Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18274
Tipo do documento: TCC
Título: Subjetividade e redes sociais: um estudo da marca Tô de Cacho
Título(s) alternativo(s): Subjectivity and social media: a study of the brand Tô de Cacho
Autor: Rosa, Joyce Kathle Pereira
Primeiro orientador: Oliveira, Mayllon
Primeiro membro da banca: Oliveira, Mayllon
Gomes, Suely Henrique
Resumo: O processo de subjetivação é o constante desdobrar por meio do qual a subjetividade é construída. A subjetividade emerge no contexto social, sempre entre os limites do sujeito e da sociedade. O biopoder, conceito escrito por Foucault (2009), designa uma forma de poder que age sobre a vida, categorizando cada um na sociedade e moldando a subjetividade, sempre com a finalidade de governar os sujeitos. Imbricado ao poder há o saber, o qual produz conhecimento acerca daquilo que governa, o que, por sua vez, conserva tal governo. O saber se dá por meio de discursos e separação, implicando a valorização de alguns saberes em oposição a outros. E esta segregação do saber, juntamente com a sujeição que busca dominar a subjetividade, age sobre o corpo, tratado mais especificamente neste trabalho no cabelo, como forma de controle e em torno do qual um discurso divergente do original é imposto. A subjetividade, porém, não se dobra tão facilmente diante do biopoder, ao contrário, implica diversas formas de resistência e um refazer o qual busca atingir a potencialidade de ser que seja livre de imposições socialmente agenciadas. Assim, foi feita a análise de discurso dos comentários e do vídeo da mesma postagem no site de rede social da marca “Tô de Cacho”, a fim de identificar as formas pelas quais age o biopoder nos discursos e saber em torno do cabelo. A análise do discurso da marca também resultou na identificação de ferramentas de apoio a valorização da subjetivação por processos de si e a beleza original dos cabelos crespos e cacheados. Foi possível identificar que a estrutura de funcionamento deste poder, no que diz respeito aos cabelos, envolve a instituição familiar no sentido de pedagogia do alisamento e a institucionalização no ambiente de trabalho com a finalidade de moldar a subjetividade.
Abstract: The process of subjectivation is the constant unfolding by means of which the subjectivity is built. Subjectivity emerges in the social context, always between the limits of the subject and society. Biopower, a concept written by Foucault (2009), designates a form of power that acts on life, categorizing each person in society and shaping the subjectivity, always with the purpose of governing the subjects. Imbued with power is knowledge, which produces knowledge about what it governs, which, in turn, retains such a government. Knowledge is given through discourses and separation, implying that some knowledge is more valued than others. And this segregation of knowledge, along with the subjection that seeks to dominate subjectivity, acts on the body, treated in this work more specifically in the hair, as a form of control and around which a discourse divergent from the original is imposed. Subjectivity, however, doesn’t bend so easily in the face of biopower, on the contrary, it implies various forms of resistance and a redo which seeks to achieve the potentiality of being that is free of impositions socially procured. Thus, it was made the discourse analysis of the comments and the video on the same post in the social network of the "Tô de Cacho" brand, in order to identify the ways in which biopower acts in speeches and knowledge around hair. The analysis of the brand's discourse also resulted in the identification of support tools for the valorization of subjectivation by processes of the self and the original beauty of the frizzy and curly hair. It was possible to identify that the structure of functioning of this power, as far as hair is concerned, involves the family institution in the sense of pedagogy of straightening and the institutionalization in the work environment with the purpose of shaping subjectivity.
Palavras-chave: Biopoder
Subjetividade
Cabelo
Etnia
Redes sociais
Biopower
Subjectivity
Hair
Ethnicity
Social media
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Unidade acadêmica: Faculdade de Informação e Comunicação - FIC (RG)
Nome do curso: Relações Públicas (RG)
Citação: ROSA, Joyce Kathle Pereira. Subjetividade e redes sociais: um estudo da marca Tô de Cacho. 2018. 91 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Faculdade de Informação e Comunicação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18274
Data de publicação: 4-Dez-2018
Aparece nas coleções:FIC - Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCCG - Relações Públicas - Joyce Kathle Pereira Rosa - 2018.pdf2,52 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons