Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/19650
Tipo do documento: Artigo
Título: Prevalência de transtorno mental comum na atenção primária
Título(s) alternativo(s): Prevalence of common mental disorders in primary health care
Autor: Lucchese, Roselma
Sousa, Kamilla de
Bonfin, Sarah do Prado
Vera, Ivânia
Santana, Fabiana Ribeiro
Resumo: Objetivo: Estimar a prevalência de transtorno mental comum e seus fatores associados em serviço de atenção primária. Métodos: Estudo transversal que incluiu 607 indivíduos em serviço de atenção primária. O instrumento de pesquisa foi o questionário Self Report Questionnaire 20. Resultados: Dos sujeitos entrevistados, 31,47% apresentaram maior probabilidade para transtorno mental comum. Foram associadas à menor probabilidade de desenvolvimento do Transtorno Mental Comum as variáveis preditoras: gênero, estado civil solteiro, ocupação estudante e com carteira assinada, maior nível de escolaridade e renda acima de quatro salários mínimos. E, à maior probabilidade de desenvolvimento do Transtorno Mental Comum as variáveis referir ocupação autônoma, do lar, ter filhos, menor escolaridade e baixa renda. Conclusão: A prevalencia de Transtorno Mental Comum foi alta e os fatores associados foram: no gênero feminino, divorciado ou separado, cor da pele amarela, idade de 18 a 59 anos, ocupação do lar, com filhos, com quatro a sete anos de estudo, renda de até um salário mínimo e residindo em moradia emprestada ou doada.
Abstract: Objective: To assess the prevalence of common mental disorder and its related factors in primary health care. Methods: Cross-sectional study with 607 individuals in a primary health care service. The instrument of the study was the Self Reporting Questionnaire 20. Results: Out of the interviewed subjects, 31.47% showed greater probability of occurrence of a common mental disorder. The following predictive variables were associated with a lower probability of occurrence of common mental disorder: sex, being single, being a student or a worker with signed labor, having higher education levels and income over four times the minimum wage. The variables associated with a higher probability of occurrence of a common mental disorder were being self-employed, housewife, with children, having lower education level and low income. Conclusion: The prevalence of a common mental disorder was high and the associated factors were: being female, divorced, Asian, aged between 18 and 59, housewife, with children, having four to seven years of education, income up to one minimum age and living in a borrowed or donated house.
Palavras-chave: Enfermagem de atenção primária
Pesquisa em enfermagem
Saúde mental
Transtornos mentais/ epidemiologia
Assistência à saúde mental
Primary care nursing
Nursing research
Mental health
Mental disorders/ epidemiology
Mental health assistance
País: Brasil
Unidade acadêmica: Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP (RG)
Citação: LUCCHESE, Roselma; SOUSA, Kamilla; BONFIN, Sarah do Prado; VERA, Ivânia; SANTANA, Fabiana Ribeiro. Prevalência de transtorno mental comum na atenção primária. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 27, n. 3, p. 200-207, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: 10.1590/1982-0194201400035
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
Identificador do documento: 10.1590/1982-0194201400035
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/19650
Data de publicação: 2014
Aparece nas coleções:IPTSP - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Roselma Lucchese - 2014.pdf163,73 kBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons