Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/17549
Tipo do documento: Artigo
Título: O ciclo de vida da criança Tapuia
Autor: Silva, Adriana Rosário da
Santos, Daiane Aparecida Ferreira dos
Rodrigues, Eunice da Rocha Moraes
Moraes, Gracilene Chaves de
Costa, Silma Aparecida da Silva
Resumo: O povo Tapuia do Carretão residente nos municípios de Rubiataba e Nova América-Goiás é descendente de três povos indígenas, sendo eles Karajá, Xavante e Kaiapó, incluindo negros e brancos. Após muitos anos dessa miscigenação, o nosso povo adquiriu vários costumes vindos desses diferentes povos. Muito se discute sobre a aprendizagem das crianças, como e com quem elas aprendem. Na nossa comunidade podemos observar que cada família tem seus costumes e tradições diferentes, e predomina mais cada Tronco indígena de que a família é descendente. Em cada fase da vida da criança ela aprende com as pessoas que estão ao seu redor. Mas podemos notar que depende de cada família, pois cada um tem a sua particularidade. Em algumas famílias pode-se notar que a mãe ou o pai pegam mais as responsabilidades do ensinamento sendo em algumas famílias a mãe e em outras o pai. O aprendizado da vida do povo Tapuia é contínuo, pois é algo que você nunca deixa de adquirir. Se estamos mais velhos, aprendemos com nossos filhos e netos. Aprendemos com pessoas amigas, com a família, com os nossos anciões, com os nossos caciques, com as nossas lideranças. Aprendemos a valorizar nossas culturas e tradições, a dar valor aos ensinamentos que nossas avós e bisavós nos deixaram. Portanto, cada experiência vivida é muito importante na formação da pessoa, embora possa se perceber que o ciclo mais significativo seria a fase da velhice que é onde muitas experiências foram vividas e se tem oportunidade de repassá-las adiante, e onde se adquire muito conhecimento. Por isso os (as) velhos (as) Tapuia são sempre visto (as) com respeito e admiração, seguidos logo após pela fase do útero e da primeira infância, pois são os ciclos nos quais a criança está em um contato mais direto com o mundo, começando a aprender cores e sabores e formando-se intelectualmente e sentimentalmente. Isso irá refletir na vida adulta até a velhice. Cada fase tem sua particularidade e individualidade. Basta respeitarmos todos que aprenderemos com cada uma, porque todas têm seu valor especial e cada fase de transição tem sua identidade, sua atitude e seu tempo de desabrochar.
Abstract: The Tapuia of Carretão people residing in the municipalities of Rubiataba and Nova América-Goiás are descendants of three indigenous peoples, including Karajá, Xavante and Kaiapó, including blacks and whites. After many years of this miscegenation, our people acquired various customs from these different peoples. Much is discussed about children’s learning, how and with whom they learn. In our community we can observe that each family has its different customs and traditions, and each indigenous trunk predominates depending from the family that it is descended. At every stage of the child’s life she learns from the people around her. But we can notice that it depends on each family, because each one has its particularity. In some families it may be noted that the mother or father takes more responsibility for the teaching being in some families the mother and in others the father. Learning the life of the Tapuia people is continuous because it is something that you never fail to acquire. If we are older, we learn from our children and grandchildren. We learn from friends, from the family, from our elders, from our caciques, from our leaders. We learn to value our cultures and traditions, to value the teachings that our grandparents and great-grandparents have left us. Therefore, each lived experience is very important in the formation of the person, although one can perceive that the most significant cycle would be the phase of old age that is where many experiences were lived and if you have the opportunity to pass them on, and where much knowledge is acquired. That is why the old Tapuia are always seen with respect and admiration, followed soon after by the phase of the uterus and early childhood, for they are the cycles in which the child is in a more direct contact with the World, beginning to learn colors and tastes and forming intellectually and sentimentally. This will reflect in adulthood into old age. Each phase has its particularity and individuality. It is enough to respect all that we will learn from each one, because all have their special value and each transition phase has its identity, its attitude and its time to unfold.
Palavras-chave: Povo Tapuia
Ciclo de vida da criança
Família
Anciãos e lideranças
Tapuia people
Child’s life cycle
Family
Elders and leaders
País: Brasil
Instituição: Maria do Socorro Pimentel da Silva
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Faculdade de Letras - (FL)
Citação: SILVA, Adriana Rosário da; SANTOS, Daiane Aparecida Ferreira dos; RODRIGUES, Eunice da Rocha Moraes; MORAES, Gracilene Chaves de; COSTA, Silma Aparecida da Silva. O ciclo de vida da criança Tapuia. Articulando e Construindo Saberes, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 496-513, jan./dez. 2017. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/racs/article/view/49031/24048.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: 10.5216/racs.v2i1.49031
Identificador do documento: 10.5216/racs.v2i1.49031
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/17549
Data de publicação: Dez-2017
Aparece nas coleções:FL - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Adriana Rosário da Silva - 2017.pdf4,38 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons