernization with a focus on modernity and its paradigmatic trends but without going into the political, historical and spatial phenomenon. _______________________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT _______________________________________________________________________________________________________________________ La modernización se presenta como un proyecto de la modernidad hecha a partir de una ideología del desarrollo, del progreso y de la racionalidad. Como expansión del modo de producción capitalista por los lugares, la modernización se establece a partir de dos modelos principales: un político e ideológico, y outro de base técnica e infraestructural. Los actores hegemónicos, en este sentido, actualizan, constantemente, los instrumentos y las relaciones de producción así como los discursos (de los cuales la ciencia no si exenta) que legitiman la modernización como un proceso necesario para el “progreso social”. La fuerte difusión del concepto vacío de un debate político viene de la forma autoritaria como él fue impuesto en países como el Brasil y de la manera como el discurso se reproduce por una clase en particular. Este artículo propone discutir esas cuestiones a través de una revisión de los actores que estudian el concepto de modernización y de una crítica de como algunos analizan el tema a través de una concepción reduccionista del espacio y de interpretaciones dualistas. También algunas preguntas son hechas sobre los estudios que analizan la modernización con un enfoque en la modernidad y sus tendencias paradigmáticas, pero sin entrar en la discusión política, histórica y espacial del fenómeno.
Palavras-chave: Modernização
Ideologia
Espaço
Crítica às dualidades
Instituição: Tadeu Alencar Arrais
Citação: CASTILHO, T. Os sentidos da modernização. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, GO, v. 30, n. 2, 2010. Disponível em: <http://www.revistas.ufg.br/index.php/bgg/article/view/13802>.
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/1441
Data de publicação: Dez-2010
Aparece nas coleções:IESA - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
13802-54838-1-PB.pdf328,77 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.