Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/17067
Tipo do documento: Artigo
Título: Assessment of the mutagenic, antimutagenic and cytotoxic activities of ethanolic extract of araticum (Annona crassiflora Mart. 1841) by micronucleus test in mice
Título(s) alternativo(s): Avaliação das atividades mutagênica, antimutagênica e citotóxica do extrato etanólico de araticum (Annona crassiflora Mart.) pelo teste de micronúcleos em camundongos
Autor: Vilar, Juliana Brandstetter
Ferreira, Francinez Linhares
Ferri, Pedro Henrique
Guillo, Lidia Andreu
Lee, Chen Chen
Resumo: O araticum (Annona crassiflora Mart.) é uma planta tipicamente brasileira, largamente utilizada em humanos como remédio para o tratamento de diversas doenças como diarréia, reumatismo e sífilis. Esta planta contém acetogeninas que apresentam propriedades citotóxica, antitumorigênica e antiparasitária. Neste estudo, foram avaliados os possíveis efeitos mutagênico, antimutagênico e citotóxico do extrato etanólico de folhas de araticum, pelo teste de micronúcleos em camundongos. Para a investigação da atividade mutagênica, os animais foram tratados com o extrato etanólico de araticum (EEA) utilizando 10, 20, 50, 100 e 160 mg.kg –1 . Para todas as doses, as freqüências de eritrócidos poli- cromáticos micronucleados (MNPCE) foram avaliadas em 24, 48 e 72 horas após o tratamento. Para a investigação da atividade antimutagênica, os animais foram tratados com 10, 20, 50 e 100 mg.kg –1 de EEA simultaneamente com 4 mg.kg –1 de MMC. A freqüência de MNPCE foi avaliada após 36 horas de exposição. A citotoxicidade foi avaliada pela razão de eritrócitos policromáticos e normocromáticos (PCE/NCE). Na avaliação da mutagenicidade, todas as doses de EEA não aumentaram significativamente o número de MNPCE (P > 0,05), comparativamente as do grupo solvente-controle. Em relação ao tempo de administração, não foi constatada diferença significativa entre os 3 períodos avaliados (P > 0,05). Esses resultados indicam que o EEA não exerceu atividade mutagênica.A citotoxicidade foi evidente nas doses de 50, 100 e 160 mg.kg –1 em 24 e 48 horas depois da exposição. Em relação à antimutagenicidade, exceto para a dose de 10 mg.kg –1 co-administrada com 4 mg.kg –1 de MMC, todas reduziram significativamente a freqüência de MNPCE, comparativamente as do grupo controle positivo (P < 0,05). Esses resultados, portanto, indi-cam uma atividade antimutagênica do EEA. A citotoxicidade foi significativamente aumentada (P < 0,01) na dose de 100 mg.kg –1 de EEA co-administrada com 4 mg.kg –1 de MMC.
Abstract: O araticum (Annona crassiflora Mart.) é uma planta tipicamente brasileira, largamente utilizada em humanos como remédio para o tratamento de diversas doenças como diarréia, reumatismo e sífilis. Esta planta contém acetogeninas que apresentam propriedades citotóxica, antitumorigênica e antiparasitária. Neste estudo, foram avaliados os possíveis efeitos mutagênico, antimutagênico e citotóxico do extrato etanólico de folhas de araticum, pelo teste de micronúcleos em camundongos. Para a investigação da atividade mutagênica, os animais foram tratados com o extrato etanólico de araticum (EEA) utilizando 10, 20, 50, 100 e 160 mg.kg –1 . Para todas as doses, as freqüências de eritrócidos policromáticos micronucleados (MNPCE) foram avaliadas em 24, 48 e 72 horas após o tratamento. Para a investigação da atividade antimutagênica, os animais foram tratados com 10, 20, 50 e 100 mg.kg –1 de EEA simultaneamente com 4 mg.kg –1 de MMC. A freqüência de MNPCE foi avaliada após 36 horas de exposição. A citotoxicidade foi avaliada pela razão de eritrócitos policromáticos e normocromáticos (PCE/NCE). Na avaliação da mutagenicidade, todas as doses de EEA não aumentaram significativamente o número de MNPCE (P > 0,05), comparativamente as do grupo solvente-controle. Em relação ao tempo de administração, não foi constatada diferença significativa entre os 3 períodos avaliados (P > 0,05). Esses resultados indicam que o EEA não exerceu atividade mutagênica.A citotoxicidade foi evidente nas doses de 50, 100 e 160 mg.kg –1 em 24 e 48 horas depois da exposição. Em relação à antimutagenicidade, exceto para a dose de 10 mg.kg –1 co-administrada com 4 mg.kg –1 de MMC, todas reduziram significativamente a freqüência de MNPCE, comparativamente as do grupo controle positivo (P < 0,05). Esses resultados, portanto, indicam uma atividade antimutagênica do EEA. A citotoxicidade foi significativamente aumentada (P < 0,01) na dose de 100 mg.kg –1 de EEA co-administrada com 4 mg.kg –1 de MMC.
País: Brasil
Unidade acadêmica: Instituto de Ciências Biológicas - ICB (RG)
Citação: VILAR, J. B. et al. Assessment of mutagenic, antimutagenic and cytotoxic activities of ethanolic extract of araticum (Annona crassiflora Mart.) by micronucleus tes in mice. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 68, n. 1, p. 631-637, Feb. 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/17067
Data de publicação: 2008
Aparece nas coleções:FM - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Juliana Brandstetter Vilar - 2008.pdf149,55 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons