Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/19154
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorBranquinho, Rodrigo Gomes-
dc.creatorDuarte, João Batista-
dc.creatorSouza, Plínio Itamar Mello de-
dc.creatorSilva Neto, Sebastião Pedro da-
dc.creatorPacheco, Roberto Miranda-
dc.date.accessioned2020-10-14T15:12:40Z-
dc.date.available2020-10-14T15:12:40Z-
dc.date.issued2014-10-
dc.identifier.citationBRANQUINHO, Rodrigo Gomes et al. Estratificação ambiental e otimização de rede de ensaios de genótipos de soja no cerrado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 49, n. 10, p. 783-795, out. 2014.pt_BR
dc.identifier.issn0100-204X-
dc.identifier.issne- 1678-3921-
dc.identifier.urihttp://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/19154-
dc.description.abstractThe objective of this work was to establish a consistent environmental stratification for recommendation and evaluation of experimental soybean lines and cultivars in the Cerrado region, from the analyses of genotype by environment interaction (GxE) for grain yield, besides evaluating the current trial network on the value for cultivation and use (VCU), for its optimization. Data were obtained from 559 competition trials of soybean lines, performed in 57 locations, during seven harvest periods (2002/2003 to 2008/2009). Joint analyses of variance were carried out by the AMMI (additive main effects and multiplicative interaction) model, and the environmental stratification by the related statistical approach of “winning genotypes”. The GxE interaction was always significant as a result of the genotype differential response to environmental change. Test locations clustered differently according to maturity groups. Redundancy was observed in 20% of the locations, which indicates the possibility of optimizing the trial network by the elimination or replacement of these locations. The target region should receive different stratifications, congenerous to each maturity group, and may be divided into 22 (early cycle), 23 (medium cycle), and 21 (long cycle) environmental strata.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/*
dc.subjectGlycine maxpt_BR
dc.subjectAnálise AMMIpt_BR
dc.subjectGenótipo vencedorpt_BR
dc.subjectInteração genótipo x ambientept_BR
dc.subjectLocais-chavept_BR
dc.subjectMega-ambientept_BR
dc.subjectGlycine maxpt_BR
dc.subjectAMMI analysispt_BR
dc.subjectWinner genotypept_BR
dc.subjectGenotype x environment interactionpt_BR
dc.subjectKey locationspt_BR
dc.subjectMmega-environmentpt_BR
dc.titleEstratificação ambiental e otimização de rede de ensaios de genótipos de soja no cerradopt_BR
dc.title.alternativeEnvironmental stratification and optimization of a multi-environment trial net for soybean genotypes in cerradopt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoO objetivo deste trabalho foi estabelecer uma estratificação ambiental consistente, para a recomendação e a avaliação de linhagens experimentais e cultivares de soja na região do Cerrado, a partir de análises da interação entre genótipos e ambientes (GxA) quanto à produtividade de grãos, além de avaliar a atual rede de ensaios de valor de cultivo e uso (VCU) para sua otimização. Os dados provieram de 559 ensaios de competição de linhagens de soja, realizados em 57 localidades, durante sete safras agrícolas (2002/2003 a 2008/2009). Realizaram-se análises conjuntas de variância, pelo modelo AMMI ("additive main effects and multiplicative interaction"), e de estratificação ambiental, pela abordagem correlata de “genótipos vencedores”. A interação GxA foi sempre significativa, como resultado da resposta diferencial dos genótipos à variação ambiental. Os locais de teste se agruparam de modo diferente de acordo com os grupos de maturação. Observou-se redundância em 20% dos locais, o que indica a possibilidade de otimização da rede de ensaios, via eliminação ou substituição dessas localidades. A região-alvo deve receber estratificações distintas, congêneres a cada grupo de maturação, e pode ser dividida em 22 (ciclo precoce), 23 (ciclo médio) e 21 (ciclo tardio) estratos ambientais.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.identifier.doi10.1590/S0100-204X2014001000005-
dc.publisher.departmentEscola de Agronomia - EA (RG)pt_BR
Aparece nas coleções:EA - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Artigo - Rodrigo Gomes Branquinho - 2014.pdf1,38 MBAdobe PDFThumbnail
Baixar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons