Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18153
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorGuimarães, Rafael Alves-
dc.creatorSilva, Leandro Nascimento da-
dc.creatorFrança, Divânia Dias da Silva-
dc.creatorDel-Rios, Nativa Helena Alves-
dc.creatorCarneiro, Megmar Aparecida dos Santos-
dc.creatorTeles, Sheila Araujo-
dc.date.accessioned2019-09-23T14:18:12Z-
dc.date.available2019-09-23T14:18:12Z-
dc.date.issued2015-08-
dc.identifier.citationGUIMARÃES, Rafael Alves; SILVA, Leandro Nascimento da; FRANÇA, Divânia Dias da Silva; DEL-RIOS, Nativa Helena Alves; CARNEIRO, Megmar Aparecida dos Santos; TELES, Sheila Araujo. Comportamentos de risco para doenças sexualmente transmissíveis em usuários de crack. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 23, n. 4, p. 628-634, jul./ago. 2015.pt_BR
dc.identifier.issne- 1518-8345-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/18153-
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCocaína crackpt_BR
dc.subjectUsuários de drogaspt_BR
dc.subjectDoenças sexualmente transmissíveispt_BR
dc.subjectFatores de riscopt_BR
dc.titleComportamentos de risco para doenças sexualmente transmissíveis em usuários de crackpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoObjetivos: investigar a prevalência e comportamentos de risco através do relato de doenças sexualmente transmissíveis em usuários de crack. Método: estudo transversal, realizado com 588 usuários de crack, de uma unidade de referência para tratamento de dependência química. Os dados foram obtidos por meio de entrevista face a face e analisados em programa estatístico Stata, versão 8.0. Resultados: do total de participantes, 154 (26,2%; IC 95%: 22,8-29,9) referiram antecedentes de doenças sexualmente transmissíveis. Idade entre 25 e 30 anos (RP: 2,1; IC 95%: 1,0-4,0) e superior a 30 anos (RP: 3,8; IC 95%: 2,1-6,8), consumo de álcool (RP: 1,9; IC 95%: 1,1-3,3), antecedentes de prostituição (RP: 1,9; IC 95%: 1,3-2,9) e relação sexual com pessoa vivendo com o vírus da imunodeficiência humana/aids (RP: 2,7; IC 95%: 1,8- 4,2) foram independentemente associados ao relato de doenças sexualmente transmissíveis. Conclusão: os resultados deste estudo sugerem elevado risco e vulnerabilidade dos usuários de crack para as doenças sexualmente transmissíveis.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.identifier.doi10.1590/0104-1169.0077.2597-
dc.publisher.departmentFaculdade de Enfermagem - FEN (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FEN - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Rafael Alves Guimarães - 2015.pdf413,84 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons