Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/1456
Tipo do documento: Other
Título: Análise do tratamento de impairment test nas empresas dos setores automotivo e construção civil frente à crise econômico-financeira de 2008
Autor: Gil, Ana Luiza Siqueira
Resumo: Este trabalho tem o objetivo de verificar o tratamento dado pelas empresas pertencentes aos setores Construção Civil e Automotivo com relação aos indícios externos de perda de valor recuperável de seus ativos decorrentes da crise econômico-financeira iniciada em 2008. Para isso o estudo foi dividido em quatro etapas. A partir de uma análise qualitativa do cenário macroeconômico de 2004 a 2009, foram determinadas variáveis macroeconômicas potenciais, que refletem os fundamentos econômicos e a realidade de mercado num período de crise mundial, sendo as seguintes: demanda interna; investimento; endividamento; variação de taxa de câmbio e restrição de liquidez. Num segundo momento, buscou-se a definição de medidas contábeis com presunção de correlação pertinente com as variáveis determinadas anteriormente, ou seja, proxies que representam características macroeconômicas a nível operacional das empresas. Definidas as proxies correspondentes, foram coletadas informações contábeis/financeiras no banco de dados Economatica, para a certificação de transição de tendência favorável de resultados num período pré-crise (2004 a 2007), para uma tendência desfavorável de resultados a partir do estopim da crise (2008 e 2009). Os resultados dessa etapa confirmam a mudança de tendência, aqui entendida como INDÍCIO de possível perda de valor recuperável; 97% das empresas mostraram existência de indício para pelo menos uma proxy; 51% do total da amostra, foram consideradas empresas de alto indício de perda por apresentarem INDÍCIO em pelo menos 3 proxies e portanto, estas, deveriam realizar teste de impairment. Entretanto a análise de conteúdo realizada na terceira etapa mostra que apenas 12% da amostra apontou em nota explicativa a verificação de existência de evidências para realização dos cálculos de recuperabilidade de seus ativos. O confronto de resultados realizado na quarta etapa mostra que 53% das empresas que deveriam ter realizado o teste de impairment não o fizeram. Portanto a pesquisa apontou que as empresas compreendidas na amostra foram omissas às evidências decorrentes da crise de perda por deterioração de valor nos anos 2008 e 2009.
Palavras-chave: Impairment test
Crise econômico-financeira
Indícios de perda
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/1456
Data de publicação: 17-Out-2013
Aparece nas coleções:FACE - Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Ana Luiza Siqueira Gil.pdf1,17 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.