Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18409
Tipo do documento: Artigo
Título: A metafísica do tempo oculta atrás da gare Saint-Lazare
Autor: Silva, Guilherme Ghisoni da
Resumo: Este artigo explora, em uma perspectiva temporal, a fotografia Atrás da Gare Saint-Lazare, de Henri Cartier-Bresson. Nessa fotografia, podemos notar uma clara tomada de posição acerca do estatuto do presente e do fluxo temporal. A fotografia de Cartier-Bresson parece sugerir que o presente da realidade é um presente punti forme, dado em uma fração de segundo, no interior do presente alongado da consciência. Pretendo sugerir que há, nesse tratamento, uma tensão entre uma fenomenologia e uma metafísica do tempo. Por meio dessa tensão, pretendo explorar a metafísica do tempo, que decorre dessa tomada de posição. Isso permitirá retraçar a estética de Cartier-Bresson à ideia de uma temporalidade não acumulativa, presente no paradoxo do arqueiro de Zenão, que constantemente fragmenta o tempo em átomos temporais. Encontraremos desdobramentos dessa concep- ção no modo como Bertrand Russell atribui à realidade a estrutura temporal do filme fotográfico, rompendo com a ideia de entidades persistentes, numericamente idênticas. Para Russel, cada uma das coisas da realidade é uma série de entidades, sucedendo umas às outras no tempo. Por fim, pretendo mostrar como a intencionalidade temporal da fotografia seria pensada por esse viés e propor outro modo de pensar a intencionalidade para além da estética do “momento decisivo” de Cartier-Bresson.
Abstract: This article exploits, from a temporal perspective, the photograph Behind the Gare Saint-Lazare, by Henri Cartier-Bresson. In this photograph, we can notice a clear position statement regarding the status of the present and the temporal flow. Cartier-Bresson’s photograph seems to suggest that the present of reality is a punctate present, offered in a split second, within the elongated present of consciousness. I intend to suggest that there is a tension between a phenomenology and metaphysics of time in this approach. Through this tension, I intend to exploit the metaphysics of time, which derives from this position statement. This will allow us to retrace Cartier- -Bresson’s aesthetics according to a non-cumulative temporality, observed in Zeno’s archer paradox, which always divides time into temporal atoms. We will observe this concept unfolding in the way how Bertrand Russell assigns to reality the temporal structure of photographic film, breaking with the idea of persistent entities, numerically identical. According to Russell, each thing in reality is a series of entities, succeeding each other in time. Finally, I also intend to show how the photograph’s temporal intentionality might be thought of from this viewpoint and propose another way of thinking of intentionality beyond Cartier-Bresson’s aesthetics of the “decisive moment”.
Palavras-chave: Corte temporal
Momento decisivo
Paradoxo de Zenão
Bertrand Russell
Metáfora cinemato gráfica
Temporal cut
Decisive moment
Zeno’s paradox
Bertrand Russell
Cinematographic metaphor
País: Brasil
Unidade acadêmica: Faculdade de Filosofia - FAFIL (RG)
Citação: SILVA, Guilherme Ghisoni da. A metafísica do tempo oculta atrás da Gare Saint-Lazare. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 71-83, jan./abr. 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: e- 2177-5672
Identificador do documento: e- 2177-5672
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18409
Data de publicação: Abr-2015
Aparece nas coleções:FAFIL - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Guilherme Ghisoni da Silva - 2015.pdf93,41 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons