Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/15636
Tipo do documento: Artigo
Título: Análise morfométrica do epitélio de revestimento do filamento branquial do guaru (Poecilia vivípara) exposto a frações do extrato da folha e casca do caule de pequi (Caryocar brasiliensis)
Título(s) alternativo(s): Morphometric analysis of the lining epithelium of the gill filament of ''guaru'' (Poecilia vivipara) exposed to fractions of leaf and bark extracts of pequi (Caryocar brasiliensis)
Autor: Silva, Luciana Damacena
Rosa, Eliane Vieira
Santos, Suzana Costa
Sabóia-Morais, Simone Maria Teixeira de
Resumo: O Cerrado brasileiro tem sido um dos domínios ecológicos mais explorado cientificamente nos dias atuais e na última década. Estudos recentes têm proposto o uso de extrato da folha e casca do caule de C. brasiliensis (pequi) como agente moluscicida, no intuito de combater o hospedeiro intermediário (Biomphalaria glabrara) do parasito causador da esquistossomose: Schistosoma mansoni. Como este molusco sempre está próximo a mananciais de água, questiona-se o impacto deste produto sobre a fauna aquática. Neste sentido, utilizamos a brânquia do peixe eurialino Poecilia vivipara (guaru),já bastante utilizado como bioindicador de poluição aquática, para testar a toxicidade de frações de extratos da folha e casca de caule de pequi. Um conjunto de 30 guarus adultos arranjados em 5 grupos experimentais foram expostos a frações aquosa, acetato de etila e etérea da folha e frações aquosa e acetato de etila da casca de caule de pequi, durante 24 horas. Mensurou-se a área e o pedrnet.ro dos filamentos branquiais nas regiões: basal, intermediária e apical. As análises estatísticas demonstraram que a área dos grupos experimentais não difere do controle. Porém, o perímetro das regiões basal e intermediária se diferenciaram significativamente do controle o que, todavia, não promoveu o comprometimento das atividades fisiológicas da brânquia. Assim, sugere-se que nas concentrações de 20 ppm, os extratos testados possam ser utilizados como moluscicidas em mananciais aquáticos, excetuando-se a fração aquosa da folha por ser letal nesta concentração.
Abstract: In the last years, the Brazilian Cerrado has been one of the ecological sites most scientifically explored. Recent studies have proposed the use of the leaf and bark extracts of C. brasiliensis (pequi) as a mollusk-killing agent with the purpose of fighting the intermediary host (Biomphalaria glabrata) of the parasite responsible for schistosomiasis; Schistosoma mansoni. As this mollusk is always near water sources, the impact of this product on freshwater animals is being questioned. ln this sense, we used the gill of the curyhaline fish Poecilia vivípara (guaru), already widely used as a bioindicative of water pollution, to test the toxicity of fractions of leaf and bark extracts of pequi. A sample of 30 adult guarus composing five experimental groups were exposed to aqueous, ethyl-acetate and ethereal fractions of the ]eaf and to the aqueous and ethyl­acetate fractions of the bark or the pequi, during 24 hours. The area and the perimeter of the gill filaments in the basal, intermediate and apical regions were measured. Statistical analyses demonstrated that the area of the experimental groups did not differ from the control. However, the perimeter of the basal and intermediate regions differed significantly from the control, although not impairing the physiologic activities of the gill. Thus, it is suggested that in concentrations of 20 ppm, the extracts tested can be used as mollusk-killers in water sources, with the exception of the aqueous fraction of the leaf.
Palavras-chave: Brânquia
Caryocar brasiliensis
Moluscicida
Morfometria
Toxicidade
Gill
Mollusk-killer
Morphometry
Toxicity
País: Brasil
Unidade acadêmica: Instituto de Ciências Biológicas - ICB (RG)
Citação: SILVA, Luciana Damacena; ROSA, Eliane Vieira; SANTOS, Suzana Costa; SABÓIA-MORAIS, Simone Maria Teixeira de. Análise morfométrica do epitélio de revestimento do filamento branquial do guaru (Poecilia vivípara) exposto a frações do extrato da folha e casca do caule de pequi (Caryocar brasiliensis). Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, Umuarama, v. 6, n. 3, p. 101-106, set./dez. 2002.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/15636
Data de publicação: Dez-2002
Aparece nas coleções:ICB - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Luciana Damacena Silva - 2002.pdf1,29 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons