Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18792
Tipo do documento: Artigo
Título: Fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis obtidos por inquérito telefônico – Vigitel Brasil – 2009
Título(s) alternativo(s): Risk and protection factors for chronic non communicable diseases by telephone survey – Vigitel Brazil – 2009
Autor: Iser, Betine Pinto Moehlecke
Claro, Rafael Moreira
Moura, Erly Catarina de
Malta, Deborah Carvalho
Morais Neto, Otaliba Libânio de
Resumo: Objetivo: Descrever os fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis resultantes do Sistema de Vigilância por Inquérito Telefônico (VIGITEL) em 2009. Metodologia: Prevalências dos principais fatores de risco e proteção foram estimadas na população ≥18 anos a partir de entrevistas telefônicas em amostras probabilísticas da população coberta por telefonia fixa nas capitais de estados do Brasil e no Distrito Federal, segundo sexo, faixa etária e escolaridade. Resultados: Foram realizadas 54.367 entrevistas. Fumantes e ex-fumantes corresponderam a 15,5e 22% da população adulta brasileira, respectivamente. O excesso de peso atinge 46,6% dos adultos; 33% relataram consumo de carne com gordura e 18,9% afirmaram consumir bebida alcoólica de forma abusiva. Tais fatores de risco são mais prevalentes em homens e em geral nos indivíduos jovens e de menor escolaridade. A prevalência de atividade física no lazer é de 18,8% (IC95% 17,4–20,1) em homens e de 11,3% (IC95% 10,6–12,0) nas mulheres. A inatividade física atinge 15,6% da população e aumenta com a idade. O consumo de frutas, legumes e verduras e a atividade física no lazer são mais frequentes em homens e mulheres com mais anos de estudo. Diagnóstico de hipertensão arterial foi referido por 21,1% (IC95% 19,6–22,5) dos homens e 27,2% (IC95% 25,8–28,5) das mulheres. A prevalência de diabetes foi de 5,8%. Conclusão: Os resultados apontaram comportamentos em saúde distintos de acordo com o sexo, idade e escolaridade da população e reforçam a tendência de queda do tabagismo e aumento no excesso de peso no Brasil.
Abstract: Objective: To describe the risk and protection factors for non communicable diseases with data from Telephone-based Surveillance of Risk and Protective Factors for Chronic Diseases (VIGITEL) in 2009. Methodology: The prevalence of main risk and protective factors was estimated in adults (≥18 years old), by telephone surveys in a probabilistic sample of the population covered by landline telephones in Brazilian state capitals and the Federal District, stratified by gender, age and schooling. Results: Data from 54,367 adults were collected. Smokers and former smokers represented 15.5 and 22% of Brazilian adults, respectively. Excess weight affected 46.6% of adults; 33% reported the consumption of meat with visible fat and reported 18.9% alcohol abuse. These factors were more prevalent among men and, in general, young adults and people with low schooling. The prevalence of physical activity in leisure was 18.8% (95%CI 17.4–20.1) among men and 11.3% (95%CI 10.6–12.0) among women. Physical inactivity affected 15.6% of population and increased with age. Consumption of fruits and vegetables and physical activity in leisure time were more prevalent in men and women with 12 years of schooling or more. Hypertension diagnosis was reported by 21.1% (95%CI 19.6–22.5) of men, and 27.2% (95%CI 25.8–28.5) of women. Prevalence of diabetes was 5.8%. Conclusion: The results point to different health behavior according to gender, age and schooling of the population and reinforce the decreasing smoking trend and increasing overweight trend in Brazil.
Palavras-chave: Estudos transversais
Fatores de risco
Doença crônica
Inquéritos epidemiológicos
Vigilância
Cross-sectional studies
Risk factors
Chronic disease
Health surveys
Health surveillance
País: Brasil
Unidade acadêmica: Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP (RG)
Citação: ISER, Betine Pinto Moehlecke et al. Fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis obtidos por inquérito telefônico – Vigitel Brasil – 2009. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 14, supl. 1, p. 90-102, 2011.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: 10.1590/S1415-790X2011000500010
Identificador do documento: 10.1590/S1415-790X2011000500010
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18792
Data de publicação: 2011
Aparece nas coleções:IPTSP - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Betine Pinto Moehlecke Iser - 2011.pdf345,07 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons