Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/21097
Tipo do documento: Artigo
Título: Mulheres em movimento e expressões na construção do viver-Cerrado
Título(s) alternativo(s): Women moving and expressions in doing living-Cerrado
Autor: Dias, Luciene de Oliveira
Freire, Ralyanara Moreira
Resumo: Pensar o Cerrado brasileiro a partir de movimentos e expressões de diferentes mulheres está no horizonte de nossa escrita. Para tanto, realizamos um percurso metodológico que envolveu extensa pesquisa de campo e entrevistas, realizadas no Cerrado goiano e de transição com a Amazônia, entre mulheres quilombolas, indígenas, quebradeiras de coco babaçu, tecedeiras e fiandeiras do algodão. Ainda lançamos mão das experiências vividas no I Encontro Nacional das Mulheres do Cerrado, realizado em 2019, onde uma carta escrita a centenas de mãos estabeleceu que “o Cerrado brasileiro tem cara de mulher”. A diversidade, atualidade e luta dessas mulheres, manifestas no texto, nos deram diretrizes para articular o adjetivo cerradeira e o termo viver-Cerrado em nossa busca por uma vida mais digna. Essas duas expressões, cerradeira e viver-Cerrado, são acionadas ao longo do presente artigo como uma forma de conceituar os amplos processos de interação entre humanos e não-humanos a partir de um ambiente que constrói e é construído ao mesmo tempo pelo bioma, pela cultura e pela sociopolítica. Neste momento da pesquisa, concluímos que o chamado ecofeminismo, a perspectiva teórica da amefricanidade e outros movimentos que denunciam as hierarquias e violências, são boas pistas para provocar mudanças. Acrescentamos, contudo, que o viver Cerrado está localizado na pluralidade, ancestralidade e compromissos intergeracional e interespecífico que constituem as mulheres cerradeiras.
Abstract: With this writing we want to think of the Brazilian Cerrado from the movements and expressions of different women. To this end, we carried out a methodological journey that involved extensive field research and interviews - in the Cerrado of Goiás and in transition with the Amazon - among quilombola, indigenous, coconut breakers, weavers, and cotton spinners women. We also used the experiences of the I Encontro Nacional das Mulheres do Cerrado, in 2019, where a letter written to hundreds of hands established that “the Brazilian Cerrado has the face of a woman”. The diversity, timeliness, and struggle of these women, manifested in the text, gave us guidelines for articulating the adjective cerradeira and the term living-Cerrado in our search for a more dignified life. These two expressions, cerradeira and living-Cerrado, are triggered throughout this article as a way of conceptualizing the broad processes of interaction between humans and non-humans from an environment that builds and is built at the same time by the biome, by culture and by socio-politics. At this point in the research, we conclude that the so-called ecofeminism, the theoretical perspective of amefricanity and other movements that denounce hierarchies and violence, are good leads to bring about changes. We add, however, that the living-Cerrado is in the plurality, ancestry and intergenerational and interspecific commitments that mark the cerradeira women.
Pensar el Cerrado brasileño a partir de los movimientos y expresiones de diferentes mujeres está en el horizonte de nuestra nueva escritura. Con este objetivo, llevaremos a cabo un curso metodológico que incluyó una extensa investigación de campo y entrevistas, realizadas en el Cerrado de Goiás y en transición con la Amazonía, entre mujeres quilombolas, mujeres indígenas, mujeres que trabajan con coco babaçu, tejedoras e hiladores del algodón. También utilizamos las experiencias del Primeiro Encontro Nacional de Mulheres do Cerrado, realizado en 2019, en el cual la carta "o Cerrado brasileiro tem cara de mulher" fue escrita. La diversidad, la oportunidad y el beneficio de estas mujeres, manifestadas en el texto, nos dieron pautas para articular el adjetivo cerradeira y el palabra vivir-Cerrado en nuestra búsqueda de una vida más digna. Estas expresiones, cerradeira y vivir-Cerrado, se activan a lo largo de este artículo como una forma de conceptualizar los amplios procesos de interacción entre humanos y no-humanos desde un entorno que construye y es construido al mismo tiempo por el bioma, la cultura y la sociopolítica. En este momento de la investigación, concluimos que el llamado ecofeminismo, la perspectiva teórica de una amefricanidad y otros movimientos que denuncian jerarquías y violencia, son buenas pistas para lograr el cambio. Añadimos, sin embargo, que o vivir-Cerrado se ubica en la pluralidad, ascendencia y compromisos intergeneracionales e interespecíficos que marcan las mujeres cerradeiras.
Palavras-chave: Mulheres
Viver-Cerrado
Movimento
Expressões
Women
Living-Cerrado
Movement
Expressions
Mujeres
Vivir-Cerrado
País: Brasil
Unidade acadêmica: Faculdade de Informação e Comunicação - FIC (RG)
Citação: DIAS, Luciene de Oliveira; FREIRE, Ralyanara Moreira. Mulheres em movimento e expressões na construção do viver-Cerrado. Élisée: revista de Geografia da UEG, Anápolis, v. 9, n. 2, e9222014, jul./dez. 2020. Seção especial.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/21097
Data de publicação: Dez-2020
Aparece nas coleções:FIC - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Luciene de Oliveira Dias - 2020.pdf196,64 kBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons