Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/21079
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorDias, Luciene de Oliveira-
dc.date.accessioned2022-08-02T14:58:21Z-
dc.date.available2022-08-02T14:58:21Z-
dc.date.issued2020-
dc.identifier.citationDIAS, Luciene O. Direitos "quase humanos": vivência para ensinar e aprender a comunicação dialógica. Revista de Comunicação Dialógica, Rio de Janeiro, n. 3, p. 86-106, jan./jun. 2020.pt_BR
dc.identifier.issne-2674-9246-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/21079-
dc.description.abstractAfter 70 years of the Universal Declaration of Human Rights and more than 30 years of the Federal Constitution, it is important to identify threats to the realization of elementary rights and, also, to seek alliances to ensure them. In this fight to defend rights, the dialogical communication combats the “pedagogy of cruelty” (SEGATO, 2014) that places some groups as human and others as “almost-human” (KRENAK, 2019). In this article, we propose a reflection that approach and approach again communication closer to the dialogical perspective triggered by the Brazilian educator Paulo Freire (2005). By rejecting necropolitics by Achille Mbembe (2018) and defending well-being, with education as a mediator, we believe in building respect for differences. To support our discussions, we used the experience of offering the curricular component “Citizenship and Human Rights” for the Journalism course at Universidade Federal de Goiás. This experience showed an agenda that seemed overlooked when we talk about professional training for journalists. The results indicate that students make use of dialogical communication to take a stand against the violation of human rights from the very beginning of their training.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectComunicação dialógicapt_BR
dc.subjectDireitos humanospt_BR
dc.subjectEducaçãopt_BR
dc.subjectCidadania comunicativapt_BR
dc.subjectDiferençapt_BR
dc.subjectDialogic communicationpt_BR
dc.subjectHuman rightspt_BR
dc.subjectEducationpt_BR
dc.subjectCommunicative citizenshippt_BR
dc.subjectDifferencept_BR
dc.titleDireitos “quase humanos”: vivência para ensinar e aprender a comunicação dialógicapt_BR
dc.title.alternative“Almost human” rights: experience to teach and learn dialogical communicationpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoDepois de 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e mais de 30 anos da Constituição Federal brasileira, ainda é importante identificarmos ameaças à concretização dos direitos elementares e, paralelamente, buscar alianças para assegurá-los. Nesta luta pela defesa de direitos, a comunicação dialógica combate a “pedagogia da crueldade” (SEGATO, 2014) que coloca alguns grupos como humanos e outros como “quase humanos” (KRENAK, 2019). Aqui, propomos uma reflexão que (re)aproxima a comunicação da perspectiva dialógica acionada pelo educador brasileiro Paulo Freire (2005). Ao rejeitar a necropolítica, conforme trabalhada por Achille Mbembe (2018), e fazer a defesa do bem-viver, tendo a educação como mediadora, apostamos na construção do respeito às diferenças. Para sustentar nossas discussões, lançamos mão da experiência de oferta do componente curricular “Cidadania e Direitos Humanos” para o curso de Jornalismo da Universidade Federal de Goiás. Esta experiência explicitou uma pauta que parecia esquecida quando falamos em formação profissional para jornalistas. Os resultados apontam que estudantes lançam mão da comunicação dialógica para posicionar-se contra a violação dos direitos humanos desde os seus primeiros momentos de formação.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Informação e Comunicação - FIC (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:FIC - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Luciene de Oliveira Dias - 2020.pdf296,31 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons