Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9760
Tipo do documento: Dissertação
Título: Aspectos clínicos-epidemiológicos da criptococose no estado de Goiás
Título(s) alternativo(s): Clinical-epidemiological aspects of cryptococcosis in the state of Goiás
Autor: Bastos, Angelica Lima de
Currículo Lattes do Autor: CV: http://lattes.cnpq.br/5792552644794856
Primeiro orientador: Costa, Paulo Sérgio Sucasas da
Currículo Lattes do primeiro orientador: CV: http://lattes.cnpq.br/9224543529268366
Primeiro membro da banca: Costa, Paulo Sérgio Sucasas da
Segundo membro da banca: Souza, Lúcia Kioko Hasimoto e
Terceiro membro da banca: Marques, Solomar Martins
Quarto membro da banca: Costa, Lusmaia Damaceno Camargo
Resumo: A criptococose é uma micose sistêmica de elevada letalidade, sendo a meningoencefalite a forma mais grave e frequente da infecção. Ela é causada principalmente C. neoformans e C. gattii. C. neoformans é cosmopolita e geralmente se associa a indivíduos com imunossupressão celular pelo vírus HIV, enquanto C. gattii é endêmico em regiões tropicais e subtropicais, sendo normalmente patógeno primário em hospedeiros aparentemente imunocompetentes. O objetivo deste trabalho foi caracterizar os aspectos clínicos-epidemiológicos de pacientes com criptococose no estado de Goiás, nos anos de 2011 a 2014, a partir da análise de registros laboratoriais e de prontuários médicos localizados em unidades de referência para o agravo. Foram analisados 130 casos, com as seguintes variáveis pesquisadas: sexo, idade, procedência, naturalidade, fatores de risco, sinais e sintomas, forma clínica da doença, exames laboratoriais, tratamento, evolução e sequelas. Encontrou-se os seguintes resultados: predomínio do sexo masculino; faixa etária de 31 a 40 anos em HIV positivos e acima de 50 anos em HIV negativos; maioria dos pacientes naturais de Goiás e residentes em Goiânia-GO; 89,2% eram HIV positivos e 10,8% HIV negativos, sendo o uso crônico de medicamentos imunossupressores relacionados como fator de risco em 64,3% dos soronegativos; cefaleia e febre constituíram os principais sintomas e a menigoencefalite a forma clínica preponderante; C. neoformans foi a espécie mais isolada na cultura dos espécimes clínicos; a média da contagem de células T CD4 dos HIV positivos foi de 58,66 células/mm3 ; a maioria dos pacientes fizeram uso de anfotericina B durante a fase de indução do tratamento; 60,8% dos pacientes foram a óbito dos quais, 47,7% tendo criptococose como causa básica ou associada de morte e entre os pacientes que sobreviveram; 43,1% dos pacientes que sobreviveram ficaram com sequelas, sendo o déficit visual mais frequente. Acredita-se que os resultados obtidos possam servir como base de dados para documentar o perfil clínico-epidemiológico dos pacientes com criptococose em uma região tropical e contribuir com estudos de ecoepidemiologia global da doença.
Abstract: Cryptococcosis is a systemic mycosis associated with high lethality, with meningoencephalitis being the most serious and frequent form of infection. It is mainly caused by C. neoformans and C. gattii. C. neoformans is cosmopolitan and in general is associated with individuals with cellular immunosuppression related to HIV virus, while C. gattii is endemic in tropical and subtropical areas and is usually a primary pathogen in apparently immunocompetent hosts. The objective of this study was to characterize the clinical and epidemiological aspects of patients with cryptococcosis in the state of Goiás, Brazil, from 2011 to 2014, based on the analysis of laboratory data and medical records from reference units. We analyzed 130 cases with the following variables: sex, age, region, risk factors, signs and symptoms, clinical form of the disease, laboratory data, treatment, evolution and sequelae The following results were found: male predominance; age group of 31 to 40 years in HIV positive and over 50 years in HIV negative; majority of patients from Goiás and residents in capital (Goiânia); 89.2% were HIV positive and 10.8% were HIV negative. Also, the chronic use of immunosuppressive drugs was considered a risk factor in 64.3% of seronegatives; headache and fever were the main symptoms and meningoencephalitis was the predominant clinical form; C. neoformans was the most isolated species in culture of clinical specimens; the mean HIV-CD4 T-cell count was 58.66 cells / mm 3; the majority of patients where treated with amphotericin B during the induction phase of treatment; 60.8% of the patients died, of which 47.7% had cryptococcosis as the underlying or associated cause of death and among patients who survived; 43.1% of patients who survived had sequelae, with visual impairment being the most frequent. It is believed that the results obtained can be used as a database to document the clinical-epidemiological profile of patients with cryptococcosis in a tropical area and contribute with studies of global epidemiological epidemiology of the disease.
Palavras-chave: Criptococose
Epidemiologia
Infecções por HIV
Cryptococcosis
Epidemiology
HIV infections
Área(s) do CNPq: SAUDE COLETIVA::EPIDEMIOLOGIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Goiás
Sigla da instituição: UFG
Departamento: Faculdade de Medicina - FM (RG)
Programa: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM)
Citação: BASTOS, Angelica Lima de. Aspectos clínicos-epidemiológicos da criptococose no estado de Goiás. 2017. 80 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9760
Data de defesa: 11-Dez-2017
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências da Saúde (FM)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Angelica Lima de Bastos - 2017.pdf3,93 MBAdobe PDFBaixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons